Workshop debateu novas normas e técnicas de produção e comercialização de frutas para a região

Um encontro para debater a melhor fora para agilizar a produção e comercialização de frutas. O tema foi pautado no I Workshop sobre Critérios Técnicos, Comerciais e Legislativos na Produção e Comercialização de Frutas, ocorrido na terça, 7,  no Nobile Suites Del Rio Petrolina. O evento foi realizado por meio da parceria da Adagro – Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco e a Argofruta Comercial Exportadora LTDA.

 O objetivo do Workshop foi conscientizar e orientar os produtores que comercializam suas frutas com através da Argofruta para praticarem as melhores técnicas de produção e comercialização, visando a qualificação dos seus frutos nos aspectos de saudabilidade,  segurança alimentar, sabor e sustentabilidade, atendendo as exigências de toda a legislação vigente.

Os temas em destaque foram: Demandas Nacionais e Internacionais de Consumo de Frutas-Cenários e Tendência; Certificação Fitossanitária. Nathalia Laranjeira; Uso dos Agrotóxicos na Produção de Frutas-Segurança Alimentar e Preservação Ambiental. Artur Gonçalves; Importância do Atendimento aos Critérios Técnicos, Comerciais e Legislativos na Comercialização de Frutas. Antonio Feitosa.

Para os participantes, o evento reuniu informações importantes e necessárias como normas e leis vigentes para a produção e comercialização de frutas, como também orientou sobre as exigências do mercado nacional e internacional de frutas no cenário atual e futuro.

Vacinação contra a febre aftosa em Pernambuco fica acima da meta do Ministério da Agricultura

A Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) alcançou 94,4% de cobertura, na segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, realizada no mês de novembro do ano passado. O percentual é acima do mínimo de 90% exigido pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Nessa segunda fase foram imunizados 1.787.661 bovídeos, de um rebanho correspondente a 1.893.393 animais. “Intensificamos a orientação sobre a importância da vacinação para a pecuária pernambucana e esse trabalho tem proporcionado resultados satisfatórios, sempre superiores ao percentual recomendado pelo MAPA”, explicou o secretário de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota.

Pernambuco é reconhecido internacionalmente como área livre de febre aftosa com vacinação desde 2014.  “Os dados comprovam que os produtores estão comprometidos com a sanidade animal do nosso Estado, imunizando seu rebanho e declarando nos escritórios da Adagro“, pontuou a presidente da Adagro, Erivânia Camelo.

A Campanha é realizada duas vezes por ano, nos meses de maio e novembro, em quase todos os estados da federação, como determina o calendário anual do Ministério da Agricultura. A febre aftosa é uma doença altamente contagiosa, que atinge bois, búfalos, cabras, ovelhas e porcos, mas apenas os bovinos e bubalinos podem ser vacinados. O vírus causa febre, ferimentos na boca, garganta e na pele ao redor dos cascos. Os animais ficam bastante debilitados, produzindo muita saliva, parando de andar e comer. (fonte: Ascom SARA/foto arquivo divulgação)

Segunda etapa de vacinação contra febre aftosa em Pernambuco começará na próxima semana

vacinacao-febre-aftosa-adagroA segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa irá acontecer de 1º a 30 de novembro no Estado de Pernambuco. Todo o rebanho bovino e bubalino deve ser imunizado. Mesmo com o estatus de área livre da aftosa, autoridades sanitárias do Estado alertam que é preciso continuar protegendo os animais da doença. A Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado (Adagro) espera imunizar mais de 90% do rebanho, que hoje é de cerca de 1,9 milhões de animais.

Em Pernambuco, mais de 99 mil produtores rurais são obrigados a adquirir a vacina nas casas agropecuárias e declarar nos escritórios da Adagro a vacinação. O criador que não vacina fica impedido de tirar a Guia de Trânsito Animal (GTA) e não pode se cadastrar em programas do governo estadual, além de pagar multa de no mínimo R$ 60,00.

A vacina só é eficaz se conservada no gelo. Para evitar o estresse dos animais, é recomendada a aplicação nas horas mais frias do dia, pela manhã ou no fim da tarde. Os animais recém-nascidos também devem ser imunizados. (foto/divulgação)

Fiscalização da Adagro apreende no Ceasa do Recife pimentões do Ceará com excesso de agrotóxicos

pimentoes-agrotoxicos

Uma fiscalização realizada por técnicos da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco, na terça-feira (12), no Ceasa do Recife, resultou na apreensão de quase 18 quilos de pimentão com presença de agrotóxicos não autorizados para a cultura.

Segundo a assessoria do órgão estadual, os laudos laboratoriais apontaram a presença da substância identificada por acefato. No Brasil, a utilização desse produto é permitida na aplicação foliar das culturas de algodão, amendoim, batata, citros, feijão, melão, soja e tomate rasteiro (com fins industriais), e no tratamento de sementes de algodão e feijão destinados ao plantio.

O trabalho foi resultado de um convênio existente entre Adagro e Ceasa, pela qual mensalmente são coletadas 15 amostras de hortifrutigranjeiros para análise da presença de resíduos de agrotóxicos nos produtos comercializados no Centro. “Esse convênio existe desde 2008 e permite que a população consuma produtos que são fiscalizados quanto ao uso excessivo ou indevido de agrotóxicos. Alguns fornecedores já foram, inclusive, proibidos de vender seus produtos no Ceasa”, explicou o chefe da Unidade Estadual de Inspeção Vegetal, Silvio Varejão.

Os pimentões, originários do Ceará, foram apreendidos e incinerados, tanto no distribuidor quanto nos mercados que revendiam os produtos. O comerciante que trouxe o pimentão daquele Estado está impedido de vender seus produtos no Ceasa até que novas análises comprovem estar isento de resíduos. O distribuidor e os supermercados também foram autuados pelos fiscais da Adagro. (foto/divulgação)

Adagro apreende quase uma tonelada de agrotóxicos irregulares na Zona da Mata de Pernambuco

agrotóxicos

Uma equipe técnica da Unidade Estadual de Inspeção Vegetal da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) apreendeu na manhã de ontem (7) cerca de uma tonelada de agrotóxicos irregulares no distrito de Borracha, zona rural de Vicência, na Zona da Mata do estado.

A apreensão foi feita numa fazenda que estava realizando pulverização aérea em plantios de banana, de forma clandestina. O helicóptero utilizado não tinha a identificação dos órgãos oficiais responsáveis pela liberação da atividade. A aeronave estava em voo, e quando percebeu a presença da fiscalização evadiu-se do local.

Na ocasião os fiscais informaram ao proprietário todas exigências necessárias para a realização daquele tipo de pulverização e apontaram os riscos ambientais, além do perigo da exposição das populações circunvizinhas aos produtos aplicados. Os funcionários da Adagro ainda alertaram para a possibilidade de acidentes, já que não havia comprovação da capacidade técnica do piloto.

Segundo a assessoria do órgão estadual, os agrotóxicos apreendidos no local não tinham receituário agronômico e nem nota fiscal. É a segunda vez, este ano, que a Adagro vai à propriedade pelo mesmo motivo. (foto: Ascom Adagro/divulgação)

Adagro e Vigilância Sanitária devem fiscalizar comércio e transporte de carne em Petrolina, diz MPPE

carne feira areia brancaDepois de toda a celeuma em torno do fechamento do Matadouro Público de Petrolina e da falta do Selo de Inspeção Federal (SIF) por parte da empresa de Juazeiro (BA) que recebia os animais da cidade pernambucana para serem abatidos, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) tomou uma decisão para garantir o cumprimento do programa ‘Carne de Primeira’ em Petrolina. Segundo recomendação do órgão, Agência Municipal de Vigilância Sanitária (AMVS) e a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) deverão manter – de forma permanente – em conjunto ou separadamente, fiscalização da comercialização e transporte de carnes nos entrepostos instalados nas feiras do município de Petrolina.

A AMVS e a Adagro deverão, ainda, adotar as medidas necessárias para regularizar o transporte, a comercialização e o armazenamento de carnes, no tocante à refrigeração, condições sanitárias e de higiene. Também é dever da Adagro e da Vigilância Sanitária a fiscalização nas barreiras sanitárias fixas e móveis, procedendo à apreensão de produtos sem registro ou acondicionados de forma irregular.

O MPPE recomendou ainda a emissão periódica de relatórios das fiscalizações, que deverão ser encaminhados ao órgão ministerial.

De acordo com a promotora de Justiça Ana Cláudia de Sena Carvalho, conforme prevê a Lei Estadual nº 12.506/2003, cabe à Adagro a fiscalização da entrada, trânsito e comércio de produtos de origem animal e vegetal e a inspeção das pessoas físicas e jurídicas que manipulem, produzam, beneficiem, classifiquem, armazenem, transportem ou comercializem produtos e derivados agropecuários e insumos do setor primário.

Já no caso da AMVS, a Lei Municipal nº 14/2012 prevê que esta deve inspecionar a produção industrial e sanitária dos produtos de origem animal e vegetal no município de Petrolina, seja em estabelecimentos industriais, entrepostos, fábricas de laticínios, entre outros.

Segundo a representante do MPPE, também cabe às duas agências a aplicação de multas e outras sanções aos infratores das leis, decretos, portarias e normas de defesa sanitária animal.

Carne de Primeira

O programa foi instituído pelo Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça do Consumidor (Caop Consumidor) em junho de 2011, com a finalidade de regularizar o abate, transporte e comércio de carnes em Pernambuco. Em 2011, a Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro) informou que existiam 156 matadouros municipais no Estado, sendo 13 interditados, 114 sem condições de funcionamento e 25 que atendiam às condições para funcionamento com restrições.

Atualmente, um dos principais focos da atuação do MPPE é na fiscalização das condições de matadouros públicos municipais, com a interdição daqueles que não disponham das mínimas condições higiênico-sanitárias para funcionar.

Dentro da estratégia de atuação do Carne de Primeira também está prevista a indução de políticas públicas em prol da regionalização dos abatedouros. No início do Programa, existiam apenas dois abatedouros regionais no Estado: Paulista e São Lourenço da Mata. Hoje, existem mais cinco, em São José do Egito, Ribeirão, Escada, Itambé, Paudalho.

Até abril deste ano, o programa resultou em 74 comarcas atingidas, considerando as atuações das Promotorias de Justiça em todo o Estado de Pernambuco. Foram expedidas 37 recomendações a gestores municipais, com vistas à interdição ou adequação dos matadouros; e 31 Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) foram firmados, além de nove Ações Civis Públicas propostas.

Por solicitação do Caop Consumidor, a Secretaria de Agricultura de Reforma Agrária (SARA) realizou estudo dos matadouros públicos municipais com o objetivo de nortear uma estratégia de implementação dos abatedouros regionais em Pernambuco, tendo concluído que o modelo de gestão atual é equivocado. De acordo com o Diagnóstico dos Matadouros Públicos Municipais, o Governo do Estado deveria oportunizar uma gestão que não onerasse o orçamento público municipal e estadual, estabelecendo um novo modelo de gestão.

O diagnóstico atesta que o principal equívoco do modelo atual está na construção de matadouros ou abatedouros públicos, com recursos municipais, para serem explorados pela iniciativa privada. Desta forma, o Poder Público investe e o resultado é obtido por empresas privadas, na sua maioria, sem compromissos com a mitigação dos impactos negativos sobre os trabalhadores, população e meio ambiente, como já fora diagnosticado anteriormente pelo MPPE e por diversos profissionais do governo estadual. As informações são do MPPE.

Miguel alerta para riscos de consumo de carne clandestina em Petrolina e reforça presidente da Adagro: “Responsabilidade é do município”

miguel audiencia matadouro

Satisfeito com o resultado da audiência pública desta sexta-feira (6) na Casa Plínio Amorim, que reuniu um bom número de marchantes, comerciantes e feirantes para discutir o cenário do Matadouro de Petrolina, o deputado estadual Miguel Coelho (PSB) ratificou as palavras da presidente da Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro), Elivânia Almeida, em relação ao abate clandestino de animais.

Segundo Miguel, que propôs a audiência através da Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural da Assembleia Legislativa – da qual é presidente –, se os consumidores petrolinenses estão comendo carne de procedência duvidosa, a responsabilidade é da administração municipal.

“Dra.Elivânia fez um discurso duro ao dizer quer o estado não será conivente com nenhum tipo de ilegalidade. Se está tendo abate clandestino, a responsabilidade é da prefeitura porque existe uma lei municipal que instituiu o serviço municipal de inspeção, e a prefeitura deverá ser punida pela sua negligência”, frisou. O parlamentar adiantou, no entanto, que a Adagro deverá atuar em conjunto, nos próximos dias, para tentar ao menos diminuir esse problema.

Sobre a construção de um novo matadouro, o deputado admitiu que isso deve levar tempo porque não existe ainda um projeto de viabilidade econômica nem um local adequado para o equipamento. Mas a Adagro deverá fornecer em breve um projeto de reforma do atual matadouro (fechado desde fevereiro deste ano). “Vamos pedir a sensibilidade do governo municipal para fazer a reforma do matadouro”, afirmou. Outro ponto destacado pelo deputado é a logística de abate, feita atualmente em Juazeiro (BA) e criticada pelos marchantes devido ao custos que a atividade implica. Segundo Miguel, não se sabe ao certo quem paga os impostos e pode haver gente que nem nota fiscal está emitindo. “É outra ilegalidade que começa a ocorrer”, alertou.

Matadouro regional

A pauta de um matadouro regional também foi tratada durante o encontro. Miguel destacou que esse modelo deu certo em algumas regiões do estado, como o Sertão do Pajeú, e em outras não. Ele ressaltou que somente o estudo da Adagro vai dizer o que será melhor para Petrolina. Miguel disse que vai se mobilizar junto ao governo do estado, que tem uma linha de fomento de recursos para a implantação de câmaras de refrigeração para os marchantes. Ele assegurou ainda que irá, juntamente com os demais integrantes da bancada pernambucana na Assembleia e na Câmara Federal, levar esse pleito aos Ministérios da Agricultura e de Desenvolvimento Agrário. “Não adianta abrir o matadouro da forma como está. Seria pior do que deixar fechado. O que a gente espera é que num tempo muito rápido a gente possa ter uma solução, senão quem vai pagar é a população de Petrolina, que vai come carne clandestina, colocando em risco sua saúde”, finalizou. (foto/divulgação)

Mau exemplo que vem de onde não deveria

veículo adagro

Depois de um carro da Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro) ter sido visto estacionado de forma irregular na Orla de Petrolina, uma nova denúncia atinge o órgão estadual.

Um leitor do Blog flagrou outro veículo da Adagro numa área do Distrito Industrial, zona oeste da cidade, em atitude indevida. A qualidade da foto enviada não é das melhores, mas se pode perceber que o funcionário da Agência despeja resíduos no local, o que é proibido. “Qualquer cidadão mortal seria repreendido. E com a Adagro, o que vai acontecer?”, indaga o leitor.

Adagro finaliza sorologia da avicultura em Pernambuco

sorologiaDesde outubro a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro) vem realizando coletas de amostras nas granjas do Estado para compor o inquérito soroepidemilógico, que tem por finalidade verificar a circulação do vírus da Newcastle e da Influenza Aviária em todo os estados brasileiros.

A sorologia é uma das etapas do Sistema de Vigilância Brasileira para a avicultura e visa a habilitar o plantel avícola industrial do Brasil como livre dessas doenças, possibilitando a abertura de novos mercados que exigem a certificação de sanidade das aves.

 “Foram oito semanas de trabalho, 10 equipes e mais de 50 funcionários da Adagro envolvidos. Nos locais visitados foram coletadas 3.270 amostras de soro do sangue das aves e 1.308 suabes de traqueia e cloaca”, relatou a coordenadora do Inquérito e Chefe da Unidade Estadual de Defesa Animal, Elayne Gonçalves.

Ao todo foram visitadas 276 granjas, sendo 200 de corte, 56 de poedeira comercial, 14 de matrizes e seis de codornas. Todas as amostras coletadas foram enviadas ao Lanagro de Campinas (SP) – laboratório oficial responsável por analisar tais doenças. Pernambuco tem 882 granjas cadastradas e uma capacidade de alojamento para 25 milhões de aves.

Resultados

O estudo está sendo realizado em todo o território nacional e os resultados serão apresentados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A influenza aviária nunca foi detectada no Brasil, sendo considerada uma doença exótica em todo o território nacional, o que coloca o país em uma condição privilegiada perante grandes produtores mundiais.Já a doença de Newcastle foi registrada pela última vez no país em 2006, no estado do Rio Grande do Sul com focos isolados e em aves de fundo de quintal. A doença pode ser prevenida por meio de vacina. (fonte/foto: Ascom Adagro)

Depois do ‘dono da vaga, o ‘dono’ da orla

carro adagro orla

A falta de respeito às normas de trânsito em Petrolina vem até de quem deveria ser o primeiro a segui-las. É o caso do veículo acima.

Pertencente à Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro), o Fiat Uno encontra-se estacionado em plena pista de cooper da orla fluvial, no Centro da cidade. Se essa moda pega…

Criadores podem declarar vacinação contra febre aftosa até dia 15

adagroTermina na próxima segunda-feira (15) o prazo para os criadores declararem a vacinação do rebanho de bovinos contra a febre aftosa nos escritórios da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro).

Quem não declarar seu rebanho pagará multa de no mínimo R$ 60, além de ficar impedido de retirar a Guia de Trânsito Animal (GTA). A não declaração também acarretará na interdição da propriedade, ficando o produtor impedido de participar das linhas de crédito do governo, como por exemplo a compra do milho na Conab e empréstimos no Banco do Nordeste, pois para receber esses incentivos é necessário que o criador apresente uma declaração da Adagro.

A cobertura vacinal hoje é de 84% do rebanho, cerca de 18 mil produtores ainda não declaram seu rebanho. A maior defasagem encontra-se na Regional de Surubim, onde apenas 75% já declararam a vacinação.

Em Petrolina, o Centro Agropecuário da Adagro fica localizado na Avenida das Nações, s/n, próximo à rodoviária da cidade e funciona das 8h às 12h e das 14h às 22h.  Outras informações podem ser obtidas através do telefone (87) 3866.6523.

Pequenos produtores de Petrolina recebem gratuitamente produto químico para combater a mosca-das-frutas

Pequenos produtores de Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho, na zona rural de Petrolina, estão sendo recebendo gratuitamente um produto químico para combater a mosca-das-frutas. A distribuição está sendo feita pela Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro) até o próximo dia 16.

O produto tem como princípio ativo a espinosina e é utilizado como uma isca. A campanha “Dia de Campo” teve início na última segunda-feira (1º) e os agricultores que receberam o produto devem fazer seis aplicações nas áreas de manga, uma a cada semana.

O evento é mais uma ação do Plano Estadual de Combate às Moscas-das-frutas (PEC/MF), que já realizou esta atividade nos perímetros do Bebedouro e Maria Tereza. Entre outras ações do PEC estão a promoção de cursos para a capacitação de técnicos e produtores em controle da mosca-das-frutas, e a instalação de mais de 1000 armadilhas para monitoramento semanal da praga nos perímetros irrigados de Petrolina, uma área equivalente a 10 mil hectares.

O Dia de Campo conta com a parceria da Moscamed Brasil, Embrapa Semiárido, Codevasf, Distritos de irrigação dos perímetros de Bebedouro e Nilo Coelho, associação de produtores, entre outros.

Programação Total
Data Distrito/Núcleo Local Horário Nº. Participantes
01/jun Nilo Coelho – N4 Lote 138 – Sr. Arnaldo Barbosa 13:30 64
02/jun Nilo Coelho – N5 Lote 241 – Sr João (lote arrendado) 13:30 81
03/jun Nilo Coelho – N6 Lote 659 – Sr Coutinho 13:30 64
08/jun Nilo Coelho – N7 Lote 981 – Srª Carminha 13:30 57
09/jun Nilo Coelho – N8 Lote 1295- Sr Ernane 13:30 57
10/jun Nilo Coelho – N9 Lote 1184- Sr Enno Fuber 13:30 59
11/jun Nilo Coelho – N10 Lote 1411- Sr Leduar 13:30 70
15/jun Nilo Coelho – N11 Lote 861- Sr Vanildo 13:30 60
16/jun Nilo Coelho – N1 e N2 Lote 535 N1- Sr Gilberto Carvalho 13:30 87

Matadouro de Araripina é interditado pelo MPPE

Matadouro Araripina1

Matadouro Araripina

O Matadouro Municipal de Araripina, no sertão do Araripe, foi interditado na quarta-feira (10) pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A decisão baseou-se numa fiscalização realizada pela Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro), que constatou várias irregularidades, a exemplo da contaminação na água. O matadouro está situado às margens da PE-615, na vila Santa Isabel.

Outras irregularidades apontam para o piso defeituoso, ausência de cordão sanitário, ventilação e iluminação insatisfatórias e banheiros precários. Além disso os funcionários não são habilitados e não estão vestidos e equipados adequadamente para o abate dos animais. O documento destacou ainda a presença de crianças auxiliando na limpeza das vísceras.

O local, destinado ao abate de animais, bovinos, caprinos e suínos, é de responsabilidade da Prefeitura de Araripina. O Ministério proferiu a decisão liminar, que foi acatada pelo juiz João Ricardo, da 1ª Comarca do município, que pediu a interdição imediata do local.

O MPPE solicitou a apreensão de todos os animais encontrados no interior do matadouro e sua transferência para um local seguro e com condições adequadas. O município tem o prazo de cinco dias para comunicar ao órgão judicial a procedência e o local para onde os animais foram levados.

Caso a prefeitura descumpra a decisão, será aplicada uma multa diária no valor de R$ 1 mil. As atividades no local só poderão ser retomadas após reforma, de acordo com as recomendações da Adagro, e uma nova vistoria. (Fotos: Divulgação)

Preocupado com ameaça da mosca-da-fruta a exportações na região, Capellaro faz alerta

vilmar cappellaroCom a visita do governador de Pernambuco, João Lyra Neto, a Petrolina na última segunda-feira (8), para liberar R$ 2 milhões ao combate à mosca-da-fruta, o produtor e empresário do setor de fruticultura irrigada, Vilmar Capellaro, aproveitou para fazer um alerta sobre a situação o problema, que tem colaborado para diminuir as exportações de frutas no Vale do São Francisco.

“A situação está descontrolada. Com o alto índice de moscas-da-fruta, a produção e a comercialização das frutas estão em queda. Para termos uma ideia, em 2010, exportamos R$ 80 milhões. Em 2012, R$ 40 milhões. E agora em 2014, R$ 20 milhões. Nos últimos anos perdemos 5 mil hectares de uva e 10 mil hectares de manga”, revelou.

Cappellaro afirma que o auxilio do governo é resultado da união dos produtores, instituições de fiscalização e pesquisa da fruticultura irrigada na região. Além da sua empresa, que produz e comercializa frutas no Brasil e no exterior, Cappellaro integra a Câmara de Fruticultura e a Federação Nacional dos Técnicos Agrícolas.

“Nós procuramos o governo e relatamos a situação, e junto com Fernando Bezerra Coelho, ex-ministro da Integração Nacional, articulamos várias reuniões com o governador, que culminou no Plano de Emergência e assinatura do contrato“, relatou. Entre as medidas de combate, firmadas no convênio com Adagro e Moscammed, está a doação de inseticida orgânico para os produtores, o controle cultural e a educação sanitária. Outras medidas importantes são o monitoramento e o controle biológico por meio da Técnica do Inseto Estéril (TIE), realizadas pela Moscamed. Cappellaro, que concorre este ano a uma vaga na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), tem como uma de suas principais bandeiras a luta por investimentos ao setor.

Governador João Lyra Neto assina em Petrolina convênio de R$ 2 milhões para combater mosca-da-fruta

João Lyra

João Lyra1O governador de Pernambuco, João Lyra Neto, lançou na manhã desta segunda-feira (8), em Petrolina, o Plano Emergencial de Controle à Mosca-da-fruta. O gestor assinou junto à Moscamed, à Secretaria de Agricultura e à Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado (Adagro), um contrato de R$ 2 dois milhões que serão utilizados na execução do plano.

A solenidade aconteceu no auditório do Sest/Senat e contou com a presença do prefeito de Petrolina, Julio Lossio; o secretário estadual de Agricultura Aldo Santos e representantes da Agência de Defesa Agropecuária de Pernambuco (Adagro), além de produtores rurais e técnicos de órgãos de pesquisa da região.

Entre as medidas de combate, está a doação de inseticida orgânico para os produtores, o controle cultural e a educação sanitária. Outras medidas  importantes são o monitoramento e o controle biológico por meio da Técnica do Inseto Estéril (TIE), que serão realizadas pela Moscamed Brasil. (Fotos: Eduardo Braga/SEI-PE)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br