Dos três ministros pernambucanos que sinalizaram saída do Governo Temer, só Roberto Freire deixa cargo

As denúncias que atingiram o presidente Michel Temer (PMDB) provocaram um fenômeno, no mínimo, curioso ao longo desta quinta-feira (18): o efeito ‘ioiô’ em alguns ministros que ensaiaram a saída do Governo e ficaram. Na noite da quarta-feira (17), horas depois da divulgação de trechos da delação premiada dos donos da JBS, começou a correr a informação de que o ministro das Cidades, Bruno Araújo, defendia no partido o desembarque do Governo Temer e a entrega dos quatro ministérios do PSDB na gestão do peemedebista, inclusive o seu. Só que não.

No meio da tarde desta quinta-feira (18), uma hora antes de o presidente Temer fazer o seu pronunciamento do “fico”, os meios de comunicação começaram a informar que o PPS havia decidido que, caso o peemedebista não renunciasse, seus dois ministros – Raul Jungmann (Defesa) e Roberto Freire (Cultura), deixariam os cargos. Só que não.

Das três promessas de debandada, Roberto Freire ficou só. Foi o único que levou adiante a sua ideia inicial e deixou a pasta. Seu companheiro de partido, Raul Jungmann, licenciado da sua vaga de suplente de deputado federal, disse ter recebido um apelo dos comandantes das Forças Armadas para continuar.

Bruno Araújo, como bom tucano, fez que ia e não foi. Anunciou, por meio da sua assessoria, “que permanece no Governo Federal a pedido do partido, o PSDB”. A sigla, por sua vez, aguarda a divulgação do conteúdo das gravações dos executivos da JBS para, só então, se pronunciar.

Mendonça e Fernando Filho

Outros dois ministros pernambucanos não se pronunciaram. Mendonça Filho (Educação) é do mesmo partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), primeiro na linha de sucessão de Michel Temer. Já Fernando Filho, das Minas e Energia, recebeu e ignorou a recomendação do presidente do PSB, Carlos Siqueira, para que deixasse o cargo. Assim como fez quando foi indicado à revelia do partido, permanece no ministério. (Fonte/foto montagem: Blog da Folha)

Bruno Araújo é o primeiro ministro a deixar Governo Temer

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, deputado federal licenciado do PSDB-PE,  anunciou no início da tarde desta quinta-feira, 18, sua saída do governo. Esta é a primeira perda do governo de Michel Temer. A polêmica levantada por um dos donos da JBS, Joesley Batista, na quarta-feira, 17, desencadeou uma reviravolta na política brasileira. Bruno foi o último deputado a dizer sim para o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), pouco mais de um ano atrás e ajudou a colocar Temer na presidência que era vice da petista.

Nesta quarta-feira, Joesley afirmou à Procuradoria Geral da República ter áudios que comprovassem autorização do presidente Michel Temer para a compra de silêncio do deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Segundo informações do jornalista da Globonews, Gerson Camarotti, a decisão de Bruno Araújo teria surgido a partir de conversas com deputados tucanos.

Nas próximas horas a decisão de Bruno será comunicada ao Palácio do Planalto. O agora ex-ministro tucano, junto com o colega também ministro, senador Aluysio Nunes, foram os primeiros a pedir que o PSDB deixe o Governo Temer caso as denúncias contra o presidente sejam confirmadas via delação do empresário da JBS. (Com informações do Diário de Pernambuco e Portal Exame)

Temer exonera pernambucanos Fernando Filho, Bruno Araújo e Mendonça Filho para votarem reforma trabalhista

O presidente Michel Temer exonerou nesta quarta-feira (26) três ministros com mandatos de deputado federal para que retornem à Câmara e votem no projeto da reforma trabalhista, considerado crucial pelo governo para a retomada econômica e que irá testar a base aliada antes da votação da reforma da Previdência. A exoneração dos ministros Bruno Araújo (Cidades), Mendonça Filho (Educação) e Fernando Bezerra Coelho Filho (Minas e Energia) foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta.

Inicialmente o governo previa exonerar ministros com mandado de deputado federal apenas para a votação da reforma da Previdência para reforçar o empenho na aprovação da matéria, mas a estratégia também acabou sendo adotada para a reforma trabalhista.

Fernando Filho é do PSB, partido da base do governo que se encontra ‘rachado’ depois que sua Executiva fechou questão contra as reformas trabalhista e da Previdência.

O governo enxerga a proposta da reforma trabalhista como um teste para a análise da reforma da Previdência mais à frente, e trabalha para que sua votação seja concluída até a quinta-feira, um dia antes da greve geral e manifestações previstas contra as duas reformas. O projeto, que tem como um dos principais pontos a prevalência de negociações sobre a legislação vigente, foi aprovado na terça-feira em comissão especial da Câmara e seguirá direto para o plenário, apesar de emendas ao projeto não terem sido analisadas. (Fonte: Reuters/foto arquivo)

Governo cria programa de financiamento habitacional para militares

raul-jungmann-e-bruno-raujo

Um acordo de cooperação técnica assinado hoje (17) pelos Ministérios da Defesa e das Cidades com a Caixa Econômica Federal, permitirá que integrantes das Forças Armadas tenham acesso a uma política específica de financiamento habitacional. Inicialmente, 75 mil militares devem ser atendidos pelo programa. O acordo deve passar, nas próximas semanas, pela avaliação de técnicos, que vão definir os detalhes de como o programa deve funcionar.

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, afirmou que, se necessário, podem ocorrer mudanças no Programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ para atender a demanda dos militares. Ele não soube dizer se haverá alocação diferenciada de recursos, nem quantas unidades habitacionais serão disponibilizadas.

Estamos trabalhando com os mesmos recursos do Minha Casa, Minha Vida. É bom lembrar que a família do militar, hoje, tem direito a acessar o programa como existe, e já existem programas que, do ponto de vista do acesso de renda, são compatíveis para o atendimento. Mas estamos falando de algo diferente, estamos falando sobre a possibilidade de atendimento em conjuntos de convivências, que sejam construídos de forma exclusiva para a família militar ou outras características que venham a ser desenvolvidas“, afirmou Araújo.

Atenção diferenciada

Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, os beneficiados serão os militares com menor renda, soldados, cabos e sargentos, que hoje correspondem a 60% do total de membros das Forças Armadas. Para justificar a necessidade da política habitacional direcionada aos militares, Jungmann destacou a rotina peculiar das famílias de militares e ressaltou que eles precisam de atenção diferenciada do Estado. “Eles são brasileiros que trabalham muito duro, em condições muito especiais, deslocados a qualquer hora, sem hora extra, muitas vezes correndo risco. De certa forma, é um retorno que é dado pelo país“, disse. Jungmann.

A expectativa do ministro da Defesa é que o programa entre em vigor em 2017. A duração do acordo é de cinco anos, podendo ser renovado por mais cinco, dependendo da demanda. (fonte/foto: Agência Brasil)

Pessoas físicas poderão financiar construção de unidades do ‘Minha Casa Minha Vida’ até 2017

Minha casaPessoas físicas poderão financiar a construção de unidades do Programa ‘Minha Casa Minha Vida’ até dezembro de 2017, com recursos do Fundo de Garantia por Tempo Indeterminado (FGTS). É o que prevê a Portaria nº 539/2016 do governo federal, que será publicada nesta sexta-feira (28) no Diário Oficial da União (DOU).

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, informou que a medida atende a diversas manifestações realizadas no país, especialmente por parte dos pequenos construtores, os quais mostraram-se preocupados com as regras estabelecidas pelo governo anterior.

O prazo estendido inclui a venda de das unidades. Para aqueles que já possuem o ‘Habite-se’ ou documento equivalente concedido pelo órgão municipal competente, a aquisição deverá ocorrer num prazo máximo de 180 dias contados a partir da expedição do ‘Habite-se’, dispensando vistoria preliminar do agente financeiro do FGTS. As informações são do Ministério das Cidades.

Dois ministros de Temer retornam à Câmara dos Deputados para votar a favor da PEC que limita gastos púlicos

Fernando Filho

O presidente Michel Temer exonerou dois ministros de seu governo para que eles possam retomar temporariamente o mandato de deputados federais e votar a favor da PEC do teto de gastos públicos. As exonerações de Bruno Araújo (Cidades) e Fernando Coelho Filho (Minas e Energia/foto) foram publicadas na edição desta segunda-feira (10) no “Diário Oficial da União”. Após a votação da PEC, eles voltarão para o ministério.

A intenção do governo é votar a proposta em primeiro turno já nesta segunda. Na semana passada, o texto foi aprovado na comissão especial que analisou o tema. O teto de gastos é uma das principais apostas da gestão Temer para sanar o rombo nas contas públicas e acelerar a retomada da economia. Para virar lei, contudo, a proposta precisa contar com o voto de, pelo menos, 308 deputados e 49 senadores.

Neste domingo (9), Temer ofereceu um jantar para deputados da base no Palácio da Alvorada para pedir apoio à PEC. Ao todo, estavam presentes 215 parlamentares, com 31 esposas, e outras 33 pessoas, entre ministros e assessores do governo.

Mais cedo no domingo, o presidente já havia se dirigido à casa do líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), para discutir pontos da PEC com alguns deputados. Após o encontro, Rosso disse ao G1 que foram discutidas as estratégias para convencer deputados indecisos a votar favoravelmente à PEC.

Teor 

A proposta de emenda à Constituição prevê um limite para os gastos da União nos próximos 20 anos. Pelo texto, os gastos terão que se limitar ao montante do ano anterior reajustado pela inflação, o que valeria já a partir de 2017. As exceções são a área de saúde e educação. Em 2017, serão mantidas as regras atuais para os investimentos em saúde e educação (previstas na Constituição), passando a vigorar o novo teto somente em 2018. (fonte: G1-Brasília)

‘Minha Casa Minha Vida’ terá 40 mil unidades executadas ainda este ano

minha casa minha vida casa novaPor meio de instrução normativa publicada hoje (29) no Diário Oficial da União, o Ministério das Cidades autorizou o início da execução da Faixa 1,5 com meta de contratação de 40 mil novas unidades habitacionais do programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ com, no máximo, 500 unidades por empreendimento. A modalidade contemplará famílias com renda mensal bruta limitada a R$ 2.350,00 e que possuem capacidade de comprometimento de renda.

A família beneficiada contará com subsídios de até R$ 45 mil, conforme renda e localização do imóvel, além de juros reduzidos para financiamento com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) (5%a.a.).

A Faixa 1,5 tem como principal característica oferecer um subsídio maior do que o da Faixa 2, para atender famílias que não conseguem comprar um imóvel nesse valor.

Para a nova faixa de operação de financiamento não haverá seleção de famílias por prefeituras. Os interessados devem procurar as instituições financeiras e construtoras para que sejam enquadrados nos critérios estabelecidos.

Em solenidade realizada no último dia 11 de setembro, no Palácio do Planalto, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, afirmou que serão destinados para esta faixa recursos no total de R$ 3,8 bilhões, sendo R$ 1,4 bilhão em subsídios (R$ 1,26 bilhão do FGTS e R$ 140 milhões do Tesouro Nacional), outros R$ 2,4 bilhões em financiamentos do FGTS.

Portaria

A pasta também publica hoje outros critérios para participar do programa, entre eles extinção de sorteio dos proponentes de financiamento com recursos do FGTS. A determinação altera o disposto na Portaria 115/2016, que aprovou a Carta ‘Minha Casa, Minha Vida’, de caráter informativo, e os procedimentos para sua obtenção e utilização nas operações de financiamento. “O enquadramento em critérios que colaborem com o atendimento a um número maior de famílias faz parte de uma nova postura de governança da pasta e garante isonomia ao processo”, informou Henriqueta Arantes, secretária Nacional de Habitação. As informações são da assessoria do Ministério das Cidades.

Com presença do ministro das Cidades, Residencial Juazeiro III é inaugurado no bairro Itaberaba

nauguração residencial juazeiro 3

O Residencial Juazeiro III, com mais 500 unidades habitacionais construídas por meio do programa ‘Minha Casa, Minha Vida’, foi inaugurado na manhã desta sexta-feira (29), no bairro Itaberaba, em Juazeiro. O condomínio fica ao lado dos residenciais Juazeiro I e II (com 2,5 mil moradias), entregues recentemente pela presidente afastada Dilma Rousseff (PT).

A entrega das chaves foi feita pelo governador Rui Costa (PT), que esteve acompanhado do ministro das Cidades, Bruno Araújo, do presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, e do prefeito Isaac Carvalho (PCdoB). A expectativa do Governo do Estado e de que, até o final de 2016, tenham sido entregues por meio do programa 11 mil imóveis no município, beneficiando mais de 50 mil baianos.

Na ocasião, ainda foram inaugurados um posto da Polícia Militar e um de saúde, construídos em frente ao residencial. Com a inauguração de mais esse empreendimento, a cidade já conta com 6.980 unidades habitacionais entregues por meio do Minha Casa, Minha Vida.

Outros quatro empreendimentos do programa estão sendo construídos, somando mais 2,5 mil casas em obras. A previsão é que o Residencial Mairi, com mil unidades, seja concluído no próximo mês, quando será entregue à população. (foto: Matheus Pereira/GOVA/divulgação)

Ministro Bruno Araújo “sai de férias” para evitar suplência de Guilherme

guilherme deputadoDeu na Coluna ‘Folha Política’, da Folha de Pernambuco: ministro das Cidades, Bruno Araújo precisou passar quatro dias nos Estados Unidos, onde se encontra desde a segunda, para cuidar de assunto “de ordem pessoal e inadiável”. O setor de Recursos Humanos da pasta entendeu que a saída mais viável seria configurar o período como férias.

A alternativa deu-se para evitar que o tucano precisasse ser exonerado para reassumir a cadeira no Congresso e que o suplente, Guilherme Coelho (PSDB/foto), tivesse que deixar a Câmara para, depois, repetirem todo processo na hora de reassumirem. (foto/arquivo)

Tiro de misericórdia: Deputado pernambucano diz ‘sim’ a impeachment e Câmara deve encaminhar processo ao Senado

camara deputados

Coube ao deputado pernambucano Bruno Araújo (PSDB) dar o tiro de misericórdia em prol do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Bruno disse ‘sim’ ao impeachment, levando a oposição na Casa aos 342 votos necessários para que o processo seja encaminhado ao Senado Federal. (foto/reprodução)

Leandro Duarte em dois tempos

leandro e aécio, terezina e bruno_640x480Não é apenas o candidato a presidente da República, Aécio Neves (PSDB), que o ex-prefeito de Santa Maria da Boa Vista (PE), Leandro Duarte, espera ajudar pelo Sertão afora.

Ligado ao deputado federal Bruno Araújo, que atualmente preside a legenda tucana no estado, Leandro esperar usar seu carisma para conquistar votos também para Bruno e para a deputada estadual Terezinha Nunes. Disposição não lhe falta.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por agencialaguz.com.br