Fernando Filho se antecipa à bancada do PSB e garante permanecer no Ministério

Licenciado do cargo de deputado federal, Fernando Filho não esperou a decisão da bancada do seu partido – o PSB – na Câmara para confirmar que ficará à frente do Ministério das Minas e Energia.

Por meio de uma nota enviada à imprensa, o ministro garantiu nesta tarde (23) que continua comandando a Pasta no Governo Temer. Confiram, no link, a íntegra da nota de Fernando Filho: documento_ministro. (Foto/divulgação)

Bancada do PSB na Câmara dos Deputados definirá nesta quarta posicionamento do partido em relação ao Governo Temer

Cogitado em deixar o Ministério das Minas e Energia, Fernando Filho deverá permanecer por enquanto no cargo.

O posicionamento do ministro deve valer ao menos até quarta-feira (24), quando a bancada do seu partido, o PSB, fará mais uma reunião para bater o martelo sobre os rumos dos socialistas em relação ao Governo Temer.

Como já é notório, Fernando Filho é da cota pessoal do presidente. Portanto, não foi indicado pelo PSB.

Dos três ministros pernambucanos que sinalizaram saída do Governo Temer, só Roberto Freire deixa cargo

As denúncias que atingiram o presidente Michel Temer (PMDB) provocaram um fenômeno, no mínimo, curioso ao longo desta quinta-feira (18): o efeito ‘ioiô’ em alguns ministros que ensaiaram a saída do Governo e ficaram. Na noite da quarta-feira (17), horas depois da divulgação de trechos da delação premiada dos donos da JBS, começou a correr a informação de que o ministro das Cidades, Bruno Araújo, defendia no partido o desembarque do Governo Temer e a entrega dos quatro ministérios do PSDB na gestão do peemedebista, inclusive o seu. Só que não.

No meio da tarde desta quinta-feira (18), uma hora antes de o presidente Temer fazer o seu pronunciamento do “fico”, os meios de comunicação começaram a informar que o PPS havia decidido que, caso o peemedebista não renunciasse, seus dois ministros – Raul Jungmann (Defesa) e Roberto Freire (Cultura), deixariam os cargos. Só que não.

Das três promessas de debandada, Roberto Freire ficou só. Foi o único que levou adiante a sua ideia inicial e deixou a pasta. Seu companheiro de partido, Raul Jungmann, licenciado da sua vaga de suplente de deputado federal, disse ter recebido um apelo dos comandantes das Forças Armadas para continuar.

Bruno Araújo, como bom tucano, fez que ia e não foi. Anunciou, por meio da sua assessoria, “que permanece no Governo Federal a pedido do partido, o PSDB”. A sigla, por sua vez, aguarda a divulgação do conteúdo das gravações dos executivos da JBS para, só então, se pronunciar.

Mendonça e Fernando Filho

Outros dois ministros pernambucanos não se pronunciaram. Mendonça Filho (Educação) é do mesmo partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), primeiro na linha de sucessão de Michel Temer. Já Fernando Filho, das Minas e Energia, recebeu e ignorou a recomendação do presidente do PSB, Carlos Siqueira, para que deixasse o cargo. Assim como fez quando foi indicado à revelia do partido, permanece no ministério. (Fonte/foto montagem: Blog da Folha)

Bruno Araújo é o primeiro ministro a deixar Governo Temer

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, deputado federal licenciado do PSDB-PE,  anunciou no início da tarde desta quinta-feira, 18, sua saída do governo. Esta é a primeira perda do governo de Michel Temer. A polêmica levantada por um dos donos da JBS, Joesley Batista, na quarta-feira, 17, desencadeou uma reviravolta na política brasileira. Bruno foi o último deputado a dizer sim para o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), pouco mais de um ano atrás e ajudou a colocar Temer na presidência que era vice da petista.

Nesta quarta-feira, Joesley afirmou à Procuradoria Geral da República ter áudios que comprovassem autorização do presidente Michel Temer para a compra de silêncio do deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Segundo informações do jornalista da Globonews, Gerson Camarotti, a decisão de Bruno Araújo teria surgido a partir de conversas com deputados tucanos.

Nas próximas horas a decisão de Bruno será comunicada ao Palácio do Planalto. O agora ex-ministro tucano, junto com o colega também ministro, senador Aluysio Nunes, foram os primeiros a pedir que o PSDB deixe o Governo Temer caso as denúncias contra o presidente sejam confirmadas via delação do empresário da JBS. (Com informações do Diário de Pernambuco e Portal Exame)

Presidente do PSB defende saída de Fernando Filho do Governo Temer

O presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Carlos Siqueira, defendeu nesta quinta-feira (18) que o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, entregue o cargo. Ele é deputado federal pelo PSB de Pernambuco e assumiu o ministério após a chegada do presidente Michel Temer à presidência.

Siqueira defendeu a saída de Fernando Filho do governo após a revelação de que o dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, gravou o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O G1 tentou contato com o ministro, mas não havia tido resposta até a última atualização desta reportagem.

“Diante das graves denúncias contra o presidente da República e das informações veiculadas a partir da noite de ontem [quarta], o presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Carlos Siqueira, defendeu a imediata entrega do cargo ocupado pelo deputado federal Fernando Coelho Filho, como ministro de Minas e Energia“, informa nota divulgada pelo PSB.

A nota afirma que a indicação de Coelho Filho para o cargo “jamais” foi “feita, reivindicada ou chancelada pela direção nacional” do PSB, mas que “o partido não pode admitir que um de seus membros faça parte de um governo antipopular que perdeu, por inteiro, sua legitimidade para governar o Brasil“. (Fonte: G1 Brasília/foto arquivo Blog)

Representante do Dieese vem à região debater reformas trabalhista e da Previdência

O coordenador de relações sindicais do Diesse (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), José Silvestre Prado de Oliveira, participará de encontros em Petrolina(PE) e Juazeiro (BA) nesta quinta-feira, 11, sobre as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo Governo Temer. Silvestre participa, às 9h, na Câmara de Juazeiro, de um debate sobre o tema.

Também na quinta, à 14h30, o coordenador se reúne com o movimento sindical da região no auditório do Sindicato das Trabalhadores Rurais (STR) e da Agricultura Familiar de (STTAR) de Petrolina.

A programação integra a 13ª Jornada Nacional de Debates promovida promovida pelo Dieese com apoio das centrais sindicais em todo o País, e as reformas do Governo Temer são o tema principal. “Será um momento importante para que em números a tese do governo federal seja desmontada para justificar mudanças tão prejudiciais para nós, trabalhadores”, disse o presidente do STR de Petrolina, Francisco Pascoal (Chicou).

APLB/Sindicato de Uauá faz alerta a deputados da região favoráveis às reformas de Temer: “Quem vota, não volta”

Em Uauá (norte da Bahia), a direção da APLB-Sindicato local enviou à imprensa uma nota Pública, elaborada pelos profissionais da educação, pela qual repudia as reformas impostas pelo Governo Temer. E não só isso.

A entidade também fez um alerta aos deputados que têm votos na cidade de que, se ajudarem a aprovar as reformas que consideram nocivas aos trabalhadores, receberão o troco nas urnas em 2018. “Quem vota, não volta”, diz a APLB, reforçando a temática contra as propostas do governo federal.

A direção ressaltou que a classe vai “resistir e reagir até onde puder”. Disse ainda estar enviando a nota para o e-mail de alguns parlamentares no Congresso e vai entregar, pessoalmente o documento a cada um deles, na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Uma prova de que a APLB não está brincando aconteceu recentemente no Festival do Umbu. O deputado Zé Nunes, que foi favorável à terceirização, recebeu uma sonora vaia.

Jatobá: Audiência pública sobre Reforma da Previdência reunirá população na Câmara de Vereadores

A exemplo de outros municípios pernambucanos, a população de Jatobá – no Sertão de Itaparica – está sendo convidada para uma audiência pública sobre a polêmica Reforma da Previdência, proposta pelo Governo Temer. O debate acontecerá às 10h de hoje (3), na Câmara de Vereadores.

Estão sendo esperadas diversas lideranças sindicais vindas do Recife, que já se manifestaram contra a forma como o projeto foi enviado ao Congresso.

Gonzaga nega haver cargos indicados por ele no Governo Temer e dispara: “Não tenho rabo preso”

Em contato com este Blog, o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) rechaçou a informação divulgada pela Folha de S.Paulo, de que o presidente Michel Temer iria exonerar do governo os cargos indicados pelo socialista, pelo fato dele não ter acompanhado a votação da reforma trabalhista.

Gonzaga foi categórico ao desmentir que tivesse indicados por ele no Governo Temer. “Sou independente e não tenho cargos indicados, como foi dito na notícia. Não tenho ninguém na gerência do INSS ou em qualquer outro posto que possa me deixar com rabo preso”, declarou.

O socialista aproveitou para comentar a visita que fez ao Afrânio (PE), no Sertão do São Francisco, onde participou da entrega de um trator à Associação do Sítio Queimadas, zona rural do município. O equipamento foi adquirido com recursos oriundos de emenda parlamentar e contrapartida da prefeitura, a pedido do ex-vereador Jezin. (Foto/divulgação)

Mobilização que ficou apenas no campo democrático

Independente de quem foi a favor ou contra, a mobilização em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) que engrossou a greve geral contra as reformas propostas pelo Governo Temer, realizada no dia de ontem (28), ocorreu sem incidentes. Pelo menos nada foi divulgado nesse sentido.

Ao contrário de outras cidades, em que foram registros conflitos e até mortes, por aqui prevaleceu a democracia nas ruas. Protestar faz parte do jogo, desde que não saia do campo das ideias.

E é assim que sempre deve ser. Ou deveria. Nossa região deu um belo exemplo. (Foto/divulgação)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br