Outdoor vira moeda de troca por favores políticos e gera poluição visual em Petrolina

Petrolina agora convive com um novo ‘fenômeno’: a invasão irregular de placas de outdoor. Do dia para noite, elas se reproduziram de forma desordenada e assustadora.

A distribuição indiscriminada de outdoors aconteceu durante todo o governo, com mais ênfase no final do mandato, do ex-prefeito Julio Lossio (PMDB), que distribuiu a torto e a direito com os amigos e coligados, em troca de apoio politico ou outros favores.

Mas não parou por aí. Todo dia aparecem novos engenhos, agora sem autorização mesmo, na cara dura.

O prefeito Miguel Coelho precisa tomar providência urgente contra essa propagação ilegal e pautada em troca de favores. O ideal mesmo era tornar todas as autorizações dos últimos anos sem efeito e a prefeitura apresentar um novo programa de cidade limpa, que discipline a mídia visual como um todo.

Esperamos providencias.

Bancada de situação na Casa Plínio Amorim leva ‘bola nas costas’ e vota contra o governo sem perceber

Os vereadores da bancada da situação na Câmara de Petrolina viveram uma situação inusitada, para não dizer constrangedora, na semana que passou. Apesar de estarem em ampla maioria, eles conseguiram a ‘façanha’ de amargar uma derrota para oposição e votaram em um requerimento contra o governo municipal.

Na última sessão plenária na Casa Plíno Amorim, quinta-feira (16), enquanto os vereadores da base discutiam, o vereador Paulo Valgueiro (PMDB), da oposição, apresentou e aprovou, por unanimidade, um requerimento para que os secretários da Prefeitura de Petrolina mostrassem declaração de rendimento e domicílio eleitoral.

Não, você não leu errado. Valgueiro apresentou requerimento contra o governo e os vereadores de situação aprovaram por unanimidade. Votaram sem saber ou levaram ‘bola nas costas’. Assim vai ficar difícil ficar pressionando o prefeito, dia e noite, por empregos.

Porque hoje é domingo…”I Wanna Hold Your Hand” – The Beatles

Estado promove encontro com gestores de juventude no Sertão

A Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, por meio da Secretaria Executiva de Juventude, promoveu nessa quarta-feira (18), em Arcoverde, no Sertão do Moxotó, o primeiro ‘bate-papo’ com gestores da área de juventude – Etapa Sertões do Moxotó e Pajeú 2017.

O encontro contou com a presença de representantes de 18 municípios (Arcoverde, Afogados da Ingazeira, Alagoinha, Betânia, Brejinho, Buíque, Custódia, Ibimirim, Inajá, Ingazeira, Iguaracy, Itapetim, Poção, Pedra, São José do Egito, Serra Talhada, Sertânia, Tupanatinga).

A atividade foi construída com o objetivo de facilitar e aprofundar o debate sobre as políticas públicas que envolvem os jovens pernambucanos e para a formatação de parcerias entre Governo do Estado e prefeituras.

“É um momento muito importante. Integração, nivelamento de informações, troca de experiências, escuta e parcerias norteiam a roda de diálogo”, avaliou o secretário executivo, João Suassuna.

O próximo encontro será em Brejão, no Agreste Central, e envolverá os gestores municipais de juventude da região.

Codevasf libera R$ 3,6 milhões para agricultura familiar em projeto no semiárido

Os agricultores do projeto público de irrigação Pedra Branca, no Norte da Bahia, serão beneficiados com a retomada dos serviços e fornecimentos para administração, operação e manutenção da infraestrutura de irrigação de uso comum. A presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Kênia Marcelino, assinou, nesta sexta-feira (20), contrato no valor de R$ 3,6 milhões com a empresa vencedora da licitação pública.

A retomada dos serviços permite que os agricultores tenham acesso não apenas à manutenção adequada da infraestrutura necessária à irrigação, mas também a capacitação e orientação profissional que ajuda a qualificar a produção“, afirma Kênia Marcelino.

Os serviços e fornecimentos contratados englobam a coordenação, execução e monitoramento das atividades de gestão da operação e manutenção das estruturas eletroeletrônicas, mecânicas, hidráulicas, civis, drenagem coletora aberta e entubada; estradas de acesso exclusivo às infraestruturas; coleta de dados junto aos irrigantes para elaboração dos planos de irrigação, necessários à otimização dos recursos alocados e equipamentos.

Estão incluídas também na contratação a guarda e conservação da infraestrutura geral de uso comum, a coordenação, execução e monitoramento das atividades para realização de análises e estudos de indicadores de eficiência, a proposta de soluções para melhorar a eficiência do consumo de energia e fornecimento de água – entre outras ações.

Na próxima semana, a empresa contratada estará em Juazeiro, reunida com nossa equipe na 6ª Superintendência Regional (SR) da Codevasf, para implementar o plano de trabalho e a contratação dos profissionais envolvidos na atividade. Até o início de fevereiro, os trabalhos de manutenção preventiva no projeto Pedra Branca estarão normalizados”, destaca o diretor da Área de Irrigação da Codevasf, Luís Napoleão Casado.

Projeto Pedra Branca

O projeto Pedra Branca, situado entre os municípios baianos de Abaré e Curaçá, no Médio São Francisco, conta com 2,3 mil hectares de área irrigável. Ele é composto apenas por lotes familiares. Um total de 681 irrigantes cultivam principalmente frutas no local. As principais culturas são banana, feijão, amendoim, mandioca e cebola. As culturas permanentes ocupam mais da metade da área cultivada, com predomínio da fruticultura, com especial destaque para a banana. A infraestrutura do perímetro conta com 157,82 quilômetros de estradas e 147,57 quilômetros de drenos. O principal sistema de irrigação é a aspersão convencional.

O Pedra Branca integra o Sistema Itaparica – um conjunto de dez projetos de irrigação entre Pernambuco e Bahia, criado pela Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) no final da década de 1980 para compensar famílias que viviam na área rural onde se formou o lago da Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga. Atualmente é administrado pela Codevasf.

Cabrobó: Falta dinheiro para chamar concursados e sobra para comissionados

Em Cabrobó (PE), Sertão do São Francisco, o prefeito Marcílio Cavalcante (PMDB) nem bem sentou na cadeira e entrou na política, e já fez o que os políticos tradicionais fazem: evita os concursados para beneficiar sua tropa.

Este Blog publicou ontem que um grupo de servidores aprovados num concurso público realizado em 2012 para cargos na Prefeitura de Cabrobó (PE) vive um drama. Empossados ainda no governo anterior, eles foram impossibilitados de exercer suas funções pela atual gestão, que alega comprometimento de despesas da máquina administrativa com a folha de pessoal, acima do permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Marcílio justifica que no momento a prefeitura está comprometida em 66% com a folha dos servidores – 12% acima do que recomenda o limite prudencial da LRF.

Isso parece ser apenas discurso, já que o prefeito acaba de aprovar na Câmara de Vereadores um projeto de cargos e salários para os cargos de confiança. Em português claro, não tem dinheiro para concursados, mas para os amigos tudo pode.

Na cidade, alguns já apelidaram o prefeito de “Fraquilho Cavalcante”, prometem ir às ultimas consequências na luta por seus direitos.

Enquanto isso os vereadores aliados do prefeito e eleitos pelo povo se calam e preferem agradar o gestor.

Mapa político de Pernambuco atesta hegemonia das famílias

O mapa político pernambucano, desenhado nas últimas eleições, atestou a hegemonia de famílias tradicionais no poder. E este retrato traduz um fenômeno histórico, e recorrente, que se perpetua ao longo das gerações. No último dia 1º, tomaram posse 61 prefeitos (veja a lista aqui) com sobrenomes influentes ou parentesco com lideranças da política estadual. Um poder que nos próximos quatro anos irá dominar receitas municipais que vão desde os R$ 23.410.625,40 de Brejão, comandada por um herdeiro da família Cadengue (Beto Cadengue), até os R$ 1.162.240.000 de Jaboatão dos Guararapes, sob liderança de um dos rebentos da família Ferreira (Anderson Ferreira).

A ascensão dos representantes desses grupos não é mero acaso. Seu poder é proveniente de uma estrutura que cria raízes nos municípios e se espalha por outras esferas, elegendo seus integrantes no Executivo e Legislativo. Dessa forma, eles criam uma verdadeira rede para manter sua força e influência nos redutos eleitorais. São sobrenomes que se repetem por décadas no comando das mesmas cidades, se espalham por mais de um município, chegam aos parlamentos e são transferidos de pai para filhos, esposas, irmãos, sobrinhos e primos.

Os Coelhos – Quatro gerações de poder

Um legado que ultrapassou quatro gerações está hoje nas mãos do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e dos seus filhos Miguel Coelho (prefeito eleito de Petrolina) e Fernando Filho (ministro das Minas e Energia). Os três representam, atualmente, a maior força política do Sertão pernambucano. A força política deste grupo familiar se iniciou com Clementino Coelho, conhecido como Coronel Quelê, e Dona Josepha, que tiveram tiveram seus 11 filhos e mal sabiam que sua liderança política na Região do São Francisco iria se espalhar da República Velha por mais três gerações de poder. A força da família e sua influência na região criaram um núcleo que se estende até hoje na política pernambucana. Nos tempos de Quelê, os Coelhos comandavam um forte capital com hotéis, construtoras, indústrias e alimentos. Um império que ajudou a construir a carreira dos seus herdeiros e está de pé até hoje. Sua hegemonia na política local só foi ameaçada por uma liderança, João Barracão, que foi prefeito do município em 1947 a 1951, desafiando a dinastia familiar.

Com a morte de Clementino Coelho aos 67 anos, coube a Dona Josepha ser a mentora da família Coelho. A senhora de origem humilde acabou virando a maior referência política do São Francisco. Presidentes, governadores e autoridades que visitassem a região tinham como parada obrigatória a casa de dona Josepha. Sua liderança foi o esteio da carreira política de seus filhos Nilo Coelho, Gercino Coelho, Osvaldo Coelho, José Coelho e Geraldo Coelho. Todos foram para a política, mas tinham em Dona Josepha o norte das suas carreiras.

Campos/Arraes – Um legado em disputa

Da figura quase mítica e cultuada por populares de Miguel Arraes de Alencar até o estilo moderno e ambicioso de Eduardo Campos, a nova geração das famílias Campos/Arraes tentam levar adiante um legado que é alvo, hoje, de uma disputa entre os Campos – aliados da nova geração do PSB – e os Arraes, mais ligados aos líderes antigos da sigla. Resquícios de perdas que ocorreram cedo demais, principalmente, a de Eduardo, morto em um acidente aéreo em 2014.

A história do grupo começa na saga de Arraes do Sertão do Ceará até Pernambuco. Arraes foi trazido para a política por Barbosa Lima Sobrinho, que o convidou para ser seu secretário da Fazenda. Foi eleito pela primeira vez em 1962, em uma disputa acirrada e fortemente ideológica. Com a ditadura militar, foi exilado na Argélia e somente retornou em 1979, com a anistia. Na volta, disputou mais três vezes o Governo do Estado, saindo vitorioso em duas delas (1986 e 1994). A derrota mais amarga foi em 1998 para o arqui-inimigo na época, Jarbas Vasconcelos.

Foi na volta de Arraes que a liderança do seu neto Eduardo cresceu. E foi ganhando, a cada ano, mais espaço dentro do partido. Foi deputado estadual, secretário da Fazenda e deputado federal. A divisão ocorreu quando ambos resolveram disputar em 2002 uma vaga para federal.

Com a morte de Eduardo foi iniciada a divisão, que tem de um lado a viúva Renata Campos e de outro o irmão do ex-governador, o advogado Antônio Campos. No meio dessa disputa, uma incógnita: a ministra do TCU, Ana Arraes. Sua volta é incentivada por parte do partido para resgatar a força dos históricos do PSB diante da nova geração, mas a ex-deputada permanece em sigilo, observando de longe a disputa que atinge o seio familiar.

Família Lyra – O legado nas mãos de Raquel

Após duas gerações formadas exclusivamente por homens, o legado da família Lyra repousa nas mãos da primeira mulher eleita prefeita de Caruaru, Raquel Lyra. Única representante da terceira geração do grupo, ela é a aposta para o futuro da família que começou a construir sua história em Caruaru pelo mascate e caminhoneiro João Lyra Filho, que, em meio às viagens, estacionou seu veículo na cidade e nela começou a desenhar seu futuro político. De vendedor de automóveis, ele se tornou empresário do ramo de ônibus intermunicipais e prefeito de Caruaru por duas vezes, em 1959 e 1972.

Seus dois filhos, João Lyra Neto e Fernando Lyra, seguiram os passos do pai na política, mas com rumos diferentes. Lyra Neto fincou seus pés em Caruaru, enquanto Fernando tinha como palco Brasília. O primeiro participou do movimento estudantil, se dedicou aos negócios da família e eleito prefeito de Caruaru por dois mandatos em 1988 e 1997. Já Fernando Lyra foi deputado federal por oito mandatos consecutivos. Foi também um dos articuladores da eleição de Tancredo Neves e ministro da Justiça no Governo Sarney. A atual prefeita Raquel Lyra foi a única herdeira a continuar na política. (fonte: Folha de PE)

Feliz aniversário, Geraldo Azevedo!

Senhas do Governo Federal divulgadas por engano deram o que falar nesta terça

Na manhã desta terça-feira (10), a conta no Twitter do Portal Brasil divulgou um tuíte com anexo que direcionava o leitor para um documento no Google Drive – plataforma de armazenamento de dados on-line – onde estavam detalhadas as senhas das redes sociais do próprio portal e do Palácio do Planalto. O Blog teve acesso a uma screenshot da lista e viu que todas as senhas estavam lá.

A Secretaria de Imprensa da Presidência já informou que não existe a possibilidade de a conta responsável pela publicação ter sido hackeada.

Os dados para acesso das contas no Facebook, Twitter, Instagram e até Gmail foram divulgados em postagem feita pela equipe de Contas Digitais. Ainda de acordo com a Secretaria, as senhas já foram alteradas e serão realizadas apurações internas para descobrir como o vazamento aconteceu.

Vídeo Blog: Caixas eletrônicos bancários que não funcionam

Prefeito surpreende e manda vídeo respondendo demanda de leitor do Blog

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), surpreendeu. Ele nos enviou um vídeo para responder uma matéria postada neste Blog, pela qual o leitor Hugo Rocha reclamou e mostrou fotos da sujeira do Loteamento Nova York.

Pois bem. O prefeito viu, foi até lá com a máquina, mandou limpar e ainda prestou contas diretamente ao leitor.

Nosso agradecimento a deferência do gestor, em nome de Hugo e todos os milhares de seguidores que todos os dias abrem o Blog e confiam em nosso trabalho.

Folia confirmada: Prefeitura lança o Carnaval de Juazeiro

A praça de alimentação do Juá Garden Shopping foi tomada por carnavalescos e foliões na tarde desta quinta-feira (5) durante a solenidade de lançamento do Carnaval de Juazeiro 2017, que será realizado entre os dias 10 e 12 de fevereiro. Nesta edição o evento homenageará os 50 anos do tropicalismo com o tema “Tropicália na Terra da Alegria”.

O prefeito Paulo Bomfim fez o lançamento oficial da folia momesca, destacando que nos últimos oito anos o evento passou por importantes transformações. “Durante as duas gestões de Isaac Carvalho a prefeitura reestruturou o Carnaval de Juazeiro, transformando-se num dos maiores do interior do Nordeste. Tenho certeza de que realizaremos mais uma grande festa e já me sinto feliz, pois mesmo ainda em início de mandato, já estamos trabalhando incessantemente em todas as áreas para oferecer o melhor ao nosso povo”.

Acompanhado pelo deputado estadual Zó e pela vice-prefeita Dulce Ribeiro, o prefeito agradeceu aos parceiros que contribuem direta e indiretamente para que o Carnaval seja um sucesso em todos os aspectos. O comandante da CPRN, Coronel Alfredo Nascimento, o presidente da Câmara, Alex Tanuri, além de vereadores e secretários municipais também prestigiaram a solenidade. Na primeira participação em evento oficial, o secretário de Cultura, Turismo e Esportes, Sérgio Fernandes, elogiou o planejamento da festa.

“Tudo o que vi até o momento me dá a certeza de que na gestão Paulo Bomfim o nosso carnaval dará continuidade ao processo de valorização e de crescimento dos últimos anos. Vamos realizar mais um evento que ficará marcado na história de Juazeiro”, avaliou.

O coordenador Samuel Morais destacou que a cada ano a Prefeitura tem buscado inovações para fortalecer a Folia de Momo juazeirense. “Sempre buscamos soluções interessantes no sentido de manter o nível de atratividade da festa e ao mesmo tempo minimizar os custos”.

Samuel lembrou ainda que este ano vai haver atrações no circuito da Orla 2, onde ficarão os palcos Caetano e Gil. Já o palco Multicultural Luiz Galvão desta vez ficará na área do Vaporzinho. E o tradicional circuito Ivete Sangalo (Adolfo Viana/Orla 1) receberá os trios elétricos da Prefeitura com estrelas da música baiana e atrações locais, como também dos blocos.

Artistas

Já estão confirmados nomes de peso como Léo Santana, Luiz Caldas, Psirico, Aviões do Forró, Bell Marques, Oz Bambaz, Timbalada, Aline Rosa, Mano Valter, Gabriel Diniz e Tayrone. Em breve outras atrações serão anunciadas.

O bloco Pimentinha completará 21 anos de participação no Carnaval e o diretor-presidente da agremiação infantil aposta na estrutura do evento para alavancar as vendas de abadás. “As atrações da Prefeitura e todo o aporte do evento contribuem muito para que haja um envolvimento mais intenso na cidade e isso ajuda os blocos também. Além disso, para comemorar os 21 anos vamos trazer a Simony, ex-vocalista do saudoso grupo Balão Mágico”, informou Antônio Mendes. A cantora Andrezza Santos e batucadas das Escolas de Samba animaram o lançamento.  (Fonte/foto: Ascom PMJ)

Ricos: Seis apostadores levam R$ 220 milhões da Mega da Virada

Seis apostas venceram a Mega da Virada em 2016. O resultado, divulgado neste sábado (31), teve como prêmio o valor de R$ 220 milhões. Os números sorteados foram 05, 11, 22, 24, 51 e 53.
Os vencedores são das cidades de Salvador (BA), Fortaleza (CE), Trizidela do Vale (MA), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS) e Fazenda Vilanova (RS). Os ganhadores receberão, cada um, R$ 36.824.758,22.
Na quina, houve 1.665 apostas ganhadoras e o prêmio será de R$ 25.481,21. Já na quadra houve 124.889 vencedores, que levarão R$ 485,30. A arrecadação total foi de R$ 735.869.326,50.

Janeiro começa com o mínimo de R$ 937, reajustes salariais de servidores e aumento de despesas

O ano de 2016 foi marcante em vários aspectos, com fatos importantes em diversos setores: político, esportivo e econômico. Alguns deles trarão repercussões para o início de 2017. O primeiro mês do ano é marcado também por reajustes salariais de diversas categorias de servidores, além do salário mínimo de R$ 937.
Novo salário mínimo
Na última quinta-feira (29), o governo anunciou o novo valor do salário mínimo. O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão informou que o reajuste – de R$ 880 para R$ 937 – significa um aumento de R$ 38,6 bilhões da massa salarial em 2017. O valor representa 0,62% do Produto Interno Bruto (PIB) e, segundo o governo, terá “efeitos positivos na retomada do consumo e do crescimento econômico ao longo do ano”. O novo salário passa a vigorar a partir deste domingo (1º).
Reajustes salariais
O Ministério do Planejamento também anunciou nos últimos dias de 2016 o reajuste de oito categorias, com validade a partir de janeiro. Auditoria-fiscal da Receita Federal; auditoria-fiscal do Trabalho; perito médico previdenciário; carreira de infraestrutura; diplomata; oficial de chancelaria; assistente de chancelaria; e policial civil dos ex-territórios (Amapá, Acre, Rondônia e Roraima) são as categorias contempladas.
O governo frisou que os reajustes concedidos não alteraram a estabilidade das despesas de pessoal. Segundo a pasta do Planejamento, houve “uma queda expressiva” das despesas com pessoal, de 4,6% do Produto Interno Bruto (PIB – a soma de toda riqueza do país) em 2009 para 4,1% na estimativa para 2017.
Outra categoria que terá aumento na remuneração a partir deste mês é a dos profissionais integrantes do Programa Mais Médicos. Com o reajuste,  o valor, chamado de Bolsa Formação, passa de R$ 10.570 para R$ 11.520.
Tarifa telefônica
Se o salário aumenta, algumas despesas também. O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) pode ser cobrado na tarifa de assinatura básica de telefonia. Por 7 votos a 2, seguindo voto do relator, ministro Teori Zavascki, o Supremo entendeu que a assinatura básica faz parte da prestação do serviço de telefonia e, dessa forma, o imposto deve ser cobrado na fatura mensal a partir de janeiro.

2017, tempo de crescer

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br