Representante do Dieese vem à região debater reformas trabalhista e da Previdência

O coordenador de relações sindicais do Diesse (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), José Silvestre Prado de Oliveira, participará de encontros em Petrolina(PE) e Juazeiro (BA) nesta quinta-feira, 11, sobre as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo Governo Temer. Silvestre participa, às 9h, na Câmara de Juazeiro, de um debate sobre o tema.

Também na quinta, à 14h30, o coordenador se reúne com o movimento sindical da região no auditório do Sindicato das Trabalhadores Rurais (STR) e da Agricultura Familiar de (STTAR) de Petrolina.

A programação integra a 13ª Jornada Nacional de Debates promovida promovida pelo Dieese com apoio das centrais sindicais em todo o País, e as reformas do Governo Temer são o tema principal. “Será um momento importante para que em números a tese do governo federal seja desmontada para justificar mudanças tão prejudiciais para nós, trabalhadores”, disse o presidente do STR de Petrolina, Francisco Pascoal (Chicou).

Salário mínimo fica abaixo do valor necessário para sobreviver, diz pesquisa

dinheiroPara suprir as necessidades básicas, o salário mínimo deveria ser de R$ 3.940,24. Esse é o valor apontado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) como o mínimo necessário para trabalhadores garantirem comida, casa, transporte, saúde e educação de uma família de quatro pessoas. Na ponta do lápis, o montante equivale a quatro vezes o mínimo de R$ 880.

(mais…)

Isentos deste ano vão pagar IR em 2015 após reajuste na tabela

Declaração Imposto de RendaSe você ganha na faixa dos R$ 1,7 mil de salário e não vai precisar pagar Imposto de Renda neste ano, é provável que no ano que vem as coisas mudem. Para pior, é claro. É que o reajuste na tabela do IR, anunciado pela presidente Dilma Rousseff, será menor que a inflação prevista para 2014 e, consequentemente, menor que o reajuste salarial de grande parte da população.

Em outras palavras, o reajuste da tabela foi confirmado em 4,5% pelo ministro-chefe da Comunicação Social da Presidência, Thomas Traumann. Só que o IPCA de 2014 (índice da inflação utilizado para reajustar os salários) será de 6,5%, segundo as últimas previsões do Banco Central. Na prática, isto significa que mais pessoas vão entrar na faixa salarial dos que precisam pagar o imposto (R$ 1.787,77 e R$ 1.868,22 no ano que vem).

E entre os que já pagam, alguns subirão de categoria, passando a pagar um índice maior. O cidadão fictício da simulação ao lado, por exemplo, ficará R$ 1.706 mais pobre no ano que vem. Mesmo assim, o Ministério da Fazenda estima que deixará de arrecadar R$ 5,3 bilhões em 2015, por conta do reajuste de 4,5% na tabela.

Segundo um estudo do Dieese, entre 1996 e 2013, a tabela do Imposto de Renda acumula uma discrepância de 61,24%, por conta dos reajustes abaixo da inflação. Segundo o estudo, o justo seria que já neste ano, quem recebeu até R$ 2.758,46 por mês em 2013 ficasse isento do tributo. Isso significaria que pelo menos 8 milhões de brasileiros deixariam de pagar o Imposto de Renda. (Fonte: Correio BA)

Novo mínimo vai gerar R$ 28,4 bilhões a mais na economia

dinheiroO novo salário mínimo de R$ 724, que passa a vigorar a partir de janeiro, irá gerar um incremento de R$ 28,4 bilhões na economia, segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Estudo do Dieese sobre os impactos do novo mínimo mostra ainda que, em termos de médias anuais em reais o valor de R$ 724 é o maior valor real (descontada a inflação medida pelo Índice do Custo de Vida – ICV) desde 1983, considerando a série histórica do salário mínimo no país.

“Com o valor de R$ 724, a vigorar a partir de janeiro, o piso acumula ganho real de 72,35%, desde 2002”, destaca o Dieese.

O novo valor representa um reajuste de 6,78% sobre o salário mínimo atual, de R$ 678.

O Dieese explica que o novo valor corresponde à variação do Produto Interno Bruto (PIB) de 2012, de 1,03%, e à variação anual do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estimada em 5,54%.

O levantamento mostra ainda o valor de R$ 724 representa um poder de compra equivalente a 2,23 cestas básicas. Segundo o Dieese, trata-se da maior quantidade registrada nas médias anuais desde 1979.

Previdência

O estudo afirma que 48,2 milhões de brasileiros têm rendimento referenciado no salário mínimo, sendo 21,4 bilhões beneficiários do INSS e 4,2 bilhões empregados domésticos.

Se o novo mínimo elevará as despesas com Previdência Social em cerca de R$ 12,8 bilhões ao ano, por outro lado aumentará a arrecadação tributária em cerca de R$ 13,9 bilhões, segundo o Dieese. “O peso relativo da massa de benefícios equivalentes a 1 salário mínimo é de 48,7% e corresponde a 69,5% do total de beneficiários”, informa o estudo. (Fonte: G1)

Governo federal projeta salário mínimo para R$ 722,90 em 2014

salariominimoA ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, anunciou nesta quinta-feira (29) que o Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) elaborado pelo governo prevê salário mínimo de R$ 722,90 a partir de 1º de janeiro de 2014. O valor representa um reajuste de 6,62% em relação aos atuais R$ 678.

Segundo a ministra, o impacto do aumento do salário mínimo nas contas públicas, com o pagamento de benefícios, será de R$ 29,2 bilhões em 2014.

“O novo valor do salário mínimo previsto na peça orçamentária é de R$ 722,90, já incorporando a regra de valorização do salário mínimo, que tem sido uma política importante de alavancagem da renda das famílias no Brasil, o que tem nos levado a patamares de qualidade de vida muito superiores”, disse a ministra, após entregar o projeto em mãos ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RO).

O valor do salário mínimo é calculado com base no percentual de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano retrasado mais a reposição da inflação do ano anterior pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O salário mínimo foi instituído em 1940, durante o governo de Getúlio Vargas.

Dieese

Mensalmente, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) calcula o preço da cesta básica em 18 capitais e estima o valor do salário mínimo necessário.

Na última divulgação, referente ao mês de julho deste ano, o departamento estimou que o menor salário pago deveria ser de R$ 2.750,83 (ou seja, 4,06 vezes o mínimo em vigor atualmente, de R$ 678).

O cálculo é feito levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser capaz de suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência. (Fonte: G1)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br