Lucas Ramos e os caminhos que terá para 2018

O deputado estadual Lucas Ramos vive um momento novo. Ser candidato à reeleição como deputado estadual ou se aventurar em um voo maior e disputar um mandato como deputado federal. Lucas tem alguns pontos a ponderar. Foi eleito participando do grupo do senador Fernando Bezerra Coelho, com quem rompeu e disputava “em casa” votos com Miguel Coelho.

Miguel agora é prefeito de Petrolina e não vai estar no jogo. Lucas pensa em apostar no seu carisma e tentar ganhar aí algumas adesões de quem não votaria no candidato do prefeito.

Por outro lado ele imagina que pode ser a bola da vez em uma eleição para federal, que não contará com Adalberto Cavalcanti (PTB), o qual deve disputar um mandato na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). Para federal disputaria votos com Fernando Filho e Guilherme em uma esfera diferente.

O complicador, neste caso, seria se entender com Gonzaga Patriota, com quem mantém uma parceria respeitosa. Um outro ponto que Lucas precisa avaliar com cuidado é que apoio terá do seu partido, o PSB. Do que sem notícia, ele não conta com a boa vontade da turma do governador Paulo Câmara para ajudá-lo a fazer um mandato com mais colaboração. Quem é da política sabe que nem sempre a eleição para um cargo maior é a mais difícil.

Trabalhadores rurais lotam Alepe em audiência pública sobre reforma da Previdência

Dentro do 6º Grito da Terra PE, a audiência pública sobre a reforma da Previdência e as consequências para o homem e a mulher do campo debateu a questão no plenário principal da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta segunda-feira, 17. O evento foi proposto pela Comissão Especial da Reforma da Previdência no poder legislativo estadual.

Presente ao debate, o presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura de Pernambuco (Fetape), Doriel Barros, disse que a pauta da audiência integrou esse ato do Grito da Terra PE, tanto na discussão no plenário da Casa Joaquim Nabuco como no evento de rua que levou grande número de participantes até o Palácio do Campos das Princesas, sede do governo estadual. (mais…)

Oposição denuncia mais de 1.600 assassinatos nos primeiros 100 dias de 2017 em PE

Pernambuco registrou mais de 1.600 assassinatos nos primeiros 100 dias de 2017, num crescimento de mais de 35% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizadas 1.181 mortes. Até o último dia 10 de abril, foram registrados 1.650 homicídios em todo o Estado. Nos próximos dias, a Secretaria de Defesa Social (SDS) de Pernambuco deve apresentar o balanço da criminalidade do mês de março – que, segundo dados disponíveis no próprio site da secretaria, bateu novo recorde como o mês mais violento de todo o Pacto pela Vida, com 548 mortes, o que representa uma média de 17,7 crimes por dia.

Segundo os dados oficiais da SDS, entre janeiro e março deste ano foram cometidos 1.522 crimes violentos letais intencionais (CVLIs) em Pernambuco – além de 130 casos nos primeiros dez dias de abril, segundo registro dos plantões das polícias. Em relação aos crimes contra o patrimônio, que inclui casos de roubos e assaltos, inclusive de veículos e a assaltos a ônibus, foram registradas 10.321 ocorrências no mês passado, elevando a conta no ano para 31.570 crimes violentos contra o patrimônio no ano. Os números representam uma média de um caso de roubo ou assalto a cada quatro minutos.

Para o deputado Silvio Costa Filho, líder da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), a estratégia do Governo do Estado, que se restringe a trocar o secretário de Defesa Social e os comandos da Polícia Militar e da Polícia Civil, vem se mostrando inócua no combate à violência.

“Infelizmente, essa é a realidade enfrentada pelos pernambucanos hoje. Entra secretário, sai secretário; entra comandante, sai comandante e a violência continua aumentando. Há seis meses no cargo, o secretário Angelo Gioia não conseguiu reduzir os índices de criminalidade. Muito pelo contrário, sob o seu comando a SDS registrou mais de 2.900 assassinatos em Pernambuco, uma média de quase 500 mortes por mês”, comparou.

Cobrança

O parlamentar cobra do Governo do Estado ações efetivas para tirar Pernambuco do que considera Uma “situação de guerra”, citando exemplos de Estados como o Ceará, a Paraíba e Goiás, que reduziram os índices de criminalidade apesar de viver o mesmo quadro de crise de Pernambuco. Hoje, segundo as entidades ligadas aos agentes de segurança, a Polícia Militar opera com metade do efetivo que seria necessário, enquanto a Polícia Civil tem um efetivo menor que há 30 anos. “Chega de troca de secretário e de comandantes. Chega de trocar viatura e não ter combustível para rodar. Os princípios do Pacto pela Vida precisam ser resgatados, e isso passa pela transparência e pelo diálogo com os agentes de segurança e com toda a sociedade”, defendeu. As informações são da assessoria da bancada.

Empresário José Coelho Neto vai trilhando caminho para consolidar seu nome em 2018

Parece que o empresário petrolinense José Coelho Neto aderiu de vez à sua pré-candidatura a deputado estadual. Agora, não perde mais nem campeonato de ‘palitinhos’.

Zé Neto, como é chamado pelos amigos, está sempre presente nos eventos administrativos da Prefeitura de Petrolina. Ao lado de Miguel Coelho (seu primo), aparece nas fotos, cumprimenta populares e beija as crianças. A postura é bem característica de quem sonha a algum cargo eletivo.

O empresário mostra estar realmente inclinado a brigar por uma vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) pelo PSB – legenda a qual está filiado. Aos mais chegados, Zé Neto já adiantou que começará a andar pelas cidades sertanejas, onde o senador Fernando Bezerra Coelho e o ministro Fernando Filho têm grande projeção política. Ele pensa em acompanhá-los brevemente para se tornar seu nome mais conhecido e entrar de vez numa provável disputa para a Alepe.

Odacy Amorim cobra construção de Funase Feminina em Petrolina

Num dos discursos que fez na tribuna na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) esta semana, o deputado estadual Odacy Amorim (PT), destacou um especificamente que considera de extrema importância. Trata-se da solicitação ao governo estadual para implantar uma unidade da Funase em Petrolina, voltada para meninas menores de idade apreendidas em atos criminais. Hoje, as menores infratoras na cidade são encaminhadas para o Recife.

Solicito que o governador instale uma sede da Funase Feminina em Petrolina, para as jovens que tiverem problemas com a justiça. Isso é trabalhar a ressocialização, porque quando uma jovem dessas é mandada para o Recife, corre um grave risco de colocar essas menores ao lado de pessoas com uma delinquência muito mais elevada, e aí voltarem pior do que chegaram”, argumentou o parlamentar.

Odacy cobrou, ainda, medidas emergentes do Estado para pôr um fim nos casos de violência contra a mulher – o chamado feminicídio, citando dois casos que chocaram Pernambuco em abril: o assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella num condomínio em Boa Viagem, bairro nobre do Recife, e da idosa Abenigna Lúcia, em Petrolina. Em ambos os casos, os vizinhos  das vítimas foram acusados pelos crimes. (foto: Ascom Alepe)

Deputado negro apresenta voto de protesto na Alepe contra declarações de Bolsonaro sobre quilombolas

Frases proferidas pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) durante palestra no Rio de Janeiro mereceram voto de protesto, a ser apresentado pela Comissão de Cidadania,  a pedido do deputado Bispo Ossesio Silva (PRB). Em discurso na tribuna da Alepe nesta terça (11), Silva repudiou a postura do congressista, classificando suas declarações a respeito da comunidade quilombola como “desastrosas e infelizes”. Na semana passada, em evento organizado em clube da comunidade judaica na capital fluminense, Jair Bolsonaro afirmou: “Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve de lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais”.

Ossesio Silva lembrou que o autor das afirmações contou com mais de 300 mil votos, na última eleição, em um Estado onde a maioria da população é negra. “Esse infeliz deputado, que será candidato a presidente e não será eleito, conseguiu ofender a todos os seus eleitores em uma única frase”, declarou Ossessio.

Para o deputado estadual, as manifestações do congressista ridicularizaram a população negra e as comunidades quilombolas. “Pessoas que passaram a vida sendo perseguidas e excluídas da sociedade, com quem o Brasil tem uma dívida histórica e impagável, jamais poderiam ser comparadas à condição de animais”, afirmou.

Presidente da Comissão de Cidadania, Edilson Silva (PSOL) se somou ao posicionamento do parlamentar do PRB. “Contamos com a anuência de todos os colegas para aprovarmos esse Voto de Protesto contra aquela postura, que trata os negros como se fossem animais, que tivessem de ser valorados pela capacidade de procriar”, registrou. (foto: Alepe/divulgação)

Deputada cobra medidas para segurança no Sertão pernambucano

A política de segurança pública do Governo do Estado para as cidades do Sertão foi criticada pela deputada estadual Socorro Pimentel (PSL) durante sessão plenária desta terça (4) na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). Segundo a parlamentar, falta estrutura e pessoal para delegacias e para o policiamento ostensivo nesses municípios.

“O governo parece ter esquecido o nosso Sertão. O número de policiais é absurdamente pequeno diante do território a ser protegido, e o trabalho deles ocorre em condições precárias”, opinou a deputada. “Cidades como Orocó e Lagoa Grande estão há três meses sem delegado, e postos de policiamento têm sido desativados”, exemplificou.

Segundo Socorro Pimentel, a consequência desse cenário se reflete nos dados da segurança pública da região. “No Sertão do Araripe, já tivemos 136 crimes contra o patrimônio, 318 furtos e 25 homicídios neste ano. Em Araripina, a criminalidade teve um aumento de 74% nos três primeiros meses de 2017”, relatou.

Estamos organizando audiências públicas nas Câmaras Municipais da região, para debater medidas que respeitem as características locais e que proporcionem mais segurança à população”, informou. (foto/divulgação Alepe)

 

Comissão de Agricultura da Alepe promove audiência pública sobre efeitos da transposição em reservatórios de Floresta

Os efeitos do Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf) na perenização do Riacho do Navio, em Floresta, sertão de Itaparica, foram discutidos em audiência pública, nesta terça (28), na Câmara de Vereadores do município. O encontro foi solicitado pelo presidente da Comissão de Agricultura, deputado Claudiano Martins Filho (PP). O deputado Rodrigo Novaes (PSD), que comandou o debate, destacou a necessidade de revitalização e modernização da barragem Barra do Juá para que seja receptora da barragem Muquém, também em Floresta. Sofrendo com a seca há seis anos, a população local denunciou não estar sendo beneficiada com a transposição do Velho Chico.

Vamos nos unir pra reivindicar que essa água possa ser usada pelo povo florestano. É preciso haver um volume que torne possível, ao menos, a pesca e a subsistência das pessoas da região”, alertou Novaes, que encomendou laudo técnico ao Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), para atestar a capacidade de funcionamento de Barra do Juá. Além de se comprometer a averiguar os reparos necessários para a barragem, o coordenador do Dnocs estadual, Marcos Rueda, sugeriu a ampliação do debate. “Que se convoque também o Ministério da Integração, a Codevasf e a Apac”, frisou.

Maria da Guia, vice-presidente da Associação dos Pescadores, relatou alguns problemas enfrentados por pessoas que só viviam da pesca: “Temos mais de 30 famílias sofrendo muito. Elas não têm condições de sair da Barra do Juá e pescar no São Francisco. Estão perdendo seus benefícios junto à Previdência porque estão há anos sem exercer as atividades”.

Ricardo Souza, coordenador do Conselho dos Usuários do Açude Barra do Juá, condenou a possibilidade de os moradores terem de arcar com a água que antes consumiam gratuitamente. Segundo ele, “90% dos produtores de Riacho do Navio são agricultores familiares. Eles deveriam ter algum tipo de concessão para não pagar nada”, pontuou.

Pagar água onde já se vive castigado com a seca é o pior crime que pode acontecer nesse momento”, completou o presidente da Câmara Municipal, o vereador Beto Souza. Sobre o assunto, o representante da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Sérgio Torres, explicou que o “município não tem água, tem terra”. “Se o rio percorre mais de um Estado, o curso d’água pertence à União. No caso de Pernambuco, a gestão vai ter que definir qual operador estadual fará a mediação entre os usuários e a esfera federal. A Compesa é um deles”, observou.

Rodrigo Novaes apoiou a ideia de criar uma tarifa social de irrigação para terrenos de até um hectare. “Vou levar a proposta ao Governo Federal”, enfatizou.

Ainda foi definido na audiência o prazo médio de oito meses para conclusão dos reparos na barragem, contados a partir de agosto deste ano, quando espera-se iniciar a requalificação da estrutura. Após a audiência pública, o deputado Rodrigo Novaes seguiu em comitiva para vistoriar a barragem Barra do Juá.

Projeto da Transposição 

Considerado o maior empreendimento hídrico do País, o Projeto de Integração do Rio São Francisco pretende beneficiar 12 milhões de brasileiros. A construção, que recebeu o investimento de R$ 9,6 bilhões, terá 477 quilômetros de extensão e vai abastecer 390 cidades de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba.

 

Odacy Amorim condena agressão de policial a estudante em Itambé, durante reunião de Comissão na Alepe

Titular da Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da Assembleia Legislativa de Pernambuco – Alepe, o deputado estadual Odacy Amorim (PT-PE), participou nesta quarta (22), da reunião do colegiado que debateu o episódio envolvendo o jovem, Edvaldo da Silva Alves, 23 anos de idade, que ao protestar por mais segurança em Itambé na última sexta (17), foi ferido por uma bala de borracha, durante confronto com a polícia militar.

Odacy Amorim destacou a importância do trabalho da polícia e lembrou que a bancada de oposição é defensora de uma política de segurança pública que possa dar às condições de trabalho a polícia bem como, uma remuneração justa e atividades decentes em defesa dos cidadãos. Ao comentar o vídeo do ato que feriu Edvaldo da Silva, o parlamentar lamentou profundamente o episódio e lembrou que segundo os manifestantes, o protesto era para chamar a atenção do Governo, sobre um assalto que ocorreu em um transporte escolar, ocasião em que cerca de 50 jovens foram assaltados e levados para um canavial pelos bandidos.

O deputado considerou o confronto uma “insanidade”. Para Odacy, a bala de borracha que atingiu a queima roupa a veia do jovem, poderia acertar outra parte do corpo. “Eles queriam desocupar a pista e poderiam ter pedido reforço para dialogar com a população e esperar já que eles não tinham força suficiente para tirar aquela multidão da pista. A Constituição garante o direito das pessoas protestarem e ninguém tem o direito, como autoridade constituída, de agir daquela forma”, lembrou o deputado Odacy Amorim.

Dos encaminhamentos da reunião, a Comissão de Cidadania da Assembleia preparou um documento pedindo esclarecimentos a Policia Civil bem como respostas da Secretária de Defesa Social sobre as questões. Participaram também da reunião na Alepe, Maria Sebastiana e José Roberto da Silva, respectivamente mãe e irmão do jovem, que está internado em estado grave no Hospital Miguel Arraes, em Paulista, Região Metropolitana do Recife. (Foto: Ascom)

Deputada sertaneja vai à tribuna da Alepe reforçar críticas à política de segurança pública do estado

A política de segurança pública de Pernambuco recebeu críticas da deputada Socorro Pimentel (PSL), em discurso no Pequeno Expediente desta segunda (20). A parlamentar, que comparou os números da violência do Estado com os registrados no conflito entre Israel e Palestina, alegou que a situação pernambucana é típica de uma guerra.

Socorro lembrou que Pernambuco registrou, apenas nos dois primeiros meses de 2017, 977 homicídios. Além de superar os 196 mortos verificados em todo o ano de 2015 no conflito internacional, a marca é 47,7 % maior que a registrada pelo Estado no mesmo período do ano passado. “Estamos falando de uma política de segurança falida, destroçada por interesses e falhas de gestão”, apontou.

Segundo a deputada, como resultados, a sociedade vem observando o aumento da violência nas mais diferentes áreas. Ela citou a insegurança sentida por passageiros do transporte público, o aumento nos assaltos a agências bancárias e os índices de estupro verificados no Estado. “O povo está cansado de tantos números negativos e do abandono. As falhas indicam muito mais incompetência do Governo do que insuficiência técnica”, concluiu. (Foto: Alepe-divulgação)

 

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br