Nova crise política nacional leva Paulo Câmara a cancelar Seminário ‘PE em Ação’

A Secretaria de Imprensa do Governo de Pernambuco comunicou nesta sexta-feira (19) que foi adiada a realização da rodada do Seminário Pernambuco em Ação do Agreste Central, que ocorreria na cidade de Caruaru. Segundo a nota, o governador Paulo Câmara (PSB), devido à grave crise nacional, precisa estar neste sábado (20) em Brasília, como vice-presidente nacional do PSB, para participar da reunião da Executiva Nacional do partido.

A nota informa que a nova data do Pernambuco em Ação do Agreste Central será divulgada em momento oportuno.

Câmara já tinha se pronunciado sobre as denúncias que envolvem o nome do presidente Michel Temer (PMDB) em vídeo postado nesta quinta, 18, nas suas redes sociais, conforme o Blog já divulgou. No vídeo, o governador pede apuração rígida dos fatos, que classifica como “muito graves”. (Foto: SEIGovPE)

 

Paulo Câmara manda recado: “É preciso respeitar as decisões da Executiva Nacional do partido”

Vice-presidente nacional do PSB, o governador Paulo Câmara afirmou que é preciso respeitar a decisão da Executiva Nacional da sigla de destituir dos diretórios estaduais provisórios os parlamentares que não seguiram a posição partidária contra a reforma trabalhista. O dirigente disse que não se trata de “punição” aos infiéis, mas de reposicionar os comandos estaduais com lideranças “antenadas” com o pensamento da direção.

“O presidente (nacional do PSB, Carlos Siqueira), diante do que foi decidido pela Executiva e diante do que aconteceu na votação da reforma trabalhista, entendeu que as direções provisórias tinham que mudar. Mudar para colocar pessoas que estejam antenadas com a posição da executiva nacional. Não é uma punição aos deputados. É uma alteração diante da decisão que o partido tomou. Então, a gente tem que respeitar isso. Os diretórios têm que estar em consonância com o que pensa a executiva do partido, foi uma decisão exclusiva para esses quatro pontos”, afirmou o governador, após a entrega de Unidade de Pronto Atendimento Especializada (UPAE) de Ouricuri, nesta sexta-feira (5).

Sobre a possibilidade de uma debandada de lideranças por discordar da posição da Executiva Nacional, Paulo Câmara defendeu que o PSB tem posicionamentos e uma história que precisa ser respeitada. Segundo ele, os filiados sabem quais são as posições da legenda. Ele cita a decisão contra a reforma trabalhista tomada pelo Congresso Nacional do PSB, ainda sob o comando do ex-governador Eduardo Campos, em 2014.

“As pessoas que entram no PSB têm que saber que é um partido com história, que tem programa e ideias que precisam ser respeitadas. Eu acho que cabe agora uma reflexão de todos nós. Serenar os ânimos. O momento que o País passa é de buscar agregar e não dividir. Como dirigente partidário sempre me coloquei para a gente tentar unir e não buscar divisão”, concluiu. (Fonte: Folhape)

PT muda regras para ampliar direitos de filiados integrar diretórios estaduais e a nacional do partido

Mudanças para que filiados possam integrar os diretórios do Partido dos Trabalhadores (PT) sem necessidade de serem delegados em seus municípios, foi uma das novidades divulgadas nesta sexta-feira, 20, na reunião de lançamento do 6º Congresso Nacional do PT. A reunião aconteceu em São Paulo (SP), com a presença de nomes da legenda, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na nova resolução, foi extinta a exigência de que os candidatos a dirigente estadual ou nacional tenham que ser delegados ou delegadas nos Congressos correspondentes. Assim, basta ter mais de um ano de filiação e estar em dia com as contribuições financeiras para poder se inscrever em uma chapa para o Diretório Estadual ou a Executiva Nacional. As datas foram ampliadas.

O processo de eleições diretas (PED) nos municípios será dia 9 de abril; nos Estados, as eleições dos novos dirigentes petistas acontecerão de 5 a 7 de maio. O Congresso para a escolha dos dirigentes nacionais vão de 1 a 3 de junho. (Foto: Secom/PT)

Gonzaga poderá não seguir executiva nacional do PSB em relação a impeachment de Dilma

gonzaga

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) participou, nesta segunda-feira (7), de uma reunião da bancada do PSB que analisa a situação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A decisão dos parlamentares socialistas será anunciada após a reunião da executiva da legenda, que acontecerá nesta quarta (9).

A decisão tomada na última quinta-feira (3) pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), no sentido de aceitar o processo de impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff, já produz efeitos no posicionamento das lideranças políticas do país.

“Eduardo Cunha arquivou 19 processos idênticos, dizendo que não caberia impeachment, e agora, por causa das desavenças particulares, aceitou abrir o processo? O fato de usar sua posição de presidente da Câmara para tomar essa decisão, no momento em que membros do PT se manifestaram contra ele na Comissão de Ética da Câmara é usar um cargo público para benefício próprio, e isso é lamentável“, afirmou.

Em relação ao processo de impeachment de Dilma, Gonzaga informou que estudará a situação com cautela e escutará a posição da bancada, do partido e, em particular, das ruas, para declarar seu voto. O deputado sertanejo afirmo que “qualquer ato ilícito” deve ser investigado e, se no caso de Dilma, houver a comprovação disso, terá de ser afastada, a exemplo do que ocorreu com Fernando Collor de Melo em 1992. Ainda ontem o PSB confirmou o deputado Bebeto (BA) como o quarto nome a integrar a comissão que analisará o pedido de impeachment de Dilma.

Críticas a Cunha

Quanto ao afastamento de Eduardo Cunha, Gonzaga foi incisivo: “os parlamentares devem dar exemplo de decoro e de ética. Eduardo Cunha não tem feito isso. A posição atual de Cunha é ‘indefensável’. São sérias as acusações contra ele e acredito que nós, deputados, vamos conseguir tirá-lo da presidência da Casa, face à gravidade dessas acusações”, avaliou. (foto: Assessoria/divulgação)

Socialistas à frente

FBC encontro PSBO senador Fernando Bezerra Coelho defendeu, durante reunião da Executiva Nacional do PSB realizada na manhã desta quinta-feira (27), que o partido seja protagonista no processo de diálogo com outras forças políticas e o governo, para a superação da crise econômica pela qual atravessa o país.

No encontro dos socialistas, líderes do partido conduzem análise do “PSB frente à conjuntura nacional”. (foto/divulgação)

Agenda de Câmara tem visita a TCE-PE e reunião com presidente nacional do PSB na próxima semana

paulo camara_640x427Na próxima segunda-feira (10), o governador eleito Paulo Câmara vai iniciar, às 9h, suas visitas institucionais pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), de onde é servidor concursado. Será o primeiro compromisso oficial de Paulo após as eleições de outubro.

Paulo será recebido pelo presidente do TCE-PE, Valdecir Pascoal, que também preside a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas (Atricon).

O governador eleito vai acertar com Valdecir a sua presença no seminário “Pacto Pela Boa Governança: Um Retrato do Brasil”, promovido pelo Tribunal de Contas da União, Tribunais de Contas dos Estados, Atricon e diversas confederações empresariais. O seminário ocorrerá em Brasília, no próximo dia 17 de novembro, e será destinado aos governadores eleitos este ano.

Na quarta-feira (12) o governador eleito estará em Brasília, onde terá reunião com o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira. Câmara é o atual vice-presidente nacional do PSB. A legenda está realizando uma série de reuniões com os integrantes do partido para definir o posicionamento com relação ao Governo Federal.

O encontro da próxima quarta-feira será com os presidentes das Executivas Estaduais do PSB. Essas reuniões são preparativas para o encontro da Executiva Nacional socialista, que ocorrerá até o final do mês. As informações são da assessoria.

Pelo Facebook, Eduardo oficializa entrega de cargos

Eduardo Blog1Eduardo Campos anunciou, agora há pouco, que a Executiva Nacional do PSB também aprovou a entrega de todos os cargos que detém no governo de Dilma Rousseff (PT). Pelo Facebook, Eduardo confirmou que continuará apoiando “aquilo que é correto”.

Assim como na reunião que teve ontem (17) com alguns integrantes do partido, o governador de Pernambuco reafirmou que o PSB não precisa de cargos e destacou que a decisão ajudará o Brasil.

“Acabamos de aprovar na Executiva Nacional do PSB a entrega de todos os cargos que ocupamos no Governo Federal. Vamos seguir dando apoio àquilo que é correto. O futuro do país não passa por cargos, mas por perseguir os melhores caminhos para o desenvolvimento, para criação de empregos, por melhores serviços públicos, por uma política que respeite o cidadão. Saímos do governo para continuarmos ajudando o Brasil”, afirmou.

Eduardo fala em “grande Pacto pelo Bom Senso” ao justificar que não pretende se isolar do Governo Dilma

Eduardo CamposNum encontro com a Executiva Nacional do PSB, nesta quarta-feira (18) em Brasília, o líder maior do partido, governador Eduardo Campos, dá mais uma mostra de que deve mesmo sair do Governo Dilma.

O socialista, no entanto, não fala em deixar de colaborar com a gestão da presidente e ressalta um “grande Pacto pelo Bom Senso”.

Confiram a nota, na íntegra, publicada na Fanpage de Eduardo:

Amigos e amigas,

Estamos reunindo a Executiva Nacional do PSB hoje para tratarmos desse novo momento que nosso país vive. Um momento de choque entre o Brasil real e a velha política, que tenta destruir nossas esperanças de um futuro melhor. O PSB sairá daqui unido por uma nova política que respeite os anseios e as necessidades dos cidadãos. Agora é hora de realizarmos um grande Pacto pelo Bom Senso. Precisamos mudar o país para além do horizonte de um governo. Precisamos mudar a política para mudar o Brasil.

Alta cúpula do PT descarta chances de Lula disputar presidência em 2014

lula/ FotoAgênciaA possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser o candidato do PT à Presidência no ano que vem “não tem ressonância” na alta cúpula da legenda, disse ontem (4) o presidente da sigla, Rui Falcão.

A volta de Lula tem ganho alguns simpatizantes até mesmo dentro do PT, especialmente depois da onda de manifestações que tomou as ruas das principais cidades do país no mês passado e da queda na popularidade e na intenção de voto da presidente Dilma Rousseff, que é candidata à reeleição.

A chance de Lula disputar uma eleição presidencial pela sexta vez no ano que vem tem sido publicamente descartada pelo próprio ex-presidente.

Essa hipótese foi afastada pela cúpula do partido, após reunião da Executiva Nacional petista, em Brasília, na quinta-feira, para avaliar a atual conjuntura nacional. A conclusão a que chegaram é que o partido não deve se dividir e deve estar unido em torno de Dilma em 2014.

“A nossa posição e tudo que foi manifestado lá é de defesa do nosso governo e de apoio integral às iniciativas adotadas pela presidenta Dilma”, disse Falcão. “Esse assunto não ganha ressonância entre nós“, disse.

“Volta Lula!”

Um pouco antes da reunião terminar, o senador Jorge Viana (PT-AC), já havia adiantado que o “Volta Lula!” havia sido rejeitado pela Executiva.

“Isso seria pior do que antecipar as eleições”, disse ele a jornalistas. Segundo o senador, debater esse tema poderia fazer o governo “somatizar” as turbulências causadas pelas manifestações que tomaram conta do país. (Fonte: Reuters)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br