Gonzaga explica permanência na Câmara após decreto de Temer e critica depredações durante protestos

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) optou por permanecer na Câmara dos Deputados na última quarta-feira (24), mesmo após todo o bloco de oposição esvaziar o plenário por conta do decreto do presidente Michel Temer, que autorizou o uso das Forças Armadas para garantia da lei e da ordem, diante dos protestos que resultaram em destruição de prédios dos Ministérios. Segundo o parlamentar, sua presença se fez necessária devido aos projetos e medidas provisórias em pauta.

Nunca deixei de votar o que é bom para o país. Fiquei, mas com todo o respeito ao posicionamento do meu partido (o PSB) e demais componentes da oposição”, destacou o parlamentar. O bloco, formado ainda pelo PT, PDT, Rede, PSOL e PCdoB, se retirou do plenário alegando que a medida representou, na prática, a decretação do estado de exceção no País.

Foram aprovadas seis Medidas Provisórias (MPs), entre elas: a  759/16, que impõe regras para regularização de terras da União ocupadas na Amazônia Legal e disciplina novos procedimentos para regularização fundiária urbana e rural até 2,5 mil hectares; e a 767/17, que trata da concessão do auxílio-doença, da aposentadoria por invalidez e do salário-maternidade no caso de o segurado perder essa condição junto ao RGPS e retomá-la posteriormente. Estas e as outras quatro foram aprovadas em votação simbólica e seguem para apreciação do Senado.

Gonzaga ainda criticou as depredações causadas durantes os protestos desta quarta-feira (24). “Nos movimentos sociais, às vezes existem excessos, mas não são excessos de quem promove o debate. Isso é ato que quem se infiltra para depredar bens públicos. Esses não estão protestando contra os desmantelos em nosso país, estão cometendo abusos. É importante que seja coibido! Quem veio protestar por dias melhores não vem depredar Ministérios ou desobedecer às ordens policiais”, destacou.

Especulações sobre eventual renúncia de Temer apontam senador Jereissati eleito presidente interino

Espalham-se pelas redes sociais, feito rastilho de pólvora, as especulações em torno de uma eventual renúncia do presidente Michel Temer (PMDB). A mais recente dá conta de que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) seria eleito presidente da República no próximo dia 7 de junho, em eleição indireta, pelo Congresso Nacional, após a cassação da chapa Dilma-Temer pelo Superior Tribunal Eleitoral (TSE), no dia anterior.

Esta teria sido a saída negociada e definida pelas lideranças nacionais e o Poder Judiciário para tentar aplacar a mais nova crise política que desmonta o atual governo e ‘emperra’ os projetos de interesse do País. A ideia é que Tasso fique na Presidência até o dia 1º de janeiro de 2019, proceda com mais tranquilidade e equilíbrio as reformas trabalhista, previdenciária e política em curso, e seja sucedido pelo candidato eleito em pleito direto, no dia 3 de outubro de 2018, conforme o calendário eleitoral.

Para que isso aconteça, o Congresso deverá aprovar uma mudança na Constituição, que já faz parte do acordão selado. Tasso é um dos poucos políticos com experiência, maturidade e projeção nacional não atingidos pela Operação Lava Jato. Mas, ao menos por enquanto, tudo ainda está no campo dos boatos. Quem viver, verá. (Foto/arquivo reprodução)

Após protestos de ontem, Câmara Federal aprova seis MPs; Deputados, porém, continuam considerando “insustentável” situação do governo

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (24) seis medidas provisórias, trabalhando em ritmo de normalidade mesmo após a manifestação contra o governo de Michel Temer degringolar em um ato de vandalismo e depredação pelas ruas de Brasília e agravar a crise política. Temer editou, às pressas, um decreto para conter o ato com o apoio do Exército, o que provocou reações acaloradas entre os parlamentares – incluindo brigas, xingamentos e empurra-empurra dentro do plenário.

Após o dia tumultuado, no entanto, os deputados conseguiram aprovar medidas provisórias que aguardavam votação. O resultado foi possível porque a oposição, que nesta tarde chegou a ocupar a tribuna da Câmara para impedir os trabalhos, abandonou o plenário em protesto à presença dos militares nas ruas da capital do país.

Enquanto as matérias avançavam, o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), chegou a brincar: “Desse jeito nós vamos até aprovar a Reforma da Previdência hoje”. Os deputados aprovaram as MPs 759, 760, 761, 762, 764 e 767.

O resultado do plenário, porém, em nada significa que a crise do governo Temer, acuado pelas acusações feitas por delatores do grupo JBS, está prestes a cessar. Deputados, internamente, avaliam que a cada dia a situação do peemedebista no comando do país está mais insustentável. (Fonte: Veja/foto: Luis Bernardo Jr.)

Kaio Maniçoba defende renúncia de Temer e garante: “Postura da bancada será de independência na Câmara”

O deputado federal Kaio Maniçoba já tomou seu posicionamento final em relação ao presidente da República Michel Temer, após a delação premiada do empresário Joesley Batista, do Grupo JBS, que acusou Temer de dar o aval para que ele ‘comprasse o silêncio’ do ex-deputado Eduardo Cunha. Em entrevista à imprensa regional, Kaio defendeu a renúncia do presidente.

O detalhe é que o parlamentar sertanejo é do mesmo partido de Temer: o PMDB. Kaio disse não ter receio de ser retaliado pelo governo federal por ter tomado essa decisão. “A gente tem de defender o que a gente acredita. Eu não voto no que não acredito”, justificou.

O parlamentar ressaltou que, assim como foi oposição ao Governo Dilma – o qual, segundo ele, é culpado pelos vários problemas atuais do País –, ele veio para a base aliada de Temer. Mas Kaio acredita que a situação do presidente tornou-se praticamente insustentável diante dos últimos acontecimentos. Ele afirmou ainda que sua decisão, na verdade, respalda a Executiva do PMDB de Pernambuco, presidida pelo vice-governador Raul Henry. De acordo com o deputado, a postura da bancada na Câmara Federal “será de independência” em relação ao governo federal e deve votar contra os projetos oriundos do Executivo. “Acho que o grande serviço que ele (Temer) poderia dar ao País era se afastando do governo”, completou o peemedebista.

Integrantes da Frente Brasil Popular de Petrolina vão às ruas pedir ‘Diretas Já’

Integrantes da Frente Popular de Petrolina reforçaram a mobilização ocorrida em várias cidades brasileiras  para pedir a saída do presidente da República, Michel Temer (PMDB), e a realização imediata de novas eleições no País.

O ato público, que começou por volta das 7h deste domingo (21), consistiu de uma adesivagem cobrando “Diretas Já!”. O ponto escolhido pela Frente Popular foi o semáforo da feira livre da Areia Branca, zona leste da cidade.

Segundo os organizadores, pelo menos 300 veículos foram adesivados. Em seguida, o grupo fez uma panfletagem na feira. (Fotos/WhatsApp)

OAB quer impeachment de Temer; pedido deve ir à Câmara

Em reunião finalizada na madrugada deste domingo (21), o Conselho Pleno da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou parecer que recomenda a abertura de processo de impeachment contra o presidente da República, Michel Temer, por crime de responsabilidade.  Foram 25 votos a favor e um contra, com uma ausência. Cada voto corresponde à representação da Ordem em um Estado brasileiro. O pedido deve ser protocolado na Câmara dos Deputados nos próximos dias.

A decisão do Conselho segue o o que foi definido pela comissão especial do órgão, que, convocada pela diretoria da OAB Nacional, já havia indicado a posição a favor da abertura do afastamento de Temer por ter “falhado ao não informar às autoridades competentes a admissão de crime por Joesley Batista e faltado com o decoro exigido do cargo ao se encontrar com o empresário sem registro da agenda e prometido agir em favor de interesses particulares“.

De acordo com o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, a reunião extraordinária foi convocada após ser disponibilizado acesso aos autos do processo contra Temer no Supremo Tribunal Federal. Os conselheiros do órgão condenaram a atitude de Temer ter se encontrado com empresário investigado pela Polícia Federal. Além disso, foi destacado que, ao não denunciar o empresário após ele admitir ter corrompido dois juízes e um procurador, “Temer faltou com o decoro e feriu a Lei do Servidor Público“. Segundo a OAB, Temer também teria agido em favor dos interesses pessoais de Joesley em detrimento do interesse público.

De acordo com o parecer da comissão, Temer teria infringido o artigo 85 da Constituição, que define os crimes de responsabilidade do Presidente da República, e a Lei do Servidor Público, por não informar à autoridade competente atos ilícitos que teriam sido cometidos por Joesley. A comissão avaliou ainda que o presidente também teria infringido o decoro exigido pelo cargo por ter recebido com o empresário, especialmente pelo horário em que ocorreu o encontro (22h45) e sem registro na agenda oficial. (Com informações do UOL/foto: reprodução)

PSB rompe com o governo e pede renúncia de Michel Temer

Sexta maior bancada do Congresso, com 42 parlamentares, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) decidiu neste sábado (20) romper com o governo do presidente Michel Temer (PMDB). A decisão saiu da reunião da Executiva Nacional do partido, que esteve reunida desde o começo da manhã. Os socialistas também pedem a renúncia o “mais rápido possível” de Temer.

O partido decidiu também que todos os cargos no governo, a exemplo do Ministério da Minas e Energia que tem à frente o deputado federal licenciando, Fernando Filho, serão entregues. O senador Fernando Bezerra Coelho, pai de Fernando Filho e membro da Executiva, não participou da reunião.

A decisão veio após as delações dos executivos da JBS, que apresentaram gravações com o presidente Michel Temer sendo conivente com a entrega de propina pelo empresário Joesley Batista para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, que está preso por crime de corrupção dentro da Operação Lava Jato.

Em nota, o PSB afirma que “a imensa tensão entre a urgência que aflige a população, em busca de melhorias de suas condições de vida, e a incerteza quanto à demora nos resultados do julgamento que atingirá o presidente da República, lhe toma de forma irremediável a governabilidade”. O partido também fechou questão sobre eleições diretas, caso o presidente renuncie. (Com informações e foto do UOL)

 

Temer critica autenticidade de áudio e deve acionar STF pedindo suspensão de inquérito

O presidente Michel Temer afirmou neste sábado (20), em pronunciamento de 12 minutos e meio no Palácio do Planalto, que ingressará no Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de suspensão do inquérito aberto com autorização do ministro Edson Fachin para investigá-lo por suspeita de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. O pedido foi protocolado por volta das 16h, depois de concluído o pronunciamento.

Ele também afirmou que não deixará a Presidência da República. “Digo com toda segurança: o Brasil não sairá dos trilhos. Eu continuarei à frente do governo”.

Na noite de 7 de março deste ano, Temer recebeu o empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, na residência oficial do Palácio do Jaburu. O empresário registrou a conversa com um gravador escondido e depois apresentou a gravação a investigadores da Operação Lava Jato, da qual se tornou delator.

No pedido de abertura de inquérito ao STF, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que a conversa indica “anuência” de Temer ao pagamento de propina mensal, por Joesley, para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba pela Operação Lava Jato.

“Li hoje no jornal ‘Folha de S.Paulo’ notícia de que perícia constatou que houve edição no áudio de minha conversa com o sr. Joesley Batista. Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos. Incluída no inquérito sem a devida e adequada averiguação, levou muitas pessoas ao engano induzido e trouxe grave crise ao Brasil. Por isso, no dia de hoje, estamos entrando com petição no Supremo Tribunal Federal para suspender o inquérito proposto até que seja verificada em definitivo a autentiticidade da gravação”, declarou o presidente.

Nota

Logo após o pronunciamento, o advogado Francisco Assis, que participou do acordo de delação da JBS, afirmou que não houve edição do áudio e divulgou a seguinte nota: “O áudio reflete uma gravação amadora feita por Joesley, tem 38 a 40 minutos, foi o tempo contando entrada e saída do local. Não há absolutamente nenhuma edição. Temos cópia do material original, está sendo mantida em local seguro. Entendemos o argumento da defesa de questionar, mas lembramos que Temer não nega a reunião e nem os assuntos tratados. Pretendemos fazer uma perícia própria e de forma alguma nos opomos a uma perícia. Só esperamos que o governo não use o sistema para tentar anular o áudio“. (Fonte: G1/foto arquivo reprodução)

Sobre novo escândalo político no país, Paulo Câmara afirma que Temer “deve explicações” à nação

Em vídeo gravado, o governador de Pernambuco Paulo Câmara (PSB) também se pronunciou sobre o novo escândalo político que abalou o país. Ele disse, entre outras coisas, que o presidente Michel Temer – envolvido nas denúncias – “deve explicações” à nação.

Confiram a íntegra do vídeo:

Brasileiros saem às ruas para pedir saída de Temer e ‘Diretas Já’; Em Petrolina, vereador incentiva população a fazer o mesmo

Milhares de brasileiros saíram às ruas no dia de ontem (18) para pedir a saída do presidente da República, Michel Temer (PMDB), após as graves denúncias feitas pelo dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, o qual revelou uma escuta telefônica de Temer. No áudio divulgado pela Polícia Federal (PF), o peemedebista incentiva Batista a ‘comprar o silêncio’ do ex-deputado Eduardo Cunha, por meio de pagamentos mensais. Na Casa Plínio Amorim, o assunto também rendeu.

Integrante da bancada do PT no Legislativo de Petrolina, o vereador Professor Gilmar Santos incentivou a população a se manifestar mais uma vez contra o atual governo, se mobilizando pelas ruas da cidade. (Foto/reprodução)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br