Artigo do leitor: “Donald Trump, o Brasil e o Vale do São Francisco”

pedro-netoA vitória do bilionário Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos, semana passada, deve ser vista com cautela, sobretudo para os exportadores de frutas do Vale do São Francisco. A análise é do empresário Pedro Neto (foto), que nos enviou este artigo sobre o assunto.

Confiram:

O mundo acordou surpreso na ultima quarta feira (09), com a eleição do 45º presidente americano eleito, o Republicano Donald Trump.

A vitória que parecia improvável se confirmou. E qual o reflexo da escolha de Trump para o Brasil e a região do Vale do São Francisco? A perplexidade do mercado diante da vitória de Donald Trump levou as bolsas a caírem pelo mundo e o dólar a subir.

Historicamente, nossas relações comerciais com Republicanos são melhores porque eles são menos intervencionistas, e isso ganha força com o perfil do novo presidente eleito, que é um empresário e homem de negócios.

É preciso ficar atento para a imprevisibilidade da política externa americana no futuro, pois poderemos ter dificuldades no setor de exportações, caso o presidente mantenha na pratica uma postura “protecionista” dos produtos norte-americanos, como prometeu durante a campanha. Aqui em nossa região, nosso produto para eles é alimento, na medida em que não tem escala de produção e qualidade. Por conseguinte, não há uma competição.

Cerca de 85% da exportação da manga nacional sai do Vale do são Francisco, sendo que 22% de toda produção de desloca para o mercado externo. Os EUA são o segundo maior destino do nosso produto, com 25% de participação, ficando atrás da Europa, com 70%, restando 5% para o mercado asiático.

Em curto prazo no mercado externo seremos muito mais afetados, caso a PEC 55 dos Gastos não passe no Senado, do que a própria eleição do presidente norte-americano. Especialistas têm afirmado, inclusive, que a eleição de Trump não deve alterar significativamente a tendência de queda da taxa de juros (Selic) no Brasil, mas pode fazer com que essa queda se torne menos rápida.

No momento, o mercado se estressa e reajusta preços, entre outras oscilações. “Treino é treino e jogo é jogo”. E o jogo por aqui já está sendo jogado, enquanto lá o juiz dará o apito inicial. Voltemos nossa atenção para casa, e com tranquilidade aguardemos.

Pedro Neto/Empresário, Administrador de empresas e Especialista em Gestões Empresarial, de Finanças e de Obras

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br