Miguel desconversa sobre candidatura a governador de Fernando Bezerra Coelho

Em entrevista recente ao Blog, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), foi perguntado se ele acreditava que seu pai, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), poderia seguir agora para uma candidatura ao Governo do Estado. Miguel frisou que só quem poderia responder seria o próprio senador, mas que agora não seria o momento de tratar de questões eleitorais.

“Eu acredito que não é o momento. Esse ano é de trabalho. Não podemos antecipar o debate, até porque somos do PSB, temos um líder, que é o governador Paulo Câmara e confiamos na sua capacidade para fazer Pernambuco sair dessa crise, como tem sido se formos comparar com Estados como o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul. Estou muito focado, como o ministro Fernando Filho está muito focado no Ministério e o senador está amando ser senador. Então esse é o momento de somar, não é o momento de separar. É puxar todo mundo para dentro, trabalhar e fazer grandes obras”, disse o prefeito.

Apoio a Adalberto

Sobre o apoio ao deputado federal Adalberto Cavalcanti, do PTB, que parece querer voltar à Assembleia Legislativa de Pernambuco nas eleições do ano que vem, Miguel enfatizou que respeita o parlamentar que tem ajudado o seu governo com emendas parlamentares, assim como o também deputado federal Gonzaga Patriota. Mas para caminhar juntos politicamente, ressalta que ainda é cedo.

“Todo mundo sabe que eu e o deputado Adalberto Cavalcanti fomos adversários na disputa para a Prefeitura, mas sempre o respeitei. Se for para caminharmos juntos novamente, só o tempo vai dizer, mas ainda está cedo”, concluiu o prefeito Miguel Coelho.

Jeitão de candidato

O assessor especial da  prefeitura de Petrolina, Orlando Tolentino, comemorou seu aniversário no sábado (25) com jeitão de candidato. Ele reuniu, na área de eventos do prédio onde mora, dezena de personalidades das mais diversas esferas políticas. Líderes comunitários, vereadores, deputados e até o senador Fernando Bezerra e o prefeito Miguel Coelho (ambos PSB).

Nos discursos os agradecimentos triviais e as mensagens subliminares que podem indicar uma vontade presente para uma realização no futuro. Tolentino já colocou seu nome algumas vezes, mas ainda não conseguiu firmar uma candidatura. Pelo evento, acha que a hora é essa. (Foto: Ivaldo Régis)

Em nota, Fernando Bezerra esclarece motivo de ter respaldado pedido de urgência de Renan a Pacote Anticorrupção

fernando-bezerraEm nota à imprensa, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) explicou o porquê de ter respaldado o requerimento do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), solicitando urgência urgentíssima ao Projeto Anticorrupção. Confiram:

Sobre a votação do requerimento de urgência do PLC 80/2016, ocorrida ontem (30), tenho a dizer o seguinte:

Tramita, no Senado, o projeto de lei (PLS) 280/2016, cujo objetivo é substituir a Lei 4.898/65, que trata dos crimes de abuso de autoridade. Este projeto, do Senado, remonta aos trabalhos do Segundo Pacto Republicano e teve a participação de juristas de insuspeita reputação, como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, e o então desembargador Rui Stoco.

O PLS 280/2016 vem tramitando de forma transparente no Senado, com a realização de audiências públicas e debates, a exemplo da sessão especial que ocorre hoje (1º), com a participação do ministro do STF, Gilmar Mendes, e os juízes federais Sérgio Moro e Sílvio da Rocha.

Assim como outros 32 projetos de lei, o PLS 280/2016 teve seu requerimento de urgência aprovado em 22/11/2016. E, nem por isso, ele foi votado naquela data.

É preciso esclarecer que os requerimentos de urgência têm a função de abreviar o rito legislativo de proposições que tenham relevância de tema, como é o caso do PLS 280/2016.

Outra questão que também precisa ser esclarecida é que o PLC 80/2016, da Câmara dos Deputados, trata das chamadas “medidas anticorrupção” e fora aprovado na Câmara dos Deputados com conteúdo conexo ao PLS 280/2016, do Senado; especialmente pela aprovação da Emenda 4 do Plenário da Câmara dos Deputados. Este referida emenda incluiu no projeto de lei o tratamento de crimes de abuso de autoridade cometidos por magistrados e membros do Ministério Público.

Por consequência, seria lógica a tramitação de ambos os projetos sob o mesmo regime de tramitação legislativa (o regime de urgência) e sob os cuidados do mesmo relator: o senador Roberto Requião (PMDB-PR).

Evidentemente, isso não significa a aprovação do PLC 80/2016 tal como ele veio da Câmara dos Deputados. Pelo contrário, é preciso decidir qual dos textos deve prevalecer, já que um prejudica o outro.

Entendo que o PLC 80/2016 é meritório em diversos aspectos, mas não no todo. No meu entendimento, o tratamento do abuso de autoridade é feito com maior propriedade no PLS 280/2016. Daí, eu acreditar que a essência do texto oriundo do Senado Federal (PLS 280/2016) deve prevalecer sobre aquele que veio da Câmara dos Deputados. O projeto do Senado é, na minha avaliação, mais técnico e razoável.

Vivemos tempos em que a população clama pelos fins dos privilégios. Em um Estado de Direito onde não se pode conceber a existência de castas que não respondem pelos seus próprios atos e não estão sujeitas a qualquer controle.

Por tudo isso, é preciso deixar claro que não se quer punir o exercício da autoridade ou do poder, e, sim os abusos praticados por autoridades públicas, sejam elas de quaisquer um dos Poderes da República.

Fernando Bezerra Coelho/Senador da República pelo PSB

Senador Fernando Bezerra participará na próxima semana de evento promovido pela ONU no Marrocos

fernando-bezerra

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) iniciará, na próxima segunda-feira (14), a participação dele na 22ª Conferência das Partes (COP-22) da Convenção-Quadro da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudança do Clima, em Marrakech, capital do Marrocos (África). Esta será a segunda vez consecutiva que Fernando Bezerra – relator da Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas (CMMC) do Congresso Nacional – participa da COP como um dos principais representantes do Parlamento brasileiro. O objetivo central da conferência de Marrakech será a regulamentação do ‘Acordo de Paris’, firmado durante a COP-21 – ano passado, na França – e que entrou em vigor no último dia 4.

“A grande notícia desta COP-22, até este momento, é que a maior parte dos (194) países que assinaram o Acordo de Paris já ratificaram o documento. Isso garante, portanto, que estas nações vão atuar para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e limitar a elevação da temperatura do planeta em no máximo 2ºC, até 2050“, explica o relator da CMMC, que, em 2015, presidiu o colegiado.

Além de Fernando Bezerra, outros senadores e deputados do Brasil participarão da conferência. Pelo Executivo, o país será representado pelos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, e da Agricultura, Blairo Maggi. Iniciado oficialmente na última segunda-feira (7), o encontro mundial da ONU sobre clima vai até o próximo dia 18.

Uma das agendas de Bezerra Coelho, durante a COP-22, será coordenar o encontro das delegações brasileira e alemã, na próxima terça-feira (15), com a participação da presidente da Comissão de Meio Ambiente da Alemanha e integrante do Grupo Parlamentar Brasil/Alemanha do Bundestag, Bärbel Höhn, com quem o senador esteve durante a Conferência Intersolar Europe 2015. Na quarta-feira (16), Fernando Bezerra e outros parlamentares e integrantes da delegação brasileira participam de uma grande reunião de balanço da COP-22, sob a condução do ministro Sarney Filho. Confira, abaixo, a agenda completa do senador na Conferência de Marrakech.

Metas

Ano passado, em Paris, Fernando Bezerra Coelho defendeu, entre outras medidas, que as energias renováveis cheguem a 25% da matriz energética brasileira, até o ano de 2030. Pela meta do governo federal apresentada durante a COP-21 – contida na Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC/Brasil) – o percentual de participação das energias renováveis (sem considerar a hidrelétrica) na matriz energética nacional chegará a 23%, em 2030. Fernando Bezerra acredita que, a partir da ampliação das “energias limpas”, o governo brasileiro não só aumentará a oferta de outros tipos de energia à população – ao mesmo tempo, protegendo o meio ambiente – como também poupará a água dos reservatórios (atualmente, bastante utilizada na produção de energia hidrelétrica) para o abastecimento humano.

A proposta central da NDC/Brasil é que “o país, até o final deste século, envidará esforços para uma transição a sistemas de energia baseados em fontes renováveis e descarbonização da economia mundial, no contexto do desenvolvimento sustentável e do acesso aos meios financeiros e tecnológicos necessários para tal transição“. Entre as principais metas brasileiras, destacam-se o fim do desmatamento ilegal, o reflorestamento de 12 milhões de hectares de terra, a recuperação de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas e a integração de cinco milhões de hectares, entre lavouras, pastagens e florestas. (foto: Assessoria/divulgação)

Durante encontro com prefeitos eleitos do PSB, Fernando Bezerra deixa recado sutil a irmão de Eduardo

fbc-em-gravata

Um dos integrantes do PSB de Pernambuco que participaram do encontro com os prefeitos eleitos, realizado ontem (7) em Gravatá, no Agreste, o senador Fernando Bezerra Coelho fez um discurso otimista, com direito a recados nas entrelinhas.

FBC ressaltou o desempenho das candidaturas socialistas e afirmou que o momento é de unidade para a retomada do crescimento. “O PSB foi um partido vitorioso nestas eleições, fomos a terceira legenda que mais recebeu votos em todo o país. Aqui em Pernambuco conseguimos crescer, quando alguns apostavam que sem Eduardo Campos iríamos encolher. Não é hora de alimentar intrigas, temos que trabalhar para vencer os desafios de um ano que será difícil, mas de recuperação”, destacou.

Embora não tenha citado nomes, o recado do senador foi endereçado ao irmão de Eduardo, Antônio Campos, que foi derrotado na disputa pela Prefeitura de Olinda e não poupou das críticas as principais lideranças do partido – incluindo a viúva de Eduardo, Renata Campos. (foto/divulgação)

Fernando Bezerra Coelho quer mais recursos para Pernambuco no Orçamento da União

Fernando Bezerra2

O estado de Pernambuco deverá contar com R$ 15,3 milhões a mais no orçamento do próximo ano graças a emendas (individuais) do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) apresentadas, esta semana, à Lei Orçamentária Anual (LOA/2017). Deste total, quase metade – R$ 7,4 milhões – é destinada à área da Saúde. O restante dos recursos foi direcionado a ações no âmbito dos ministérios das Cidades; Integração Nacional, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf); e da Educação, via Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

A apresentação de emendas ao Orçamento da União é uma das atuações mais importantes no mandato parlamentar porque, por meio delas, o congressista direciona recursos para setores que necessitam de maior investimento público. Dos R$ 7.469.538,00 em emendas do senador Fernando Bezerra destinadas à Saúde de Pernambuco, R$ 5.469.538,00 foram alocados para a estruturação de Unidades de Atenção Especializada, R$ 1,5 milhão para o apoio à manutenção de unidades de saúde no estado e R$ 500 mil para a estruturação da Rede de Serviços de Atenção Básica. Outros R$ 200 mil foram direcionados à manutenção de unidades de saúde em âmbito nacional.

“O objetivo, por meio destas emendas orçamentárias, é garantirmos mais recursos a áreas que precisam melhorar muito a assistência à população”, destaca o senador. Para o Ministério das Cidades – do qual Fernando Bezerra Coelho é relator setorial na Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional – foram destinados R$ 3,5 milhões para ações da Política Nacional de Desenvolvimento Urbano no estado de Pernambuco. À Codevasf, foram direcionados R$ 3,4 milhões para projetos de Desenvolvimento Sustentável Local Integrado.

Para o FNDE, o senador apresentou emenda que aloca R$ 500 mil ao Campus da Universidade de Pernambuco (UPE) localizado em Petrolina, cidade-natal de FBC. E como reserva de contingência fiscal no Orçamento da União, o senador destinou R$ 250 mil. Os recursos relacionados às emendas serão liberados no decorrer de 2017.

Emendas

Além das emendas individuais, o senador FBC apresentou, a comissões do Senado e do Congresso Nacional, outras propostas de emendas ao Orçamento da União para 2017. Foram aprovadas, esta semana, quatro emendas dele, que somam um total de R$ 534 milhões. Três destas, acatadas pela Comissão Mista sobre Mudanças Climáticas (CMMC) – da qual o senador é relator – são direcionadas à implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos (R$ 150 milhões), à recuperação e preservação de bacias hidrográficas (R$ 100 milhões) e ao enfrentamento dos processos de desertificação, mitigação e adaptação aos efeitos da seca (R$ 250 milhões).

Os outros R$ 34 milhões, aprovados pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, são destinados a apoiar ações da Fundação Getúlio Vargas (FGV). As chamadas “emendas de comissão” serão analisadas, pela CMO, no próximo dia 29 de novembro. A previsão é que a LOA/2017 seja apreciada pelo Congresso Nacional até dezembro.

Fernando Bezerra diz que imputações de denúncia ao STF são “sem qualquer rastro de prova”

FBC FernandoDenunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Fernando Bezerra Coelho(PSB) repudiou as acusações feitas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Por meio de nota, a defesa de FBC disse desconhecer o conteúdo total da denúncia e que por isso “não tecerá qualquer comentário sobre o conteúdo da mesma“.

Logo depois, porém, o texto do advogado André Luís Callegari ataca as acusações e descredencia delações que auxiliaram na composição da denúncia.

Confiram abaixo a íntegra da nota:

“A defesa do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), na pessoa de seu advogado, André Luís Callegari, esclarece, inicialmente, que não tecerá qualquer comentário sobre o conteúdo da denúncia. Verifica-se, contudo, que os termos citados na imprensa reforçam o que a defesa já vem esclarecendo: são imputações absolutamente descabidas, baseadas em ilações e sem qualquer rastro de prova. Não houve qualquer recebimento de favores em troca de incentivos fiscais na construção da Refinaria do Nordeste ou Refinaria Abreu e Lima-RNEST. Reitera-se que as delações que deram início às investigações não foram comprovadas, são contraditórias e absolutamente infundadas. Por fim, o senador segue à disposição da Justiça, mantém sua confiança nas instituições democráticas e tem a certeza de que tais imputações serão rechaçadas ao longo da marcha processual.”

Os outros dois denunciados no mesmo processo são o ex-presidente da Copergás Aldo Guedes e o empresário Carlos Lyra, este último apontado como comprador do avião que caiu com o ex-governador Eduardo Campos, durante a campanha presidencial de 2014.

A defesa de Aldo Guedes destacou que não teve acesso à denúncia, mas que não há provas concretas contra o seu cliente. Já o defensor de Carlos Lyra disse que só vai se manifestar sobre a acusação após ter acesso à íntegra da denúncia.

De Caruaru a Petrolina, Fernando Bezerra intensifica jogo político

Fernando Bezerra Coelho

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) continua participando de intensa agenda em Pernambuco. Na sexta (5)  participou de diversos lançamentos de candidaturas proporcionais em Petrolina.

Em Lagoa Grande, no Sertão do São Francisco, esteve no lançamento da chapa ‘puro-sangue’ do PSB com o candidato à reeleição Dhoni Amorim, que tem o professor Daniel Torres como candidato a vice prefeito.

Fernando esteve ainda em Caruaru, no Agreste, para prestigiar a convenção de Jorge Gomes (PSB), candidato à sucessão do prefeito José Queiroz.

O senador destacou que, quando o prefeito José Queiroz for para as ruas, os números das pesquisas vão se reverter a favor de Jorge Gomes, destacando as qualidades do colega de partido.

“Jorge é um dos homens mais sérios da política de Pernambuco. Amigo nas horas boas e ruins. Caruaru não quer voltar ao passado, que avançar e, tenho certeza que ele será consagrado prefeito no dia 2 de outubro”, afirmou.

Fernando sobre a família Coelho: “Hoje somos uma cor só”

FBC

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) não cabia em si de satisfação na convenção que confirmou o seu filho Miguel Coelho (PSB) como candidato a prefeito de Petrolina.

A alegria de Fernando era dupla, pois viu toda a família em um mesmo palanque, 30 anos depois. O senador trabalhou muito por esse momento e rendeu ao primo, deputado federal Guilherme Coelho (PSDB), as homenagens de reconhecimento por entender o momento.

Guilherme, sei que não foi fácil e que você teve que fazer muitas reflexões para decidir da forma que você decidiu, mas cabe a mim dizer que este foi um gesto de grandeza e reafirmação política. Hoje não tem mais amarelo e azul (cores que simbolizavam a separação dos Coelhos nas campanhas), mas uma só cor”, discursou emocionado.

Família Coelho: Todos no mesmo palanque, 30 anos depois

20160720_113450

O que o petrolinense não esperava ver tão cedo aconteceu. Depois de 30 anos caminhando em lados diferentes, os grupos liderados pelo senador Fernando Bezerra (PSB) e pelo deputado federal Osvaldo Coelho (DEM) celebraram uma reconciliação histórica em prol de um novo projeto político para a capital do São Francisco. O filho de Osvaldo, deputado federal Guilherme Coelho, anunciou que apoiará a pré-candidatura de Miguel Coelho (PSB) à Prefeitura de Petrolina. O apoio foi oficializado, na manhã desta quarta-feira (20), num evento prestigiado e carregado de emoção.

Um emocionado Miguel agradeceu o gesto do deputado Guilherme e admitiu que aumenta sua responsabilidade para esse novo momento  “É impossível não se emocionar por conta dessa história de luta e amor por Petrolina. Serei eternamente grato pelo gesto de Guilherme. Estamos construindo uma ponte que vai gerar grandes frutos para Petrolina, como deu no passado. Este não é o projeto de Miguel, Guilherme, Fernando, e sim de uma Petrolina de todos nós”, afirmou o pré-candidato a prefeito.

Acompanhado por vários familiares, amigos e lideranças políticas da capital do São Francisco, Guilherme destacou a importância de olhar para frente e definir um projeto de retomada do desenvolvimento de Petrolina. “Refleti muito para tomar essa decisão e nós todos temos um compromisso muito grande com esta cidade. Estou indo para o melhor para Petrolina. Vamos olhar para frente, levar a nossa mensagem e compromisso”, defendeu o deputado federal.

Reforço

Participante decisivo de todo o processo de reaproximação dos dois núcleos políticos, o senador Fernando Bezerra também demonstrou emoção no encontro. O socialista lembrou lideranças que ajudaram a construir Petrolina e pediu para o grupo trabalhar unido e focado num novo projeto para a cidade. “Esse encontro não é apenas para reverenciar o passado. Nós temos muito orgulho do passado, pois se Petrolina deixou de ser passagem para ser o que é, foi pela luta dos que nos precederam. Essa decisão repercutirá no futuro de Petrolina e gera compromissos. Estamos celebrando um compromisso com a nova Petrolina que vamos construir juntos.” O ex-prefeito Augusto Coelho, irmão de Osvaldo Coelho, também prestigiou o evento.

Com a aliança, a pré-candidatura de Miguel conta agora com o apoio de mais duas legendas: o PSDB e o DEM. No total, o grupo une agora 14 partidos na construção da chapa que será anunciada no dia 29 de julho, em Petrolina.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br