Santa Maria da Boa Vista: Humberto Mendes prestigia candidaturas a vereador de aliados na zona rural

humberto santa maria da boa vista

Em Santa Maria (PE), Sertão do São Francisco, a Coligação Majoritária Frente Popular de Boa Vista, encabeçada pelo candidato a prefeito Humberto Mendes (PTB) e seu vice, Professor Walter (PT), começou o dia de ontem (21) nas áreas de sequeiro, apresentando propostas para miminizar os problemas do homem do campo. Em seguida, prestigiou o lançamento da candidatura do vereador Álvaro Roberto, no Projeto Fulgêncio (AG 43). O evento contou com um bom número de pessoas, incluindo representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR).

À noite, a coligação participou de outro lançamento de candidatura, desta vez do sindicalista Luiz Pereira, também no Projeto (AG 16). “A hora da mudança chegou. Vamos às ruas preencher os espaços. Essa vitória é sua, é nossa, será do povo. A cada dia, a cada evento, a campanha cresce. Vamos à luta!”, enfatizou Humberto. (foto: Assessoria/divulgação)

Humberto critica cortes do Governo Temer nos recursos do Programa de Revitalização e Transposição do São Francisco

humberto

Marcando presença em Petrolina ontem (28), quando participou da convenção que homologou as candidaturas de Odacy Amorim a prefeito e de Léia Araújo a vice, o senador Humberto Costa (PT) criticou os cortes anunciados pelo presidente interino Michel Temer nos recursos do Programa de Transposição e Revitalização do Rio São Francisco. Conhecido como o maior programa de infraestrutura hídrica do país, a transposição – cujo prazo de conclusão seria o final deste ano – deve deixar de receber investimentos da ordem de R$7,5 bilhões. Os recursos serviriam para ações de recuperação de nascentes e áreas degradadas, gestão e fiscalização ambiental, entre outros.

Inicialmente orçado em R$ 10 bilhões, o programa que daria continuidade à transposição só terá 25% do valor previsto para atender ações de saneamento e esgoto. Segundo o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), o qual é relator da comissão especial do Senado que fiscaliza os trabalhos, isso mostra a falta de prioridade com a obra.

Quando o presidente Lula encampou esse projeto, era para mudar uma história que ele mesmo viveu como pernambucano. Uma história de seca e de governos que vivam desta indústria. A transposição veio para mudar essa realidade e é de importância vital para o desenvolvimento de todo o Nordeste. Cortar investimentos na obra é de uma insensibilidade não só com Pernambuco, mas com toda a nossa região. Não vamos deixar que um governo provisório atrapalhe o andamento deste projeto”, disse.

A obra de transposição já está com mais de 80% concluída. A transposição vai beneficiar 12 milhões de pessoas em 390 municípios de quatro estados nordestinos: Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.

Odacy nega que tenha ido com Humberto visitar Lossio em sua residência

odacy2 (1)O deputado estadual e pré-candidato a prefeito de Petrolina, Odacy Amorim (PT), contestou a informação deste Blog sobre uma visita que teria feito ao prefeito Julio Lossio (PMDB), na última quinta-feira (23), quando veio com o senador Humberto Costa (PT) para o enterro da ex-deputada Isabel Cristina.

Uma fonte assegurou que o deputado e o senador foram até a residência de Lossio, mas Odacy garante que apenas Humberto foi convidado.

“Sobre a nota postada no Blog, quero informar que não é verdade que fui à casa do prefeito Julio Lossio com o senador Humberto Costa na última quinta, 23, após o enterro da ex-deputada Isabel Cristina. Não fui à casa de Julio porque, se tem uma coisa que sempre digo que meu pai me ensinou é respeitar o ambiente dos outros. Não fui convidado, nem me senti desconvidado, mas a conversa era entre Humberto e o prefeito, a pedido do prefeito. Conversa essa muito boa, por sinal”, ressaltou o petista.

Humberto ratifica posição de lideranças petistas à pré-candidatura a prefeito de Odacy

odacy e humbertoUm dos prefeituráveis de Petrolina, o deputado Odacy Amorim passou esta semana por Brasília, onde esteve reunido com o senador Humberto Costa. Lideranças das mais fortes do PT, Humberto ratificou o que os quadros municipais do partido já vêm defendendo: Odacy deverá ser o nome do PT para disputar a Prefeitura de Petrolina nas eleições deste ano.

A tese de candidatura própria na cidade em relação à corrida municipal nunca esteve fora da prioridade dos petistas. E o deputado ouviu isso do próprio Humberto. Mas a ida de Odacy à capital federal não teve apenas esse intuito.

Ele também se encontrou com o senador Armando Monteiro Neto (PTB) e até visitou o deputado federal recém-empossado Guilherme Coelho (PSDB). Preocupado com o cenário econômico do país, Odacy afirmou que o presidente interino precisa barrar a especulação do mercado para reduzir os juros praticados atualmente.

“O cenário não é bom, as pessoas estão em busca de recursos, até recorrendo a agiotas, devido a esse momento especulativo. Somente a queda dos juros tiraria o povo do sufoco atual e um momento melhor possa ocorrer em nosso país“, assinalou Odacy.

Odacy também reclamou do aumento dos gastos públicos com pautas-bombas que o governo interino aprovou essa semana. “Esses gastos são para melhorar a popularidade dele (Temer), e aí o país terá que voltar ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Estamos acompanhando um processo de impeachment com uma movimentação estranha. Então é preciso que a sociedade esteja atenta. Sou solidário aos que estão com dívidas para pagar, que estão sem emprego, mas que essa conta não caia no colo da sociedade”, pontuou. (com informações da assessoria/foto arquivo)

Otimista, Humberto acredita que “circo de horrores” visto na Câmara não se repetirá no Senado

humberto costa

Comparando o processo de votação do impeachment, do último domingo (17), com um “circo de horrores”, o líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT), disse estar confiante no apoio a presidente Dilma Rousseff (PT) na Casa e na postura do presidente Renan Calheiros (PMDB-AL) na condução do processo.

“No Senado, tenham certeza, não teremos um processo guiado pela vingança, pelo rancor e pela perseguição política que se viu no processo presidido de forma arbitrária e parcial pelo presidente da Câmara. Confiamos na responsabilidade e na análise mais serena dos senhores senadores. Confiamos, igualmente, que, aqui, a presidência da Casa exercerá restritamente o seu papel de magistrado, não será um cabo eleitoral de um vice-presidente traidor e golpista“, disparou o senador.

Para Humberto, o processo de impeachment na Câmara representou “um golpe contra a Constituição”. “Não tem outro nome para o que foi feito. Mais de 54 milhões de brasileiros tiveram desrespeitada a sua vontade expressa nas urnas, em 2014, sem justificativa. Um castigo sem crime. Um assalto à democracia”, completou.

O senador defendeu a mobilização permanente nas ruas. “Temos o que defender e lutamos o melhor dos combates. Isto porque temos ao nosso lado o povo brasileiro que não aceitará perder as conquistas obtidas durante os governos do presidente Lula e da presidente Dilma“, afirmou.

Humberto também criticou a postura do vice-presidente da República, Michel Temer, que vem anunciando possíveis reformas, caso assuma o mandato. “Vamos brigar até o fim contra a tentativa de retirar do trabalhador os seus direitos, de ver sumirem programas como o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida, o Pronatec, o Fies”, disse e completou: “A supressão de tudo isto está do arremedo de programa de governo que, a mando da Fiesp e, com toda certeza, do PSDB, o vice-presidente golpista já distribui por aí, com a mesma desfaçatez com que já negocia cargos e promete benesses”.

Credibilidade

Para o líder, a condução do processo de impeachment também ameaça a credibilidade internacional do País. “Não é só o Brasil que hoje está absolutamente envergonhado pela repercussão internacional daquela farsa grotesca. Basta olhar o que dizem alguns jornais importantes internacionais e revistas também. A Der Spiegel já está chamando o impeachment de golpe frio. O Página/12, da Argentina, fala abertamente em golpe institucional no Brasil e dá a um de seus artigos o título de ‘O Golpe dos Escravocratas’”, finalizou.

Humberto cita jornal norte-americano e ainda mostra otimismo: “Dilma não roubou e não pode ser afastada por uma gangue de ladrões”

humberto senador

Em um duro discurso na tribuna do Senado, o líder do Governo na Casa, Humberto Costa (PT-PE), atacou o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff que a Câmara dos Deputados analisará neste domingo (15). Citando um artigo contundente do jornal americano New York Times, Humberto afirmou que “Dilma, que não roubou, está ameaçada de ser afastada do cargo onde chegou pelo voto, por uma gangue de ladrões”.

O líder do Governo lembrou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), condutor do golpe contra Dilma, é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) e investigado em uma série de denúncias, entre elas as que identificaram mais de 15 contas ilegais no exterior das quais ele é titular. Humberto ressaltou que, nesta mesma sexta-feira (15), veio à tona uma delação premiada que aponta Cunha como beneficiário de propina no valor de R$ 52 milhões pagos em 36 parcelas em contas no estrangeiro.

“Essa mulher (Dilma), que não tem contra ela nenhuma denúncia, nenhum inquérito que a acuse de corrupção, está para ser julgada por aqueles que têm contra si as acusações mais escabrosas que existem”, denunciou Humberto. O líder do Governo ressaltou que o STF, em julgamento na noite de ontem (14) reconheceu que o relatório da Comissão de Impeachment da Câmara errou ao incluir denúncias contra a presidente que não estavam na petição inicial. Em razão disso, não poderá ser considerado na sessão do domingo.

Para o líder do Governo, o golpe parlamentar – articulado por Eduardo Cunha e pelo vice-presidente Michel Temer – não passará. “O povo está nas ruas para impedir que isso aconteça e eu tenho certeza que os deputados federais terão a responsabilidade de evitar que uma atrocidade dessa natureza rompa com a ordem constitucional e o Estado democrático de Direito“, concluiu. As informações são da assessoria do senador. (foto/divulgação)

Humberto crê que governo vai recuperar base e “enterrar” impeachment de Dilma

humbertoO senador Humberto Costa (PT-PE) avaliou, em pronunciamento no Plenário nesta terça-feira (5), que a proposta de impeachment da presidente Dilma Rousseff está perdendo força. Para ele, a ideia de realizar novas eleições presidenciais é um reconhecimento de que o impeachment sem base legal é uma ruptura do regime democrático e a sucessão de Dilma só será legítima se for feita pelo voto.

Humberto Costa acredita que a proposta de encerramento precoce do governo Dilma “cairá no vazio” por falta de respaldo legal e por tentar abreviar um mandato constitucional.

Ao manifestar sua certeza de que o governo conseguirá recompor a base parlamentar e “enterrar” o impeachment na Câmara, o senador cumprimentou o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, por sua argumentação contra o afastamento de Dilma Rousseff.

Segundo a Agência Senado, Humberto Costa também enfatizou a determinação do governo em superar as dificuldades econômicas, mas frisou que tal esforço depende do diálogo com todos os setores da sociedade empenhados em tirar o país da crise. (fonte: Notícias ao Minuto/foto reprodução)

Humberto é reconduzido de novo por unanimidade ao cargo de líder do PT no Senado e discute prioridades com Dilma

Humberto - PT

A bancada do PT no Senado se reuniu nesta quarta-feira (3) e decidiu, novamente por unanimidade, reconduzir o senador Humberto Costa (PE) ao cargo de líder do partido na Casa. Esta será a quarta vez desde que assumiu o mandato, há cinco anos, que o parlamentar vai liderar a legenda no Senado (2011, 2014, 2015 e 2016). Os senadores petistas também indicaram a colega Gleisi Hoffmann (PR) para ser a presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado até o fim deste ano.

Após ser reconduzido ao cargo de líder, o pernambucano seguiu ao Palácio do Planalto, a convite do ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, para tratar das prioridades definidas pela presidente Dilma Rousseff e do partido na pauta legislativa do Senado neste ano. “Vamos dialogar bastante com o Planalto ao longo do tempo para mantermos uma boa articulação política na base. Queremos entender em detalhes, por exemplo, sobre que tipo de reformulação pode passar a Previdência Social e discutir a proposta de recriação da CPMF que o Governo vai encaminhar ao Legislativo”, afirmou.

Segundo ele, a bancada aguarda mais informação sobre os temas considerados prioritários para dar sequência à estabilização fiscal e assegurar a retomada do crescimento do país.

Desde o primeiro ano de seu mandato, o político pernambucano é citado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) como um dos cem parlamentares mais influentes do Brasil. Humberto também já recebeu prêmios do site jornalístico Congresso em Foco e foi considerado um dos três senadores mais competentes do país pelo Atlas Político. Antes de assumir uma cadeira no Senado, Humberto ocupou outros cargos públicos. Ele foi ministro da Saúde entre 2003 e 2005, durante a gestão do ex-presidente Lula, e implantou programas como o Brasil Sorridente, a Farmácia Popular e o Samu. (fonte/foto: Ascom Humberto Costa)

Humberto Costa quer pressa em aprovação de projeto que garante mais recursos a municípios

senador humbertoO líder do PT no Senado, Humberto Costa, apresentou à Casa requerimento pedindo “regime de urgência” ao substitutivo da Câmara dos Deputados (15/2015) referente ao projeto de lei que garante mais recursos aos cofres dos municípios.

A proposta proíbe os municípios e o Distrito Federal de reduzir a alíquota do ISS, o Imposto sobre Serviços, a menos de 2%. De acordo com o requerimento de Humberto, apoiado por mais de dois terços dos senadores, a matéria deixará de ser apreciada na Comissão de Assuntos Sociais, onde está, e na Comissão de Constituição e Justiça, para onde iria, e segue direto ao plenário do Senado.

Para que o trâmite seja encurtado, o requerimento terá de ser aprovado pelos parlamentares no plenário da Casa. “É muito importante aprovarmos esse projeto, pois ele visa diminuir a dependência dos municípios em relação às transferências constitucionais da União – em especial, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) – e as transferências relativas ao ICMS e ao IPVA“, explica Humberto.

Ele ressalta que as cidades ainda poderão receber cotas maiores do ICMS e do IPVA. Isso porque o projeto prevê que, na hipótese da pessoa jurídica promover saídas de mercadorias por estabelecimento diferente daquele no qual as transações comerciais foram realizadas, o valor será repassado ao município onde ocorreu a transação comercial. As informações são da assessoria do senador.

Humberto afirma que agenda de Dilma a Petrolina deve ser definida de hoje para amanhã

humberto costaO líder do PT no Senado, Humberto Costa, ratificou na manhã de hoje (16), a informação repassada ontem (15) a este Blog pela vereadora Cristina Costa (PT), sobre a possível visita da presidente Dilma Rousseff a Petrolina, ainda nesta semana.

Cristina disse que o partido “ainda está organizando” a vinda de Dilma, que pode ser confirmada para sexta-feira (18). Ao programa ‘Manhã no Vale’, da Rádio Jornal, Humberto afirmou que a agenda só deverá ser definida de hoje para amanhã. A presidente virá à cidade para a entrega de unidades residenciais do ‘Minha Casa, Minha Vida’.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br