Outdoor vira moeda de troca por favores políticos e gera poluição visual em Petrolina

Petrolina agora convive com um novo ‘fenômeno’: a invasão irregular de placas de outdoor. Do dia para noite, elas se reproduziram de forma desordenada e assustadora.

A distribuição indiscriminada de outdoors aconteceu durante todo o governo, com mais ênfase no final do mandato, do ex-prefeito Julio Lossio (PMDB), que distribuiu a torto e a direito com os amigos e coligados, em troca de apoio politico ou outros favores.

Mas não parou por aí. Todo dia aparecem novos engenhos, agora sem autorização mesmo, na cara dura.

O prefeito Miguel Coelho precisa tomar providência urgente contra essa propagação ilegal e pautada em troca de favores. O ideal mesmo era tornar todas as autorizações dos últimos anos sem efeito e a prefeitura apresentar um novo programa de cidade limpa, que discipline a mídia visual como um todo.

Esperamos providencias.

Sementeiras não aparecem e protesto no Centro de Petrolina acaba não acontecendo

O esperado protesto de funcionárias do Programa ‘Nova Semente’, marcado para a manhã desta sexta-feira (27) na Praça do Bambuzinho, Avenida Souza Filho, no Centro de Petrolina, acabou não acontecendo.

Segundo informações repassadas a este Blog, pouco mais de sete sementeiras (como são conhecidas as funcionárias do programa) compareceram ao local. O protesto seria contra a decisão do atual prefeito, Miguel Coelho, de fazer alguns ajustes no Nova Semente, que incluiriam a demissão das sementeiras.

A demissão, no entanto, teria ocorrido ainda na gestão de Julio Lossio, antecessor de Miguel.

Ronaldo Cancão rebate críticas à reforma administrativa de Miguel e garante que erro foi da gestão passada

O vereador governista Ronaldo Cancão (PTB) rebateu as críticas dos integrantes da oposição que votaram contra a reforma administrativa do atual prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB).

Segundo Cancão, os sete projetos de lei enviados pelo socialista à Casa Plínio Amorim estão conforme a lei. A questão, explica, o vereador, é que o antecessor de Miguel, Julio Lossio (PMDB), promoveu 21 alterações em leis municipais, sem que pedisse para extinguir nenhuma lei anterior.

“O problema de hoje (referindo-se à reforma) foi a falta de respeito do governo anterior na consolidação da lei, que está na Constituição Federal. Quando você consolida todas as leis, efetivamente não estariam pairando as dúvidas de hoje sobre as leis que ora foram aprovadas”, avaliou.

Cancão revelou ainda que há mais leis não incluídas na reforma que dão margem a esse tipo de interpretação. “E eu disse aqui, porque comigo é na transparência. Hoje sou aliado do governo, mas não sou conivente, nem leviano e nem ‘balança cabeça’. Vou defender o governo, mas dentro de uma prerrogativa constitucional”, completou.

Vereador Paulo Valgueiro minimiza apoio de aliados de Lossio à reforma administrativa de Miguel: “Não temos ninguém subserviente”

Com todas as credenciais para assumir a liderança da bancada de oposição na Casa Plínio Amorim, o vereador Paulo Valgueiro (PMDB) minimizou o fato dos demais companheiros do grupo político do ex-prefeito de Petrolina, Julio Lossio (PMDB), terem optado por votar favorável ao projeto de reforma administrativa enviada pelo atual prefeito Miguel Coelho (PSB). Na segunda sessão extraordinária do ano, convocada a pedido do socialista, na manhã de ontem (19), o projeto foi aprovado de forma acachapante – 19 votos a 3.

Entre os vereadores que votaram a favor estavam os aliados de Lossio, Gabriel Menezes e Domingos de Cristália (ambos do PSL). A decisão dos dois já começou a suscitar rumores de que estariam ensaiando uma aproximação com Miguel. Mas Valgueiro, que inclusive foi o único do grupo a votar contra, viu de outra forma.

“Isso mostra que não temos nenhum vereador subserviente. A gente tem nossa independência, a forma de cada um analisar o processo. Vai haver momentos aqui em que eu vou votar contra um projeto, e meus colegas a favor, ou vou votar a favor, e meus colegas contra. A gente não tem que estar pedindo a opinião de ninguém para saber como vai votar. Nosso voto é o voto da consciência de cada um dos membros da oposição”, ponderou o vereador, que considerou uma “contradição” enxugar secretarias, mas aumentar despesas com cargos comissionados.

Valgueiro também explicou a abstenção do seu voto em relação ao projeto 007/17, que trata da reorganização da Autarquia Municipal de Mobilidade Urbana de Petrolina (AMMPLA). Segundo o vereador, por ser do quadro da AMMPLA ele estaria legislando em causa própria, ferindo assim os princípios hierárquicos do órgão. Além de Valgueiro, apenas os dois representantes do PT na Casa, Professor Gilmar Santos e Cristina Costa, votaram contra a reforma administrativa do Executivo.

Escultor juazeirense ameaça ‘derreter’ estátua em homenagem a Osvaldo Coelho por conta de calote da gestão anterior

Autor de várias esculturas adquiridas pela Prefeitura de Petrolina na gestão passada – de gosto, inclusive, questionado pelos petrolinenses – e um dos maiores defensores do Governo Julio Lossio (PMDB), o escultor juazeirense Ledo Ivo desabafou nas mídias sociais.

Depois da estátua do Padre Cícero, do relógio na Praça Dom Malan e da Iara no Rio São Francisco, que ficou conhecida como ‘Iemanjá de Julio Lossio’ Ledo disse que uma escultura em bronze, encomendada pela prefeitura em homenagem ao eterno deputado federal Osvaldo Coelho, pode ser dissolvida por falta de pagamento. Em outras palavras, o escultor levou um calote de quem tanto defendia.

O Blog já entrou em contato com o escultor, mas ainda não obteve retorno.

Elismar não confirma ida para a base de Miguel, mas diz que vai ajudar o prefeito a fazer uma gestão “exitosa”

O vereador Elismar Gonçalves (PMDB) entrou em contato com a reportagem do Blog após tomar conhecimento da nota postada sobre seu destino na Câmara Municipal de Petrolina – se fica na oposição ou reforça a base do prefeito Miguel Coelho (PSB). O peemedebista ressaltou que apesar de ser aliado do ex-prefeito Julio Lossio (PMDB), sua relação com Miguel e com o grupo político liderado pelo senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) foi sempre tranquila e respeitosa.

“Eu sempre coloquei que mesmo apoiando o candidato do ex-prefeito Julio, eu sempre tive uma relação muito tranquila com o povo de Fernando, muito respeitosa. A eleição passou, os palanques precisam ser desarmados e agora a gente precisa trabalhar por Petrolina, pelas pessoas, para o povo do interior independente de que esteja prefeito“, salientou.

Sem rodeios, Elismar foi direto ao ponto. “Vou ajudar Miguel a melhorar a cidade. Se ele fizer uma gestão bem feita, ele vai atender na realidade, o povo de Petrolina, quem precisa de educação, de saúde, de infraestrutura, quem precisa de uma cidade limpa, e neste ponto Miguel já começou o mandato fazendo um trabalho que para algumas pessoas pode até parecer simples, mas é de uma dimensão muito grande que é manter a cidade limpa“, pontuou o ex-líder de Lóssio na Casa Plínio Amorim.

O vereador reeleito afirma que vai, sim, contribuir com o governo do socialista. “Torço para um mandato de sucesso de Miguel e, no que eu puder contribuir, não hesitarei, porque se ele fizer uma gestão exitosa, quem ganha é o povo de Petrolina. Vou procurar a gestão, vou procurar alguns secretários, conversar com o prefeito, para atender alguns pleitos tanto do interior quanto da cidade. Miguel vai contar com meu apoio para qualquer projeto que seja importante para a cidade“, concluiu.

Odacy evita polêmica sobre dívida herdada por Miguel do Governo Lossio

O deputado estadual Odacy Amorim (PT/PE), não quis comentar a polêmica dos números sobre a dívida herdada pelo prefeito Miguel Coelho (PSB) do seu antecessor Julio Lossio (PMDB), que sucedeu Odacy em 2009 na Prefeitura de Petrolina. Perguntado sobre o assunto, o deputado – que governou a cidade entre 2007 e 2008 – se esquivou.

Nessa linha, vou preferir não fazer comentários”, disse Odacy que assumiu a prefeitura por ser o vice do hoje senador Fernando Bezerra Coelho (PSB). O socialista deixou o cargo na época para ocupar a secretaria de Desenvolvimento Econômico  de Pernambuco na gestão do ex-governador Eduardo Campos.

O assunto vem sendo motivo de polêmica entre o ex e o atual governo e a ex-secretária de Finanças de Lossio, Angelina Bernardo, que atualmente ocupa a pasta em Lagoa Grande, no Sertão do São Francisco, e vem sendo escalada para rebater as críticas sobre débitos pendentes da ex-gestão, questionada por Miguel Coelho. Sobre o anúncio da dívida herdada pelo prefeito, Angelina ironiza as queixas da atual administração e frisa. “São números que deveriam ser comemorados por Petrolina, pois Lossio teria assumido com mais do dobro do que alardeou a atual gestão”, afirmou.

Conforme Angelina, Lossio assumiu, em 2009, uma dívida herdada superior a R$ 96 millhões – ou 41% da Receita Corrente realizada em 2008, que era de pouco mais de R$ 233 milhões, conforme Relatório Resumido da Execução Orçamentária, balanço orçamentário divulgado no sítio do Tesouro Nacional). “Se correto estiver o valor da dívida anunciada, de R$ 45 milhões, ela passou a representar apenas 8,5% da Receita Corrente, que é de cerca de R$ 528 milhões, ou metade da dívida herdada”, contabilizou a ex-titular das finanças de Petrolina. Para ela, Lossio não somente pagou as suas dívidas, mas as de seus antecessores. “Se Miguel Coelho fizer o mesmo, Petrolina será uma cidade sem dívidas ao final de sua gestão“, projetou.

Miguel nomeia ex-secretário de Lossio para a secretaria executiva da Fazenda

O ex-secretário da Receita Municipal do Governo Julio Lossio, Allan Maux, foi nomeado pelo atual prefeito Miguel Coelho (PSB), secretário executivo da Fazenda.

Allan, que é do quadro do município, fez uma gestão que refletiu resultados positivos na arrecadação de Petrolina. O desempenho dele à frente dessa pasta certamente pesou na hora da nomeação.

Vereador Aero rebate críticas de Paulo Valgueiro a Miguel: “Deveria primeiro se informar”

Integrante do grupo político do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), o vereador Aero Cruz (PSB) rebateu de imediato as críticas proferidas pelo seu futuro colega de Casa Plínio Amorim, Paulo Valgueiro (PMDB), ao socialista pelo incidente ocorrido na noite do último domingo (1), após a transmissão de cargo do ex-prefeito Julio Lossio (PMDB) a Miguel.

Aero assegurou que a música “Arruma a mala aê”, tocada em ironia a Lossio, não saiu do carro de som oficial da prefeitura. Confiram a nota enviada ao Blog pelo vereador:

Sobre as declarações do vereador Paulo Valgueiro, gostaria de esclarecer que a música a qual o vereador se refere não partiu do som oficial do evento da transmissão de cargo. Havia um ‘paredão’ nas proximidades da prefeitura, num local público, onde as pessoas têm liberdade para ir e vir. A manifestação partiu da rua, do povo.

O governo não organizou nada e o vereador deveria primeiro se informar antes de sair divulgando críticas infundadas ao prefeito e à atual gestão.  

A manifestação das ruas é a legítima vontade do povo. Não temos por hábito mandar ou manipular as pessoas. Esse tipo de atitude não faz parte do novo tempo.

Aero Cruz/Vereador

Vereador Paulo Valgueiro achou “deselegante” música irônica para Lossio

Um fato notado por algumas pessoas no último domingo (1), após a solenidade de transmissão de cargo do então prefeito Julio Lossio (PMDB) para seu sucessor Miguel Coelho (PSB), deu o que falar. No momento em que Lossio deixava a sede da prefeitura, juntamente com sua esposa Andréa, uma música conhecida de campanhas municipais, “Arruma a mala aê”, foi tocada em forma de ironia ao ex-gestor. Aliado de Lossio, o vereador Paulo Valgueiro (PMDB) já se pronunciou. Ele viu a atitude como “deselegante” por parte do socialista.

Confiram a nota enviada à imprensa por Valgueiro sobre o assunto:

O ex-prefeito Julio Lossio agiu com muita elegância ao receber o prefeito Miguel Coelho para a transmissão do cargo, cumprindo com nobreza o seu dever cívico.

Na saída do prefeito que deixa o cargo, manifestações populares de aprovação e desaprovação fazem parte do processo. De fato, não é fácil controlar as reações apaixonadas da população.

Mas o que não deveria fazer parte da solenidade foi a deselegância do prefeito Miguel Coelho, ao permitir que o carro de som utilizado pelo seu cerimonial tocasse uma música hostilizando o ex-prefeito e a sua família no momento em que deixavam o local.

A famigerada música “Arruma a mala aí” foi tocada no carro de som oficial da transmissão de cargo, mostrando uma total falta de respeito à liturgia do momento. Não foi bonito, não foi engraçado, não foi cortês, não foi necessário.

Ao contrário, o deselegante ato só demonstrou os sentimentos de revanchismo, de falta de educação, de animosidade, que não deveriam compor a equipe que chega para administrar a nossa Petrolina.

Contrariando o seu discurso de palanques desarmados, o prefeito Miguel inicia sua gestão tendo como primeiro ato a deselegância. Caso diga que não foi responsável pelo fato, o prefeito inicia o seu governo sem a capacidade de comandar os seus auxiliares. Só nos resta torcer para que seja apenas deselegância. Que Miguel saiba administrar com destreza e liderança os destinos do povo de Petrolina.

Paulo Valgueiro/Vereador

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br