Campanha alerta para a exploração indevida de árvores nativas na BR-235/BA

A Gestão Ambiental da BR-235/BA, executada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), e o Consórcio EMPA/CCM/CCL, responsável pela obra no Lote 1 – que fica entre a divisa dos Estados Sergipe e Bahia até Jeremoabo – da rodovia, trabalham juntos para evitar o corte indevido da flora local. Estão sendo realizadas orientações aos moradores e proprietários de terra para que não cortem árvores nativas que ficam na faixa de domínio.

O que acontece é que, após a construtora demarcar a área da rodovia com cerca de arrame, alguns moradores, sem nenhum consentimento, começam a cortar as árvores que ficam na faixa de domínio, no pensamento de que toda aquela flora será suprimida. Porém, na verdade, não é isso que é feito. Com o compromisso de conservação da natureza, a Implantação e Pavimentação da BR-235/BA mantem algumas plantas nativas que não comprometam o traçado da estrada.

Equipes já presenciaram alguns proprietários realizando o corte de árvores que estão dentro da faixa de domínio da rodovia. Além das atividades da Gestão Ambiental da BR-235/BA e do respeito ambiental do Consórcio EMPA/CCM/CCL, é preciso a colaboração da comunidade para manter vivas árvores locais, como Aroeira, Baraúna, Barriguda, Juazeiro, Mandacaru, Mulungu e Umbuzeiro.

A Gestão Ambiental da BR-235/BA, por meio do Subprograma de Supressão de Vegetação (SSV), já realiza a marcação de árvores com grande importância na região com o intuito da construtora avaliar a real necessidade de cortá-las. Os serviços em execução obedecem aos preceitos do desenvolvimento sustentável estabelecidos na Política Ambiental do Ministério dos Transportes, bem como à legislação e às normas ambientais vigentes. (foto/divulgação)

Secretaria de Saúde de Juazeiro alerta população para combate ao Aedes aegypti durante período chuvoso

Em Juazeiro (BA), durante o período das chuvas o índice de notificações de doenças transmitidas por insetos (aborviroses) aumenta. Por esse motivo, a Secretaria de Saúde (Sesau) do município alerta a população acerca dos cuidados que devem ser tomados dentro de casa, para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças: dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

De acordo com o secretário de Saúde, Plínio Amorim, no ano passado, foram notificados 214 casos de suspeita de dengue, deles 67 foram confirmados. Além disso, também foram detectados cinco casos de chikungunya no município. No mesmo período deste ano, apenas 19 pessoas tiveram suspeita de dengue. “Nós reduzimos nossos índices, mas nos preocupamos com o início das chuvas na região. Desde novembro estamos realizando ações para a chegada deste período“, afirma.

Só este ano, o carro fumacê já passou por 13 bairros de Juazeiro. Além disso, em parceria com a Secretaria de Serviços Públicos (Sesp), foi realizada a limpeza e o tratamento com cal virgem dos canais do João XXIII, Jardim São Paulo, Lomanto Júnior e Alto do Alencar. As praças e fontes da cidade também estão sendo tratadas com larvicidas, mesmo produto que é usado quando há visitas em domicílios. O trabalho perifocal, feito com a bomba de pulverização costal, também está acontecendo semanalmente (sextas-feiras), em locais com grande acumulo de sucata, como borracharias, ferros velhos e postos de gasolina.

Vale frisar que todas as medidas já conhecidas da população para evitar a proliferação do mosquito continuam sendo a melhor orientação. Não deixar água parada em vasilhas de plantas, caixas d’água ou qualquer outro recipiente que acumule água é fundamental.

Denúncias

Na cidade a população ainda pode realizar denúncias quando tiver conhecimento de casas abandonadas com piscinas ou mesmo lixo. Existe uma determinação legal que possibilita a ação dos agentes de combate às endemias nesses locais. Para informar a Secretaria acerca de possíveis focos de dengue, o número de telefone é: (74) 9 9198-3057. O contanto pode ser feito por ligação ou via mensagem pelo aplicativo WhatsApp.

Alerta: Após chuvas, veículos pesados não devem transitar por trecho da BR-235/BA em Juazeiro

Motoristas de veículos pesados, especialmente aqueles que transportam cargas, devem evitar transitar pelo Lote 5 da BR-235/BA (do distrito de Pinhões até Juazeiro), especificamente no desvio da ponte do Rio Tourão, que está em obra executada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). O afluente corta a rodovia depois do bairro Jardim Primavera, sentido Juazeiro.

Por conta da chuva que atinge a região, a lama – formada facilmente no desvio – aumenta a possibilidade de incidentes por conta do estreitamento da via próximo à ponte. O alerta da gestão ambiental da rodovia veio após um acidente envolvendo um caminhão, que na manhã da última terça-feira (21), caiu no rio após o motorista perder controle ao passar pela área afetada.

Na quarta-feira (22), máquinas trabalhavam no local para melhorar o desvio. A obra na ponte está na fase de finalização, porém ainda não foi liberada. De acordo com o consórcio SVC/Paviservice, o acesso pela ponte só será liberado em caso de o rio transbordar. Como alternativa, os motoristas podem pegar o acesso na altura da estaca 1744, por dentro da Agrovale, sentido Curaçá. Porém, a estrada é de chão e, a depender da intensidade da chuva, pode-se formar lama. (foto/divulgação)

Alerta: Poste atingido em acidente na Avenida Guararapes continua do mesmo jeito

Um poste inclinado na Avenida Guararapes, esquina com o Colégio Maria Auxiliadora, continua deixando apreensivos os pedestres que transitam pelas imediações. (mais…)

Compesa alerta para redes clandestinas de abastecimento em Petrolina

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) em Petrolina está alertando a população sobre redes clandestinas de abastecimento d’água subdimensionadas, implantadas por terceiros. O aviso foi dado após um serviço realizado pela empresa, na noite de ontem (14), para sanar um vazamento na rede de abastecimento localizada na Rua da Oração, Bairro Dom Avelar, zona norte da cidade, que acabou por interromper o fornecimento d’água. A previsão, segundo a Compesa, é de que a distribuição do líquido seja regularizada ainda hoje.

Ainda conforme a empresa, que recentemente fez a interligação do Dom Avelar ao centro de distribuição localizado no José e Maria, também na zona norte, por conta da obra, cujo objetivo é aumentar a pressão da água que chega às residências dos moradores da área, o número de vazamentos nessas redes clandestinas também aumentou. “A companhia adianta que está  trabalhando para equilibrar as pressões e corrigir os eventuais  problemas nas tubulações”, diz a Compensa, em nota. (foto/reprodução)

Depois da morte de dois jovens em Petrolina, moradores de Juazeiro alertam para ‘rachas’ de motos em dois pontos da cidade

Como este Blog mostrou ontem (13), dois jovens morreram no final da tarde de domingo (12), em Petrolina, num acidente envolvendo as motocicletas que conduziam. De acordo com o 5º BPM, um deles estaria praticando um ‘racha’ na avenida principal do Loteamento Nova Petrolina e acabou colidindo de frente com a outra vítima, que vinha em sentido contrário. Assista ao vídeo do acidente acessando aqui.

Após a repercussão do fato, moradores de Juazeiro (BA) informaram que esse tipo de prática continua acontecendo pelo menos em dois pontos da cidade.

Um dos locais, como este Blog já divulgou recentemente, é a BR-235, entre os bairros Itaberaba e Jardim Primavera. O outro local é próximo ao Porto, nas margens do Rio São Francisco. Os denunciantes afirmam que esse tipo de prática é mais comum nos finais de semana e alertam as autoridades policiais para que façam rondas nessas áreas. (foto/reprodução WhatsApp)

Moradores denunciam venda irregular de terrenos na Zona Oeste de Petrolina

Moradores do Portal da Cidade e do Jardim Imperial, zona oeste de Petrolina, informaram a este Blog que está ocorrendo venda irregular de terrenos nas duas comunidades. De acordo com eles, pessoas desconhecidas chegam ao local e erguem muros nos lotes, que não estão cercados. Depois colocam placas de venda.

Os terrenos, conforme a vizinhança, são vendidos por preços muito abaixo do mercado. Os supostos vendedores dizem que não têm escritura, apenas recibo de compra e venda. O alerta é para pedir que a polícia ou algum órgão da prefeitura investigue o caso. (foto/ilustração)

Após alerta do governo de PE contra surto de caxumba, HDM/Imip adverte sobre os riscos da doença

Esta semana a Secretaria de Saúde de Pernambuco divulgou um boletim reforçando a importância da vacina tríplice viral como medida preventiva contra a caxumba – uma infecção viral aguda que afeta as glândulas parótidas, responsáveis pela produção da saliva e que ficam localizadas abaixo dos lóbulos das orelhas. Desde 2015 vêm sendo observados em todo o país surtos da doença, com os primeiros registros em Pernambuco datados do mês de maio do ano passado. Ao longo de 2016 foram notificados 76 surtos envolvendo 836 casos no estado.

De acordo com o setor de Doenças e Agravos da Secretaria Estadual, quanto mais rápida a comunicação, mais efetivas serão as medidas adotadas pelos municípios. Por isso, o setor de Pediatria do Hospital Dom Malan (HDM/Imip), em Petrolina, se antecipou e começou a informar à população as principais características da doença, visando a contribuir com a prevenção. “Às vezes o que as pessoas precisam é de informação, e nós não vamos pecar por essa falta de esclarecimento, até porque fazemos parte de uma rede de saúde e todos nós somos parceiros nesse sentido”, ressalta a pediatra, Dr.ª Fernanda Patrícia Novaes.

Considerada uma doença típica da infância, a caxumba também pode atingir pessoas de qualquer idade e evoluir com complicações graves como orquite (inflamação dos testículos), inflamação nos ovários, meningite viral e até encefalite (inflamação no cérebro). “Ela é mais comum na infância porque o sistema imunológico da criança ainda está em formação, mas ela pode acometer qualquer faixa etária. Geralmente, a caxumba provoca um aumento de volume bem característico próximo à mandíbula e ao ouvido, febre e dificuldade para mastigar. Nos casos leves e moderados, o paciente também pode apresentar dores no corpo, fadiga e perda de apetite”, acrescenta a pediatra.

Tratamento

Segundo Fernanda, o tratamento é sintomático (não havendo uma medicação específica). Aos primeiros sinais da doença a pessoa infectada deve procurar o posto de saúde, tendo que ficar em isolamento domiciliar para não disseminar o vírus. “Em geral, os sintomas são brandos e tratados com antitérmicos e analgésicos, devendo ser evitado o AAS. Repouso, hidratação e boa alimentação também são importantes aliados”, destaca. A contaminação da caxumba ocorre através de gotículas de saliva do doente, que se espalham pelo ar alcançando as vias aéreas de pessoas próximas. A única prevenção eficaz continua sendo a vacina, cuja primeira dose no calendário brasileiro está indicada aos 12 meses, com reforço aos 15 meses na forma da vacina tetraviral.

Uma vez infectada, a pessoa pode contaminar outras no período entre seis dias antes do início dos sintomas até cerca de 15 dias após. O período de incubação pode ser de 14 a 25 dias. “O momento não é de alarme, mas sim de atenção e reforço sobre a importância da vacinação. Estamos sempre atentos às doenças sazonais e ao surgimento de epidemias”, garante a médica.

Alerta: Nordeste poderá enfrentar sexto ano consecutivo de seca

SecaUma matéria assinada pela jornalista Miriam Leitão (O Globo), com a colaboração de outro jornalista, Álvaro Gribel, serve de alerta para Petrolina e demais cidades do semiárido. O ano de 2017, segundo cientistas do governo informaram, poderá ser o sexto consecutivo de seca.

Isso seria considerado um comportamento inédito do clima na região. Algo parecido aconteceu apenas no século XIX.

Boa leitura:

Cientistas do governo alertam que o Nordeste pode ter em 2017 o sexto ano consecutivo de seca, o que é um comportamento inédito do clima na região. Para que o problema climático não se transforme em uma crise social, o climatologista Carlos Nobre acha que será preciso o governo manter os vários programas sociais que mitigaram o drama regional nos últimos anos.

O Nordeste tem sido castigado de forma dolorosa. Houve três secas fortes em cinco anos de estiagem. Os cientistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) reuniram-se para analisar as previsões climáticas com outros órgãos do governo e fecharam o cenário de que há alto risco de um novo ano seco no Nordeste.

A seca deve reduzir a capacidade de recuperação dos açudes da região para o consumo humano. No Ceará, os reservatórios estão em 7% da sua capacidade, em Pernambuco, 8%, e no Rio Grande do Norte, 9%, segundo o professor. Isso é resultado dessa estiagem tão prolongada.

“Pelos dados que temos, é a mais longa estiagem. Só se houve algo assim no século XIX. Os cientistas estavam com o Nordeste no sinal amarelo e agora colocaram o sinal vermelho”, diz Carlos Nobre, do Cemaden.

A explicação científica é que quando La Niña é muito fraca, ela não altera as condições do Oceano Pacífico atingido pelo El Niño. Neste caso, o Oceano Atlântico passa a ser mais determinante para o clima. Pelos cálculos, o risco de o índice de chuvas na região ser abaixo da normalidade é de 45%. O problema é a sucessão de anos secos que já pega a região depauperada e os açudes secos. Se as chuvas forem escassas, a agricultura será afetada, mas o pior é o risco social.

“Se a gente não viu nos últimos anos as cenas clássicas de retirantes saindo do Nordeste foi porque o governo manteve vários programas sociais de mitigação específicos para a região. Se não houver previsão orçamentária, devido à crise fiscal, pode ocorrer um problema social grave no ano que vem”, alerta Carlos Nobre.

Mudança climática

A grande pergunta que surge diante da sequência de eventos extremos no Nordeste é se isso é consequência da mudança climática ou não. Foi o que perguntei. Climatologista não gosta muito dessa pergunta. “Aí vem a pergunta. Claro que é preciso conduzir uma série de estudos antes de afirmar isso, mas já começa a ter a cara do novo clima. Será assim no Nordeste. Não posso dizer que o futuro chegou, mas é um clima assim que se prevê para o futuro”, disse. Para que nos próximos anos não se repitam os dramas conhecidos do passado, é preciso planejar a economia do Nordeste.

Neste momento, é preciso manter os programas de mitigação do problema emergencial. E é fundamental investir naquilo que é a vocação do Nordeste. Esses são os desafios do Brasil: acudir emergências e pensar no futuro. Carlos Nobre está alertando que é preciso, em relação ao clima do Nordeste, preparar-se para os dois tempos, e isso não tem sido feito.

Nos anos Lula, o Nordeste teve um índice de crescimento acima da média nacional, mas não foi de forma sustentada. Cresceu puxado pelo consumo turbinado por programas sociais, endividamento e pelo início de algumas obras negociadas politicamente. Várias dessas obras foram interrompidas porque eram equivocadas ou pela descoberta de sobrepreço e propina. Em nenhuma delas se viu a busca da vocação da região. Agora é a hora de manter programas sociais para mitigar a seca e pensar no projeto de longo prazo para o Nordeste, porque o futuro quando chegar será árido como têm sido os últimos anos. (foto/arquivo reprodução)

Mosca da fruta deixa produtores do Vale do São Francisco em alerta

frutas-doentesOs produtores do Vale do São Francisco es­­tão preocupados com a chegada do verão. As altas temperaturas podem aumentar os índices de infestação da mosca da fruta nos pomares. Os insetos são verdadeiros vilões e podem trazer prejuízos para as exportações, se não forem devidamente monitorados. Pernambuco, através de Petrolina, tem se destacado na exportação de frutas no Brasil, responsável por produzir 90% de toda manga in natura e 95% de uva de mesa do País. As frutas são destinadas a mercados exigentes, como Japão e países da Europa. (mais…)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br