Morre humorista Roberto Bolaños, o ‘Chaves’

1

chavesDono de frases antológicas como “ninguém tem paciência comigo” e “não contavam com a minha astúcia”, que marcaram gerações de fãs em toda a América Latina, Roberto Gómez Bolaños, criador dos seriados “Chaves” e “Chapolin”, morreu nesta sexta-feira (28) aos 85 anos. Bolaños foi humorista, escritor, ator, produtor de cinema, televisão e teatro.

A causa da morte, ocorrida às 14h30 (horário do México) em casa em Cancún, não foi confirmada. Em fevereiro deste ano, quando Roberto Bolaños completou 85 anos, um parente confirmou à agência de notícias Efe que a saúde dele era “frágil” e que ele permanecia quase o tempo todo na cama, com acompanhamento 24 horas por dia.

Segundo a CNN mexicana, o ator Edgar Vivar, que interpretou o Senhor Barriga, disse que o corpo do comediante será levado à Cidade do México, onde será velado.

A última mensagem divulgada pelo perfil oficial de Bolaños no Twitter foi: “Todo meu amor para o Brasil”. Ele escreveu em resposta a uma fã brasileira no microblog.

Pelo mundo

“Chaves” foi o programa mais visto da televisão mexicana e foi dublado em 50 idiomas, segundo a Televisa.

Além disso, Bolaños escreveu roteiros de 50 filmes no México e atuou em 11. No Twitter, ele tinha mais 6 milhões de seguidores.

Trajetória

Roberto Bolaños tirou seu apelido do dramaturgo William Shakespeare, cujo diminutivo em espanhol era “Chespirito”. Há alguns anos, ele se mudou para Cancún, no México, junto com a mulher Florinda Meza, a Dona Florinda da série.

Bolaños nasceu na Cidade do México em 21 de fevereiro de 1929. Estudou engenharia, mas nunca exerceu a profissão. Praticou boxe e era um fanático torcedor do clube de futebol América. Começou sua carreira profissional na publicidade, onde começou a trabalhar em roteiros.

Casou-se pela primeira vez com a escritora Graciela Fernández, com quem teve seis filhos. Só em 2004 oficializaria seu casamento com a atriz Florinda Meza, a Dona Florinda.

Aos 80 anos, perguntaram a ele sobre a sua relação de décadas com a atriz Florinda Meza. “Já estamos há 30 anos casados”, respondeu. “Temos um casamento sólido que só a morte acabará com ele… ou a Shakira!”.

Ganhou o apelido de Chesperito do diretor de cinema Agustín P. Delgado por causa do 1,60 de altura.

Foi só na década de 1970 que começaram a ser exibidas as séries que fizeram de Bolaños um gigante do humor: “Chespirito”, “Chapolin” e “Chaves”. A partir de 1973, quase todos os países da América Latina tinham na programação de TV episódios dos programas. No começo da década de 1990, Bolaños decidiu aposentar “Chaves” e “Chapolin” e resolveu apostar em “Los Caquitos”, em que interpretava o ladrão Chómpiras (que ganhou no Brasil o nome de Chaveco).

Chaves era um dos personagens e segmentos do programa “Chespirito” que começou a ser exibido no México em 1971. O primeiro capítulo de “El Chavo del Ocho” (como era conhecido o personagem nos outros países de língua espanhola) foi transmitido em 20 de junho de 1971.

O sucesso das histórias do menino sardento de 8 anos que vive dentro de um barril foi tanto que seu programa era transmitido para quase todos os países da América Latina já em 1973. Chaves foi dublado para mais de 50 idiomas e transmitido em países distantes do Tailândia, China, Japão e Grécia.

A série foi produzida originalmente entre 1971 e 1980, como programa independente, e entre 1980 e 1992 como esquete do programa de variedades “Chespirito”, que Bolaños estrelou na rede de TV Televisa. Foram mais de 300 episódios, segundo a rede Televisa.

A série “Os Simpsons” homenageou Bolaños com o personagem Pedro Chespirito, que aparece sempre vestido de abelha e fala frases em espanhol. (fonte: G1/foto: Francisco Vega/AFP)

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome