Julio Lossio, suas contas e o “momento propício” da Casa Plínio Amorim

Já chegou a quarta conta do primeiro mandato do ex-prefeito de Petrolina, Julio Lossio (PMDB), para apreciação dos vereadores da Casa Plínio Amorim. Cada conta corresponde a um ano de mandato. Como Lossio foi prefeito por oito anos, ainda faltam outras quatro.

Mas a primeira, relativa ao primeiro ano, ainda nem entrou em apreciação, apesar de toda cobrança do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para que os vereadores a julguem. A Câmara Municipal é ‘mestra’ nessa arte: empurrar com a barriga para esperar o “momento propício”.

Claro que esse tal “momento propício” passa por interesses de toda sorte e, geralmente, por práticas nada republicanas. O que a sociedade espera é que vossas excelências façam o trabalho para que foram eleitos: trabalhar, por exemplo.

Presidente da Câmara Municipal de Salvador acompanha sessão da Casa Plínio Amorim e desconversa sobre candidatura à AL-BA em 2018

A sessão plenária da Casa Plínio Amorim, realizada no dia de ontem (22), foi acompanhada por um visitante especial. A convite de Ronaldo Cancão (PTB), o presidente da Câmara de Vereadores, Léo Prates (DEM), veio a Petrolina devolver a visita que Cancão lhe fez. Mas a agenda dele não ficou restrita apenas à cidade, onde curtiu os festejos juninos.

Cogitado a disputar uma vaga na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) nas eleições 2018, Léo também aproveitou para marcar terreno no norte do Estado. Ele também foi conhecer o São João de Jaguarari, mas desconversou sobre uma eventual pré-candidatura a deputado.

Acho que ainda é muito cedo para falar de candidatura. A gente só conversa sobre 2018 em 2018”, afirmou. Aos 39 anos de idade, Léo está apenas no segundo mandato e é o presidente mais jovem do Legislativo de Salvador e aquele com menor tempo de mandato. Ele garante, inclusive, que seu maior desafio no momento é colocar seu nome como um dos principais da história da Câmara de Salvador. “É nisso que estou focado”, concluiu Léo.

Ronaldo Cancão rebate críticas sobre São João de Petrolina e garante: “Prefeito zelou pelo dinheiro público”

O vereador Ronaldo Cancão (PTB) viu com naturalidade algumas críticas apontadas ontem (22) pelo integrante da bancada de oposição, Gabriel Menezes (PSL), ao São João de Petrolina, durante sessão da Casa Plínio Amorim. O governista justificou que Gabriel está executando o mesmo papel que ele cumpriu na gestão municipal passada, quando também foi líder de oposição ao então prefeito Julio Lossio (PMDB).

Mas Cancão não deixou barato as declarações de Gabriel. Ele inclusive chegou a se utilizar de uma expressão dura para rebater o colega, ao afirmar que o governo anterior “não teria moral” para criticar o São João realizado pelo atual administração.

Deixando claro que, pelo fato de atualmente ser situação não quer dizer que vá ser conivente com coisas erradas, Cancão defendeu a lisura  e transparência como ocorreu toda a organização dos festejos juninos deste ano. “O que eu quero afirmar é que o prefeito teve todos os cuidados jurídicos, o zelo pelo dinheiro público, para realizar o São João”, assegurou.

Por outro lado, o governista fez questão de ressaltar que a economia anunciada por Miguel Coelho, em mais de R$ 1 milhão dos cofres públicos, para realizar os festejos este, deve-se também porque o prefeito contou com o apoio da Caixa Econômica, a qual destinou R$ 200 mil, mais R$ 420 mil do Ministério do Turismo. Além disso, a distribuidora de bebidas que abastece o evento (Itaipava) participou e ganhou a licitação, injetando mais recursos para os festejos – sem contar o aporte financeiro do Governo de Pernambuco. “No ano passado, a prefeitura gastou pouco mais de R$ 5,7 milhões utilizando a Fonte 1 (recursos próprios)”, analisou.

O vereador destacou ainda que a empresa Abdon, a qual atua no ramo há 30 anos, também ganhou o processo licitatório para cuidar da estrutura da festa – envolvendo palco, camarote, estacionamento, barracas e banheiros químicos, entre outros itens. “O custo da festa é R$ 1 milhão. A Lei 8.666 (licitações) permite à empresa para pagar a estrutura que o município não pagou. Além disso a empresa tem a obrigação de fazer uma custódia no valor de R$ 180 mil para garantir que vai assegurar o serviço, fora os R$ 40 mil pagos pela licitação”, explicou.

Polícia Federal

Sobre os artistas contratados este ano, Cancão primeiro evitou polêmicas ao argumentar que não votou no projeto de lei da vereadora licenciada e atual secretária de Cultura, propondo que 50% da programação do São João deveriam ser formados por artistas locais. Para Cancão, essa “é prerrogativa” da administração. Depois, o governista saiu em defesa do atual prefeito quanto ao valor pago às atrações nacionais, justificando que os cachês foram compatíveis ao atual momento que cada um deles vive em suas carreiras artísticas. Perguntado sobre a presença de artistas que não se encaixam no estilo junino, o vereador rebateu argumentando que Miguel trouxe para Petrolina as atrações “que a maioria da população gostaria de ver”.

Cancão aproveitou para lembrar que os festejos da gestão passada não tiveram a mesma transparência (em especial os de 2012 e 2013), tanto é que foram alvo de uma investigação realizada pela Polícia Federal (PF). “Como ainda é segredo de justiça, em breve a população de Petrolina vai saber o que ocorreu no São João de 2012 e 2013”, finalizou.

Gabriel Menezes afirma que valorização de artistas locais no São João de Petrolina fica só na teoria

Nem só de elogios vive o São João de Petrolina deste ano. Integrante da bancada de oposição, o vereador Gabriel Menezes (PSL) viu várias falhas nos festejos que estão acontecendo no Pátio Ana das Carrancas, zona oeste da cidade.

Num discurso realizado durante a sessão plenária na manhã desta quinta-feira (22) na Casa Plínio Amorim, Gabriel elencou algumas críticas, a começar pela grade de artistas locais, cujos cachês foram reduzidos em detrimento das atrações de renome contratadas para a festa.

“Eu discordo da prefeitura e da secretária Maria Elena (Cultura), que afirmam que nunca houve uma valorização aos artistas da região como agora”, reclamou, referindo-se a um projeto de lei da então vereadora Maria Elena, aprovado pela Câmara Municipal, que determinava à prefeitura destinar 50% da grade de programação aos artistas da terra. Para Gabriel, não adianta garantir os artistas locais nos festejos, se seus cachês foram reduzidos – a exemplo do de Targino Gondim e de Samuel Menino de Rua.

Ele também criticou o valor de R$ 15,00 cobrado no estacionamento, além do horário marcado para começar a programação – a partir das 18h30. “Quem trabalha no comércio, acaba perdendo seu artista preferido porque ele tocou mais cedo”, afirmou. As críticas foram respaldadas pelos demais integrantes da bancada.

Vetos adiados

A explosão de uma barraca de fogos de artifício no Centro de Petrolina, no final da manhã de ontem (20), levou o presidente da Casa Plínio Amorim, vereador Osório Siqueira (PSB), a encerrar a sessão plenária antes do previsto. Por causa disso, dois vetos do prefeito Miguel Coelho (PSB) a projetos de lei do Legislativo acabaram sendo adiados.

Mas um deles, o 227/2017, referente ao projeto de lei nº 028/2017, de autoria de Ronaldo Cancão (PTB), gerou certa polêmica. A proposta é assegurar atendimento diferenciado domiciliar preferencial a pessoas internadas, doentes e enfermas em órgãos públicos e privados. Segundo Cancão, o prazo para colocar o veto para análise expirou.

Na prática, apenas o veto ao projeto 013/2017 do líder da bancada de oposição, Paulo Valgueiro (PMDB), deve ser analisado nesta quinta (22). A matéria dispõe sobre atendimento diferenciado para os portadores de Diabetes Tipo 1 e Tipo 2 nas redes municipal e estadual, e também na rede privada de saúde.

Depois dos pastores, comunidade cigana de Petrolina terá também o seu dia

A comunidade cigana em Petrolina, a exemplo da evangélica, também será homenageada com um dia no calendário de festas e eventos da cidade.

Os vereadores da Casa Plínio Amorim aprovaram o projeto de lei 071/2017, que institui o Dia do Povo Cigano, a ser comemorado anualmente em 24 de maio. A proposta foi de autoria do vereador Gaturiano Cigano (foto). Um dos que enalteceram a iniciativa foi o colega de bancada de Gaturiano, Ronaldo Silva.

Vereadores encerram sessão após explosão de barraca de fogos de artifício no Centro de Petrolina

A sessão desta manhã na Casa Plínio Amorim foi encerrada agora há pouco, depois que os vereadores souberam da explosão de uma barraca de fogos de artifício no Centro de Petrolina. (mais…)

Moção de repúdio de Elias Jardim contra beijo gay é retirada de pauta, mas Casa Plínio Amorim também derruba moções de aplausos do Professor Gilmar

Em meio a discursos acalorados e manifestações da plateia presente à Casa Plínio Amorim na sessão desta terça-feira (20), a polêmica moção de repúdio do vereador Elias Jardim (PHS) à reportagem exibida pela TV Grande Rio, no Dia dos Namorados, mostrando o beijo entre dois homens, acabou sendo retirada de pauta. No entanto, duas moções de aplausos do Professor Gilmar Santos (PT) – uma para a TV Grande Rio e outra para a comunidade LGBT que compareceu à sessão – também foram derrubadas pela maioria.

O sentimento que se constatou, após todo o estardalhaço visto na manhã de hoje na Câmara Municipal, foi de que, tanto em relação à retirada da moção de repúdio quanto à reprovação às duas moções de aplausos, o Legislativo de Petrolina quis satisfazer as duas partes envolvidas na polêmica.

Sessão plenária na Casa Plínio Amorim terá vetos do Executivo e polêmica moção de repúdio

Dois vetos do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), estão previstos para serem votados na sessão plenária desta terça-feira (20) na Casa Plínio Amorim.

Um dos vetos, 140/2017, refere-se ao projeto de lei 013/2017, de autoria do vereador Paulo Valgueiro (PMDB), que dispõe sobre o atendimento diferenciado para os portadores de Diabetes Tipo 1 e 2 na rede municipal e estadual de saúde, bem como na rede privada.

O outro veto, 227/2017, é quanto ao projeto de lei nº 028/2017, cujo autor é Ronaldo Cancão (PTB). A proposta do vereador seria assegurar atendimento diferenciado domiciliar preferencial a pessoas internadas, doentes e enfermas em órgãos públicos e privados.

Também estão previstos outros projetos de lei, de autoria dos representantes do Legislativo Municipal, sem falar na moção de repúdio prometida pelo vereador Elias Jardim (PHS), contra uma reportagem exibida no GR 1ª Edição, da TV Grande Rio, ilustrando o Dia dos Namorados. Elias se indignou com um beijo romântico entre dois homens, mostrado durante a reportagem, e disse que apresentaria a moção nesta terça. A decisão causou a revolta de representantes LGBT, que prometeram acompanhar a sessão de hoje.

Moção de repúdio, polêmica do beijo gay e as expectativas para próxima sessão da Casa Plínio Amorim

As expectativas geradas em Petrolina pela moção de repúdio do vereador Elias Jardim (PHS) contra uma reportagem da TV Grande Rio referente ao Dia dos Namorados, a qual mostrou o beijo entre dois homens, são grandes. Elias prometeu apresentar a moção na sessão plenária da próxima terça-feira (20) na Casa Plínio Amorim.

Até lá, sobram indagações sobre como se comportará a maioria dos vereadores das duas bancadas. Se sexo e religião, individualmente, continuam sendo assuntos sempre suscetíveis a polêmicas, que dirá então os dois juntos.

Na sessão da última terça (13), já não houve quórum suficiente para votar a moção. E na semana que vem, haverá? Já tem vereador governista se esquivando do debate por acreditar que a opção sexual de todos deve ser respeitada. Uma mobilização da classe LGBT está sendo planejada para acompanhar de perto a votação. Por sua vez, o vereador Professor Gilmar Santos (PT) já prometeu uma moção de aplausos para contrapor à iniciativa de Elias. Esse é o cenário.

Beijo gay apresentado em reportagem de TV vira polêmica na Casa Plínio Amorim

Um beijo romântico entre dois homens, exibido ontem (12) pela TV Grande Rio, numa reportagem alusiva ao Dia dos Namorados, deu o que falar na Casa Plínio Amorim. Indignado, o vereador Elias Jardim (PHS) – um dos que integram a bancada evangélica – protagonizou a polêmica durante a sessão plenária na manhã desta terça (13). (mais…)

Visita de ministro a Petrolina teria antecipado encerramento de sessão desta terça na Casa Plínio Amorim

Sem matérias do Executivo a serem votadas, a sessão plenária da Casa Plínio Amorim acabou abreviada pela presidência da Mesa Diretora.

Nos bastidores, contudo, os comentários davam conta de que a visita do ministro em exercício da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Eumar Novacki a Petrolina, no dia de hoje, teria colaborado para o encerramento mais cedo da sessão.

Ausências criticadas

Ainda dá o que falar a audiência pública realizada ontem (9) na Casa Plínio Amorim, que debateu o funcionamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em Petrolina. Ou, pelo visto, o que está se falando mesmo é sobre a falta de debate. Pelo menos foi o que deixou transparecer a presidente do Sindicato dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais (Sintraf), Isália Damasceno.

Visivelmente chateada, ela não poupou de críticas à ausência da maioria dos vereadores, bem como de representantes do Poder Executivo à audiência.

Dos convidados, apenas seis vereadores efetivaram presença na Casa Plínio Amorim. Mesmo assim, metade deles foi embora antes do final da audiência. (Foto/divulgação)

Casa Plínio Amorim deverá realizar sessão especial em homenagem ao Dia do Pastor

A Casa Plínio Amorim deverá realizar nesta sexta-feira (9) uma sessão especial em homenagem ao Dia do Pastor – conforme a Lei 1.409 (Artigo 2). O requerimento foi apresentado à Mesa Diretora pelo vereador Ruy Wanderley (foto), que integra a bancada evangélica na Câmara de Petrolina.

Para o evento serão convidados todos os pastores e fieis das mais diversas congregações presentes na cidade.

Miguel Coelho demonstra força e bancada governista aprova veto a projeto que proíbe dupla função de motorista no transporte coletivo de Petrolina

Se nos bastidores políticos de Petrolina os rumores eram de que a bancada do prefeito Miguel Coelho (PSB) não mostrava unidade, essa história foi diferente na sessão plenária de hoje (6) na Casa Plínio Amorim. Numa demonstração de força, Miguel conseguiu emplacar uma vitória acachapante quanto ao seu veto ao projeto de lei que proibia os motoristas de ônibus de exercer também a função de cobradores no transporte coletivo da cidade. A matéria, de autoria do então vereador Geraldo da Acerola (PT), havia sido aprovada na legislatura passada.

Apesar de todo o movimento e pressão da bancada oposicionista, o veto do prefeito foi aprovado por 17 votos a 4.

Houve quem questionasse se o posicionamento de Miguel seria mantido, já que alguns dos atuais vereadores votaram a favor do projeto de Geraldo da Acerola.

“O problema é que nos aprofundamos na discussão e vimos que a matéria é inconstitucional. Não dá para ir contra as regras do país”, disse ao Blog o vereador Elias Jardim (PHS), justificando a opinião da bancada. (Foto/divulgação)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br