Representante do DCE da Facape esclarece sobre horário de funcionamento da entidade

Após reclamações de alguns alunos do turno da noite na Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) acerca do horário de funcionamento do Diretório Central de Estudantes (DCE), a reportagem do Blog conseguiu ouvir o tesoureiro da entidade, Cayari Coelho, que rebateu as críticas. Ele esclareceu que o DCE funciona normalmente das 8h às 18h30, mas reconheceu que o horário noturno está pendente pelo fato de a Coordenação de Estágio da instituição já ter deixado claro que não tem como fornecer bolsistas para manter o DCE aberto nesse período.

Cayari explicou ainda que o horário de atendimento afixado na porta do diretório serve justamente para que os alunos estejam cientes de quando procurar o DCE.

O tesoureiro da entidade ressaltou ainda que essa pendência no atendimento durante a noite deverá continuar pelo menos até o final do período 2017.1, já que não há como trazer os bolsistas. Sobre a duração do atendimento, Cayari justificou que não há como estender o horário porque os estudantes ficariam com seus cursos comprometidos. “A gente não pode abdicar das nossas aulas”, disse.

Estudantes questionam horário de atendimento no DCE da Facape

O horário de atendimento no Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) está sendo questionado por alunos que estudam no período noturno.

O problema, segundo eles, é o pouco tempo de atendimento. São dois dias durante a semana, com meia hora de atendimento em cada dia. Sobre a questão, o Blog já procurou a presidência do DCE e aguarda uma resposta. (foto/divulgação)

DCE da Facape marca assembleia para traçar estratégias e discutir melhorias

assembleia-dce-facapeUma assembleia marcada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Facape discutirá, nesta quarta-feira (30), vários itens de interesse dos universitários. O encontro acontecerá às 18h, no auditório central da autarquia.

Na pauta constarão temas como a atual conjuntura da Facape; prestação de contas; criação de uma comissão para a próxima assembleia, que terá como caráter a reformulação do Estatuto; plano de atividades e intervenções para o ano de 2017; aprovação da reestruturação da sala do DCE, com vistas a dar mais comodidade aos estudantes; entre outros que poderão ser suscitados.

 

Reitor da Univasf formaliza atendimento à pauta do movimento estudantil e encaminha documento ao DCE

O reitor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Julianeli Tolentino enviou ao Diretório Central dos Estudantes (DCE), nesta segunda-feira (17), ofício no qual expõe os pontos de pauta tratados com as lideranças estudantis da instituição.

No documento estão especificados prazos, procedimentos e metodologia para os respectivos encaminhamentos.

O pleito envolve, prioritariamente, ações na área de assistência estudantil. Entre as solicitações acolhidas pela Reitoria estão a manutenção das rotas do transporte estudantil intercampi; garantia de abertura de editais de seleção para bolsas/auxílios, até novembro próximo; apresentação de estudo sobre a gestão dos Restaurantes Universitários (RUs), no prazo de 30 dias, e o cronograma do desenvolvimento dos projetos de residências universitárias para os campi que ainda não possuem esses equipamentos.  O documento na íntegra pode ser acessado aqui.

DCE da Univasf convoca estudantes nesta segunda-feira para avaliar greve

paralisacao-mobilizacao-estudantes-univasfEm nota enviada a este Blog, representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) confirmaram para esta segunda-feira (17), às 18h30, uma nova assembleia no auditório da biblioteca da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)/Campus Petrolina Centro. Desta vez a entidade vai avaliar o resultado da greve estudantil, após a desocupação do prédio da Univasf, na última sexta-feira (14).

Confiram a íntegra da nota:

O DCE/Univasf vem comunicar o fim da ocupação da reitoria da nossa Universidade, encerrada no dia 14 de outubro, após realização de assembleia estudantil, e já aproveita este espaço para parabenizar a todas e todos que construíram, com muita garra e luta, os cinco dias de ocupação.

A união dos estudantes em torno da pauta da Assistência Estudantil, intensificada após um calendário de mobilizações movido pelo DCE, culminou com um dos momentos mais bonitos e de maior mobilização estudantil da história da Univasf. Essa luta é justíssima e não se iniciou agora, mas há anos, quando o Movimento Estudantil passou a exigir da nossa universidade um Plano de Assistência Estudantil que possibilitasse a milhares de estudantes, em situação de vulnerabilidade socioeconômica, o ingresso e a permanência na Univasf.

No entanto, demandas, arduamente conquistadas estiveram ameaçadas nos últimos meses. No dia 08 de outubro, na reunião da Câmara de Assistência Estudantil (CAE), fomos informados que não havia orçamento previsto para o pagamento de bolsas e auxílios no ano de 2017, o que implicaria no aumento da evasão e na destruição do sonho de permanecer na universidade daqueles que não conseguem continuar a trilhar seus caminhos na Univasf sem a Assistência Estudantil.

A partir daí, os estudantes presentes organizaram uma Assembleia que resultou com uma série de atividades de resistência aos cortes sinalizados, culminando com a ocupação da reitoria e com a paralisação das aulas no dia 10 de outubro, iniciando um momento singular da história da Univasf, quando foram promovidos espaços que contavam com a participação de mais de 600 estudantes, que juntos debateram a Assistência Estudantil e outras temáticas relacionadas aos retrocessos que estamos sofrendo atualmente.

Em um desses espaços, os estudantes presentes construíram as suas pautas de reivindicação, que foram apresentadas à Reitoria, sendo elas:

– Manutenção do Transporte Estudantil como está atualmente e acréscimo de 01 micro-ônibus e de 01 ônibus à frota do transporte estudantil intercampi;

– Manifestação da Universidade contra a PEC-241;

– Garantia de abertura dos editais de bolsas e auxílios até novembro de 2016;

– Apresentação de um estudo sobre o modelo de gestão dos Restaurantes Universitários em até 30 dias;

– Colocar a construção de Residências Universitárias para os campi que não as possuem como obras prioritárias para a gestão.

Através de momentos que envolviam o DCE, os diretórios/centros acadêmicos e os estudantes, cada uma dessas pautas foi debatida intensamente, o que deu segurança ao movimento grevista para lutar por avanços junto à reitoria. Dessa forma, foi conquistado:

– A manutenção do Transporte Estudantil da mesma forma até o próximo ano, sendo que será apresentada à CAE a possibilidade de acréscimo do micro-ônibus e do ônibus;

– Será elaborado um ofício contra a PEC-241, que a partir do Conselho Universitário, será enviado para o Ministério da Educação, Ministério da Saúde, presidência da Câmara dos Deputados e Presidência do Senado;

– A abertura dos editais de bolsas e auxílios até novembro de 2016;

– Apresentação de um estudo qualitativo, em 30 dias, sobre a gestão dos Restaurantes Universitários, e a criação de uma comissão formada por estudantes que acompanhará todo o processo de avaliação da gestão desses dispositivos;

– Conclusão dos projetos executivos das Residências Universitárias para os campi que não as possui até o primeiro semestre do primeiro ano.

Sendo assim, o DCE reconhece o avanço em cada uma das pautas defendidas pelos estudantes como grandiosa conquista, principalmente ao levar em consideração o cenário político e econômico do país, que, infelizmente, nos indica que a garantia de direitos está cada vez mais comprometida. Vale ressaltar que o DCE não aceitará que quaisquer destes avanços estejam condicionados a retrocessos para a classe trabalhadora, e é por isso que estaremos buscando uma gestão cada vez mais participativa, para que, se houver cortes, os mesmos não atinjam os terceirizados da nossa instituição.

No que tange ao processo e ocupação, o DCE reconhece as falhas, frutos das dificuldades e tensões que emergiram a todo momento, reafirmando seu compromisso atenuando-as conforme possível. Entretanto, não se pode desmerecer a importância de tudo que foi feito e dos resultados que obtivemos. Em tempo, aproveitamos para nos desculpar pelos incômodos causados a comunidade acadêmica e ansiamos que estudantes, técnicos e servidores reconheçam a necessidade de toda essa mobilização, além de nos colocarmos à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Mais do que nunca é necessário que nós, estudantes, estejamos em luta e travemos batalhas em defesa de uma Educação Pública, gratuita e de qualidade, juntando-nos às outras categorias que estão na busca da garantia de nossos direitos.

Para encerrar, o sentimento que define a luta protagonizada pelos estudantes que se dispuseram a forjar-se nesta construção é “Orgulho”. O despertar da categoria estudantil evidencia o empenho e a força à mudança. Tal processo demarca a identidade dos estudantes univasfianos, diante de toda comunidade acadêmica e externa, referenciando-se diante do compromisso de fazer da Univasf um espaço de mudança social, na medida em que se dispõe a lutar pela garantia do direito de permanecer na Universidade.

Aproveitamos para convocar os estudantes da Univasf para participarem da nossa próxima Assembleia, a ser realizada no dia 17 de outubro, às 18h30, no Auditório da Biblioteca, do campus Centro, que tem como ponto de pauta a avaliação da greve estudantil.

Seguiremos em luta!

Quando o estudante avança, nenhum trabalhador retrocede!!

Só a luta muda a vida!!

DCE-Resistência

(foto/arquivo)

Estudantes e professores da Univasf levam debate sobre educação pública para praça

debate educação DCE UnivasfUma mobilização promovida pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Univasf e pela Seção Sindical dos Professores do Vale do São Francisco (Sindunivasf), realizada na tarde desta sexta-feira (15) na Tenda Cultural do Bambuzinho, Avenida Souza Filho, Centro da cidade, chamou a atenção para a problemática da educação pública no país.

Intitulada ‘Educação nas Praças’, a proposta teve por objetivo estender à sociedade as discussões sobre o tema que já acontecem dentro da instituição.

Queremos levar o debate e as ideias dentro da premissa de que educação pública é direito de todos e dever do estado”, justifica o professor de história e presidente do Sindunivasf, Newton Almeida. Ele explicou que o momento é de pressionar a classe política, que pretende reduzir ainda mais e precarizar esse direito. No próximo dia 29, outra iniciativa semelhante acontecerá no mesmo local, desta vez para tratar de ciência e tecnologia – pasta que foi suprimida no Governo Temer. (foto: Marco Aurélio)

Presidente do DCE da Facape aciona Justiça sobre descumprimento no benefício de meia-entrada para estudantes e critica atuação do MP

adonjones

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) acionou a Justiça para assegurar a meia-entrada de estudantes em eventos na cidade. A ação foi movida pelo presidente Adonjones Fernandes e tem como base as normas estabelecidas no decreto de lei Nº 8.537, de 5 de outubro de 2015. O processo está tramitando na Promotoria de Justiça de Petrolina.

Segundo Adonjones, as produtoras de eventos de Petrolina não praticam a meia-entrada para estudantes. “O período de adaptação acabou e o decreto entrou em vigor no dia 1º de dezembro, e nenhuma entidade de festa em Petrolina vem respeitando”, afirmou.

O valor do ingresso de meia-entrada deve equivaler à metade do preço do ingresso cobrado para a venda ao público em geral. Adonjones disse que foi cobrado pelos estudantes e quer que a lei seja cumprida. “O objetivo é que a lei seja cumprida. Eu sou cobrado pelos estudantes e me sinto no dever de ir atrás e fazer com que a lei seja cumprida, pois, a partir do momento em que a lei é descumprida, o estudante que tem carteirinha fica lesado.

O presidente do DCE disse também que a lei impõe algumas regras para os produtores e pontos de venda de ingressos. “Se for um evento que só venderá ingresso na hora, a produtora tem que disponibilizar ingressos pelo menos 48 horas antes para estudantes comprar. Assim que começar nos pontos de venda, tem que começar a vender a meia-entrada. Os pontos de venda têm que disponibilizar, de forma clara, a quantidade de ingressos para serem vendidos e a quantidade para meia-entrada”, pontua.

Vale frisar que os estudantes só terão direito ao benefício da meia-entrada mediante a apresentação da Carteira de Identificação Estudantil (CIE) no momento da aquisição do ingresso e na portaria ou na entrada do local de realização do evento.

Críticas

Adonjones afirmou que alguns produtores informaram que não estão cumprindo a lei pelo fato de terem vendido os ingressos antes do dia 1º de dezembro. Ele também criticou a postura do Ministério Público (MP), que, segundo ele, não fiscaliza. “O Ministério Público tem obrigação de fiscalizar e nada está fazendo. Eles não chamam atenção de produtor de evento nenhum em Petrolina. Agora ele [o MP] cumpre ou cumpre”, alfinetou.

Alegando difamação, dirigentes da Facape processam estudantes e pedem indenização

facapeApós divulgação na imprensa de uma nota do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), informando que a entidade iria entrar com uma representação junto ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para cobrar “transparência” da atual gestão, os dirigentes da autarquia processaram os membros do DCE por difamação e pediram indenização de R$ 32 mil por danos morais. (mais…)

Atraso de três meses no repasse do Proupe gera insegurança entre os estudantes da Facape

DCE - Facape3O atraso de três meses no repasse das verbas do Governo de Pernambuco às autarquias municipais, para o funcionamento do Programa Universidade para Todos em Pernambuco (Proupe), tem gerado insegurança aos estudantes da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape). (mais…)

Petrolina sediará Conferência Universitária de Saúde

CartazPetrolina sediará na próxima semana (dia 14) uma Conferência Universitária de Saúde. O evento, que é gratuito e emitirá certificado a todos os participantes, acontecerá a partir das 14h no auditório da biblioteca do campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf).

Promovido pelo Coletivo ‘VER-SUS’, Levante Popular da Juventude e Diretório Central dos Estudantes (DCE) /Univasf, o evento é uma das pré-conferências preparatórias para a Conferência Nacional de Saúde, que acontecerá entre os dias 1 a 4 de dezembro em Brasília (DF), a qual se propõe a debater este ano o seguinte tema: “Saúde Pública de Qualidade para Cuidar Bem das Pessoas: Direito do Povo Brasileiro”.

As conferências são instrumentos fundamentais para buscar a garantia da saúde como direito humano, universal e integral, respeitando as especificidades da população sertaneja, para fortalecer o controle e participação social do SUS, além de avaliar a situação da saúde pública, apresentando propostas a partir das necessidades existentes na região.

Os organizadores da pré-conferência reforçam a presença da população no evento como forma de “exercer sua cidadania, defender seus direitos e ajudar a construir o Sistema Único de Saúde (SUS) que se quer para o Brasil”.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br