Cinzas de um dos pioneiros do Perímetro Bebedouro são jogadas no Rio São Francisco

Um dos pioneiros no Perímetro Bebedouro, zona rural de Petrolina, o técnico em irrigação Jesús Reyes Morquecho, mexicano de origem e que dedicou boa parte de sua vida à região, faleceu no último dia 18 aos 82 anos. O vínculo com a cidade onde morou foi tão forte que Dr.Morqueco (como era conhecido) queria, quando morresse, que suas cinzas fossem jogadas no Rio São Francisco. Ele foi atendido nesta quarta-feira (28).

O filho de Dr.Morcheco, Roberto Livera, esteve em Petrolina para realizar o último desejo do pai, que fez uma longa e respeitável carreira em sua área. Ele Começou seus trabalhos em 1968, quando o Bebedouro iniciou suas atividades. Na ocasião, o técnico era lotado no Ministério do Interior do Brasil, como engenheiro em irrigação do projeto executivo, atuando como contrapartida de pessoal da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), na elaboração e supervisão da construção e operação do Projeto Piloto do Bebedouro, na bacia do rio São Francisco, com sede em Recife. Também teve ampla participação na criação dos Projetos Senador Nilo Coelho, Tourão (em Juazeiro-BA), Jaíba (em Jaíba-MG), Marituba (em Aracaju-SE), entre outros.

Pela importância e serviços prestados por Dr.Morcheco à região ribeirinha, o atual titular da 3ª Superintendência Regional (SR) da Codevasf, Aurivalter Cordeiro, esteve presente na cerimônia para render homenagens ao técnico. “Os projetos públicos de irrigação traduzem a história da Codevasf. E o engenheiro Jesus Morquecho concentrou-se durante várias décadas a estudos, bem como a implantação destes projetos cuja se destacam como os projetos de irrigação públicos pioneiros não só no Nordeste como no Brasil”, disse.

Aurivalter destacou como o amor de Morquecho pelo Rio São Francisco fez dele um ribeirinho também. “Neste simples ato de espargir no Rio São Francisco as cinzas deste grande técnico, mexicano de nacionalidade, mas brasileiro de coração, estamos reconhecendo a importância dele para o Vale, pelos serviços prestados, como, principalmente, realizando o último desejo de um ser humano verdadeiro, com os seus sentimentos de homem público“, afirmou. (Foto/reprodução WhatsApp)

Confiram a cotação de preços do Mercado do Produtor de Juazeiro para esta terça-feira

Preços de frutas, legumes, verduras e cereais seguem oscilando no Mercado Produtor de Juazeiro (BA), quinto maior entreposto do Norte e Nordeste em volume e valor de negócios. Os valores mínimos desta terça-feira (27) de alguns produtos comercializados no entreposto são: abóbora comum (1 kg – R$0,80); beterraba, R$ 20,00 (saco com 20 kg); batatinha, R$60,00 (saco com 75 kg).

Já a maçã nacional sai por R$45,00 (caixa com 18 kg); mamão papaia  R$ 30,00 (caixa com 10 kg); uva Itália  R$ 50,00 (1 caixa com 20 kg); feijão verde R$5 (1 litro). A cotação completa, com todos os preços, pode ser conferida acessando aqui.

Confiram a cotação de preços do Mercado do Produtor de Juazeiro para esta segunda-feira

A cotação de preços dos produtos comercializados no Mercado Produtor de Juazeiro (BA) nesta segunda-feira (26) tem como destaque o crescimento nas vendas da abóbora, que está com a unidade vendida a R$ 0,80. A batatinha está cotada por R$ 1,44; a batata doce sai por R$ 35,00 o saco e o maxixe está por R$ 1,50 o quilo.

No caso das frutas, o abacaxi custa R$ 100,00 o cento, enquanto o limão está a R$ 20,00 (saco com com 30 kg); maçã: R$ 45,00 (caixa com 18 kg); mamão formosa, R$ 12,00 (caixa com 20 kg); uva, R$ 55,00 (caixa com 20 kg); e laranja, o cento, R$ 25,00.

A cotação completa, com todos os preços, pode ser conferida acessando aqui.

Seca volta a ameaçar agricultura irrigada no Vale do São Francisco

A seca voltou a ameaçar a agricultura irrigada no Vale do São Francisco, entre o Norte da Bahia e o Sertão de Pernambuco. Por conta da baixa no Lago de Sobradinho (norte baiano), os agricultores estão enfrentando dificuldades. A média de chuva na região gira em torno de 500 milímetros. Em 2017, foram só 140 milímetros. A estação regular das águas na região terminou em maio e só deve recomeçar no final do ano. Como a caatinga não se regenerou totalmente, os criadores já estão tendo dificuldade para alimentar seus rebanhos.

A grande preocupação é com água. A chuva foi tão pouca que os açudes e barreiros não encheram. A solução é comprar água de carro-pipa. Sobradinho também corre risco porque a temporada de chuva acabou e o reservatório só atingiu 15% da capacidade total. Na mesma época do ano passado, o reservatório estava com quase 27% da capacidade.

Até a metade de junho, entravam no lago 500 metros cúbicos (m³/s) de água por segundo e saíam 700 m³/s.  Agora, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em conjunto com a Agência Nacional de Águas (ANA) e os representantes dos usuários, decidiram reduzir a vazão para 600 m³/s. Novas medidas podem ser tomadas nos próximos meses.

Na semana passada foi inciada a proibição da captação de água no Rio São Francisco todas às quartas-feiras, para qualquer fim que não seja o abastecimento humano e de animais. A determinação vale até 30 de novembro.  Quem precisa da água de Sobradinho vive dias de muita apreensão e teme que o fornecimento de água seja racionado.

Volume morto

Ainda vale frisar que mais de 70% da água do Rio São Francisco vêm da região do Cerrado, principalmente de Minas Gerais, onde já começou o período normal de estiagem. Com tantas pessoas usando a mesma água, o Lago de Sobradinho pode assumir seu volume morto entre setembro e outubro, o que dificulta a captação do sistema. (fonte/foto: Globo Rural)

Comércio de produtos tradicionais da culinária junina segue aquecido no Mercado do Produtor de Juazeiro

A um dia do São João, o comércio de produtos tradicionais da culinária junina segue aquecido no Mercado do Produtor de Juazeiro (BA). A saca com 100 espigas de milho pode ser encontrada entre R$ 30 e R$ 35. Outro destaque de vendas neste período é o coco seco e o amendoim, também usados nas receitas juninas. A expectativa dos permissionários é de que até o final do São João as vendas cresçam em relação ao ano passado, fechando o período com bom lucro.

Segundo dados do Setor de Estatísticas do Mercado do Produtor, em 2016 foram comercializados cerca de R$ 360 mil em milho; já o amendoim teve uma venda de R$ 732 mil ao ano. A previsão da Autarquia Municipal de Abastecimento (AMA) é de que o entreposto venda nesse período mais de 70% desses produtos típicos. Os alimentos mais consumidos neste período do ano também são encontrados nos mercados centrais e feiras livres de Juazeiro. A direção da AMA destaca que os produtos podem ser encontrados com preço abaixo dos mercados tradicionais.

O Mercado do Produtor comercializa anualmente cerca de R$ 800 milhões e é considerado o primeiro entreposto da agricultura irrigada e familiar do Norte/Nordeste, e o quinto maior em volume de vendas do Brasil. (Foto/divulgação)

Secretário José Batista e representante da Valexport discutem parcerias para agricultura irrigada

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Agrário, José Batista da Gama, reuniu-se em seu gabinete, no dia de ontem (21), com o gerente executivo da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), Tássio Lustosa Silva Gomes. Na pauta, a atualização de dados sobre a fruticultura irrigada e questões referentes ao agronegócio da região.

O encontro também teve o objetivo de trocar experiências e firmar parcerias em projetos, a exemplo da ativação de leilões eletrônicos de frutas para permitir o escoamento e a comercialização da produção interna dos agricultores, como também a realização da Fenagri em Petrolina. “Primeiramente agradeço o convite do secretário José Batista e quero dizer que a Valexport está à disposição para contribuir no que for preciso”, adiantou Tássio.

Vamos começar a nos articular junto aos produtores e atacadistas para que tudo se torne realidade, pois essa é uma forma de aquecer o mercado interno dando oportunidade principalmente, ao pequeno produtor“, comentou José Batista. Na ocasião, também estiveram presentes o diretor-presidente da Agência do Empreendedor (AGE), Sebastião Amorim, e o secretário executivo de Indústria e Comércio de Petrolina, Luca Ballalai. (Fonte/foto: Ascom PMP)

Paulo Câmara libera emenda de Odacy para tratamento de água nas agrovilas

Em meio aos rumores de uma aproximação política entre PSB e PT, o deputado estadual petista Odacy Amorim vem fazendo sua parte. Ele foi uma das autoridades a prestigiar o governador Paulo Câmara, na visita administrativa do socialista à cidade, na última segunda-feira (19).

Paulo assinou um convênio para o saneamento da área central de Petrolina no valor de R$ 5 milhões e teve um suporte de Odacy, que ajudou com emenda parlamentar, a qual é destinada ao tratamento da água nas agrovilas dos perímetros irrigados. A ação faz parte do plano de metas e investimentos da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), que faz tratativas com a atual gestão municipal para atuar com mais eficácia setor de água e esgoto da cidade.

Quando governou Petrolina, entre 2007 e 2008, Odacy já tinha feito um acordo com a Compesa nesse sentido. No caso do convênio do saneamento, a obra será realizada em parceria com a 3ª Superintendência Regional (SR) da Codevasf. O deputado ainda emplacou mais uma emenda referente à aquisição de equipamentos para realizar hemodinâmica no Hospital Universitário, outra para aquisição de livros à biblioteca da Universidade de Pernambuco (UPE) e duas destinadas à perfuração de poços em comunidades do interior petrolinense. (Foto/assessoria divulgação)

ANA antecipa providências para evitar o pior no Lago de Sobradinho

O cenário hídrico do Rio São Francisco, que no ano passado já tinha tirado o sono dos fruticultores da região, caminha para ser ainda mais crítico em 2017. Para evitar que isso aconteça, a Agência Nacional das Águas (ANA) quer antecipar as providências. Por meio de nota da assessoria de comunicação, o órgão adotará uma medida, batizada de ” Dia do Rio”, que vai ser aplicada para todos os usos, menos para consumo humano e dessedentação animal.

O objetivo é preservar o estoque de água armazenado nos reservatórios e evitar que Sobradinho alcance o ‘volume morto’ antes do início do período chuvoso, em dezembro. Conforme nota emitida anteriormente, a própria agência trabalha com um possível cenário de que Sobradinho chegue ao volume morto (quando não é possível a geração de energia a partir do uso da barragem) ainda em agosto deste ano. A medida inclui retiradas para todos os usos, dos perímetros de irrigação, mesmo que sejam oriundas de volumes de água reservados previamente.

As restrições ao uso das águas do São Francisco vão vigorar a partir da próxima quarta-feira (21) e até 30 de novembro, quando se espera a chegada das chuvas ao longo da bacia. A regra vale para aquelas captações que ainda não estejam submetidas a regras mais restritivas de uso, e caso não haja uma melhoria significativa nos níveis de água dos reservatórios do São Francisco, as restrições serão prorrogadas.

Essa situação acendeu o alerta vermelho para os empresários que lidam com projetos de irrigação na Bahia. Na região Oeste, onde 60% da produção de grãos está concentrada, os 1.200 pivôs, que irrigam 130 mil hectares de área plantada, poderão sofrer impactos ainda mais severos, com a prolongada seca na região. Isso porque é da região os únicos afluentes perenes do Rio São Francisco na Bahia: Corrente, Carinhanha e Grande.

Conforme explicou o diretor de Águas da Associação dos Irrigantes da Bahia (AIBA), José Isino, existe o risco de que as captações nesses três rios também sejam suspensas, como forma de garantir o fornecimento de água para a calha do Velho Chico. “Por enquanto é uma decisão que cabe apenas ao rio de Domínio da União, o São Francisco, mas pode valer para toda a bacia, o que afetaria os rios baianos que são seus afluentes”, disse.

José Isino explica ainda que há o temor de um agravamento da seca ao longo da Bacia do Rio São Francisco, já que as próximas chuvas só são aguardadas ao final de novembro. “Nós fomos alertados pela ANA, em uma reunião ocorrida em Recife (PE), de que esse volume zero pode ser antecipado para agosto, já que a vazão (saída de água) da Barragem de Sobradinho tem sido maior que a afluência (chegada) do lago”, adverte.

No próximo dia 6 de julho, em Barreiras, empresários irrigantes vão se reunir para discutir a gravidade da situação. No Oeste, os irrigantes contam com a captação de água para irrigação com as águas dos Rios Grande e Preto, nas cidades de Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério, Formosa do Rio Preto, Barra e Santa Rita de Cássia, e em Correntina, Santa Maria da Vitória e São Felix do Coribe, com os rios Correntina e Carinhanha, que fazem parte da Bacia Hidrográfica do São Francisco, além de projetos que captam água diretamente do São Francisco, em Bom Jesus da Lapa, Sítio do Mato e Paratinga.

Vazão reduzida

Para tentar evitar que o Lago de Sobradinho chegue ao volume morto antes da chegada do período das chuvas, a ANA já reduziu a sua vazão de água em mais de 50%, do final do ano passado até agora. O lago funciona como uma grande caixa d‘água, onde são armazenadas toda a água que segue em direção aos complexos hidrelétricos de Itaparica, Paulo Afonso e Xingó, de onde saem mais der 60% de toda a energia que abastece a Região Nordeste.

Atualmente chega ao lago um volume médio de 500 metros cúbicos de água por segundo, e sai pelos vertedouros 600 m³/s (metros cúbicos por segundo), gerando um déficit de 100 m³ de água a cada segundo. No último dia 11 o lago estava com 12,92% do seu volume útil. Na terça-feira esse volume tinha caído para 12,86%. No mesmo período do ano passado o Lago de Sobradinho estava com 22,70% do seu volume útil de água.

Desde o início do mês, a vazão média diária de defluência, autorizada pela ANA, nos reservatórios de Sobradinho e Xingó é da ordem de 600 m³/s, o menor patamar já praticado. Em 11 de junho, o volume equivalente dos reservatórios (Três Marias, Sobradinho e Itaparica) era 18,6%. Na mesma época do ano passado, o volume útil equivalente armazenado era 29,21%. (Fonte: Tribuna da Bahia/foto arquivo reprodução)

Petrolina e Juazeiro receberão, em 2021, 17ª edição do Simpósio de Controle Biológico

As cidades de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE) deverão receber, em 2021, a 17ª edição do Simpósio de Controle Biológico (Siconbiol). A proposta foi aprovada por unanimidade em assembleia da Sociedade Entomológica do Brasil (SEB), ocorrida no último dia 6 de junho, em Ribeirão Preto (SP), durante a 15ª edição do Simpósio.

A proposta foi apresentada pelo pesquisador da Embrapa Semiárido, Tiago Costa Lima, e foi construída com a participação de pesquisadores e professores da Embrapa Semiárido, Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano (IF Sertão-PE), Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e Moscamed.

O próximo passo, antes da confirmação da realização, será protocolar a proposta na assembleia ordinária de 2018, que deve ocorrer durante o Congresso Brasileiro de Entomologia, em Gramado (RS).

Criado há 26 anos por iniciativa de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJO), o Simpósio de Controle Biológico teve sua primeira edição em 1988, no Rio de Janeiro, e desde então vem se firmando como um dos mais importantes fóruns da área. O evento reúne, a cada dois anos, entre 500 e 700 pesquisadores e estudantes com o objetivo de discutir os avanços no conhecimento científico sobre controle biológico e no desenvolvimento e aplicação de tecnologias advindas da pesquisa apropriadas para o manejo de populações de insetos, ervas daninhas e outras pragas de interesse para a agricultura e para a saúde pública. As informações são da Embrapa Semiárido. (Foto/reprodução)

Autorizada venda de milho para os municípios de São José do Egito e Floresta

Assim como em Petrolina, já foi autorizado o início da venda de milho em outros municípios pernambucanos. Em São José do Egito (Sertão do Pajeú) e Floresta (Itaparica) os produtores já podem adquirir o grão. O anúncio foi feito nesta semana em Petrolina, pelo ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou para este ano a liberação de 250 mil toneladas do produto para o Programa Vendas em Balcão, das quais 200 mil toneladas serão destinadas aos estados nordestinos, em virtude da estiagem prolongada. Trinta mil toneladas de milho serão distribuídos  em Pernambuco, por cerca da metade do valor de mercado.

Produtores rurais de Petrolina têm 8 mil toneladas de milho garantidas até final do ano

Produtores rurais de Petrolina têm a garantia de 8 mil toneladas de milho até o final deste ano. O grão é subsidiado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)/ Governo Federal e vendido “em balcão” ao preço de R$ 35,00 (saca de 60 quilos).

Na cidade já estão depositadas cerca de 100 toneladas do milho destinado a mais de 400 agricultores. O material começou a ser entregue ontem (13) por cerca de metade do valor de mercado para amenizar os efeitos da estiagem prolongada.

Miguel e ministro da Agricultura em exercício assinarão em Petrolina convênios para reforma do matadouro, distribuição de milho e compra de maquinário

Ao contrário do que foi informado, não será o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, quem virá a Petrolina nesta terça-feira (13), e sim o interino, Eumar Novacki, uma vez que Maggi encontra-se em viagem. Novacki será recebido pelo prefeito Miguel Coelho para anunciar um pacote de ações destinado ao fortalecimento da produção rural no município. Serão assinados convênios para a reforma do matadouro, fornecimento de 2 mil toneladas de milho aos agricultores da cidade, além da compra de máquinas para limpeza de barragens e manutenção de estradas.

A assinatura para liberação dos recursos ocorrerá às 11h30, no prédio do matadouro público, no bairro do Jatobá. Antes disso, às 10h, o ministro visitará o Porto de Petrolina, onde fará a entrega simbólica do milho aos produtores. A prefeitura entrará com uma contrapartida de R$ de 150 mil na logística (carrego e descarrego) desse material. O milho já começa a ser distribuído durante esta semana em especial nas comunidades mais afetadas pela longa estiagem dos últimos anos.

Ao todo, o convênio disponibilizará R$ 2,2 milhões para o pacote de ações. Desse total, R$ 1 milhão será para reforma completa do matadouro público, que foi desativado em 2015. Serão recuperados equipamentos como câmara fria e caldeira. Ainda estão previstas a reforma dos currais, melhoria nas lagoas de estabilização, pintura completa, recuperação da parte hidráulica e elétrica e manutenção do bloco administrativo. As obras devem começar em setembro, após a conclusão do processo licitatório. (Foto: UOL/reprodução)

 

 

 

Embrapa Semiárido tem seis projetos aprovados destinados a estudos em agricultura dependente de chuva

Seis propostas submetidas pela Embrapa Semiárido, em Petrolina, foram aprovadas nas chamadas 04/2016 e 05/2016 do Sistema Embrapa de Gestão (SEG). As novas pesquisas serão voltadas especialmente para a agricultura dependente de chuva, envolvendo culturas como o guandu e feijão caupi, a produção de palma (foto), além de trabalhos com agroecologia.

Os arranjos e portfólios são instrumentos de apoio gerencial utilizados pela Embrapa para a organização dos seus projetos de Pesquisa e Desenvolvimento, Transferência de Tecnologia, Comunicação e Desenvolvimento Institucional. Os portfólios se apresentam em uma ótica corporativa, com o objetivo de encontrar soluções para demandas nacionais, institucionais ou de governo. Já os arranjos são voltados para demandas regionais, de biomas ou de cadeias produtivos.

Todos os projetos que compõem os arranjos e portfólios são gerenciados através do Sistema Embrapa de Gestão (SEG), que promove uma visão sistêmica, integrada e transparente das ações da Empresa. O sistema dá suporte ao ciclo completo da gestão dos projetos de pesquisa que compõem a programação da Embrapa, o que inclui planejamento, execução, acompanhamento, avaliação, realimentação e liberação de recursos financeiros. Todas as propostas aprovadas podem ser conferidas no link: Propostas Aprovadas. (Foto: Fernanda Birolo/divulgação)

 

Ausências criticadas

Ainda dá o que falar a audiência pública realizada ontem (9) na Casa Plínio Amorim, que debateu o funcionamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em Petrolina. Ou, pelo visto, o que está se falando mesmo é sobre a falta de debate. Pelo menos foi o que deixou transparecer a presidente do Sindicato dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais (Sintraf), Isália Damasceno.

Visivelmente chateada, ela não poupou de críticas à ausência da maioria dos vereadores, bem como de representantes do Poder Executivo à audiência.

Dos convidados, apenas seis vereadores efetivaram presença na Casa Plínio Amorim. Mesmo assim, metade deles foi embora antes do final da audiência. (Foto/divulgação)

Produtores de banana do Norte da BA recebem orientações técnicas para aumentar potencial

Durante esta segunda (5) e terça-feira (6), cerca de 50 produtores de banana do Perímetro Irrigado do Vaza Barris (PIVB), localizado no município de Canudos (norte baiano), participaram de palestras promovidas pelo Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf), em parceria com a empresa SQM Vitas. A ação teve o objetivo de orientar os agricultores do PIVB, área com mais de três mil hectares de banana implantada, sobre nutrição e tratos culturais da banana. Além das palestras, Alfredo Ferreira, engenheiro agrônomo da SQM Vitas, realizou visita de campo no perímetro para avaliar as condições das plantações, atendendo a cerca de 80 produtores.

Alfredo Ferreira salientou a importância dos produtores investirem em um sistema de irrigação mais adequado ao plantio. “Vimos que a região de Vaza Barris tem um grande potencial de melhorar as condições do cultivo da banana, que é a principal cultura plantada hoje na região. Aqui os produtores têm um costume antigo de produzir com o sistema de irrigação por inundação, o que traz uma alta salinidade ao solo, aumentando os teores de sódio e fazendo com que a banana perca em produção e qualidade. Os produtores têm que investir em drenagem, em tratos culturais, preparação de solo e em assistência técnica”, destacou o engenheiro.

Para o prefeito de Canudos e Presidente do Constesf, Genário Rabelo, a visita técnica supriu uma necessidade dos produtores. “Essa é uma região que não recebe assistência técnica, então esta visita técnica é uma ação importantíssima e que chegou no momento ideal para que a gente possa agregar valor, dando mais qualidade a nossa banana. Por isso, agradeço à SQM Vitas, pela dedicação, empenho e sensibilidade em atender a necessidade dos agricultores de Vaza Barris, e ao diretor de projetos do Constesf, Frank Chaves, que encabeçou essa ação e já está agendando novas palestras sobre irrigação e drenagem”, informou. (foto/divulgação)

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br