Morador esclarece sobre corrente instalada em calçada na Cohab Massangano e diz que vai retirar equipamento

25

Como este Blog mostrou hoje (12) cedo, um comunitário da Cohab Massangano, zona oeste de Petrolina, que reside à Rua 21, instalou duas barras de ferro e uma corrente na frente de sua residência, e o fato gerou polêmica. O motivo, segundo leitores do Blog, é que o morador teria invadido a calçada.

Em nota, o dono da residência, Nelson Lyra, disse que instalou a corrente para evitar que pessoas coloquem veículos no local e impeçam a sua saída de casa. Ele relata já ter tido problemas com isso, inclusive quando precisou sair com seus filhos doentes, e disse que as correntes não atrapalham os pedestres, pois ficam somente na frente da garagem. Nelson disse que reconhece estar errado e que vai retirar as correntes, mas quer que as pessoas respeitem as leis e não obstruam a saída de sua casa.

Acompanhem:

Sou o morador da residência, localizada na Rua 21 da Cohab Massangano, a qual estão se referindo na reportagem, que segundo, autointitulado de “morador” da Cohab Massangano, está causando polêmica. Não estou aqui para causar polêmica, mas sim para exercer o meu direito de resposta. Não pus as barras de ferro com o escopo de cercear o direito de ir e vir do cidadão, mas para assegurar, também, o meu direito de ir e vir como cidadão. Pois, não sei se é do conhecimento dos nobres leitores, nessa rua há um grande fluxo de veículos, que trafegam constantemente e param na frente da garagem que dá acesso a entrada e saída da minha residência.

Moro na referida residência há 18 anos e conheço bem os problemas enfrentados pela comunidade, e garanto aos senhores, esse é um dos menores com os quais deveriam se preocupar, que poderia ser resolvido se alguns respeitassem o direito dos demais. A calçada mede em torno de 50 m², contando com o recuo, espaço suficiente para as pessoas trafegarem com tranquilidade, como podem comprovar, conforme a imagem, cedida pelo suposto “morador”. A corrente fecha apenas o espaço da garagem, não obstrui a passagem dos pedestres, apenas um pequeno espaço, e sim a de veículos e motocicletas, que obstruem tanto a minha passagem quanto a dos pedestres.

A finalidade das calçadas é o livre acesso e passagem dos pedestres, e não estacionamento de veículos como estava ocorrendo. Ocorre que nessa rua há vários pontos comerciais, com grande movimentação, conforme imagem, e algumas pessoas não respeitam a legislação de trânsito, obstruindo a garagem, fechando a entrada e a saída. Tenho filhos que sofrem com problemas de asma e já passei pelo transtorno de ter que levá-los ao hospital com urgência e me deparar com minha garagem obstruída. Qual cidadão não entraria em desespero vendo seu filho quase morrendo sem ar. Desta forma tentei resolver o meu problema. Não que esteja correto, mas também não tenho bola de cristal para adivinhar a quem pertence os veículos infratores.

Não sei se é do conhecimento dos nobres leitores, mas Petrolina, hoje, por conta de alguns condutores que desrespeitam a legislação de trânsito, incorrendo no cometimento de inúmeras infrações nessa modalidade, conta com um grande número de denúncias a Central de Trânsito, para desobstrução de garagens, por conta de condutores sem consciência, que desrespeitam o direito dos demais. Como é do meu conhecimento, Petrolina conta com um pequeno, mas eficiente, efetivo de agentes de trânsito que atendem grande número de ocorrências, desde as menos, as mais gravosas, e não conseguem atender a inúmeras denúncias, ao mesmo tempo, de obstrução de garagens. Destarte, foi a única forma que encontrei para solucionar o meu problema, sem ter que acionar as viaturas de trânsito, que têm outros problemas mais graves, a priorizar.

Não estou afirmando aqui que agi de forma correta, mas foi dessa forma que “resolvi” o meu problema. Acho que a pessoa que fez a denúncia não é moradora do bairro, pois as correntes estão no local há mais de 2 anos e nunca incomodou os moradores. E ainda assim, as pessoas continuam obstruindo a minha garagem. Algumas delas, não moradoras do bairro, sobem na calçada com carros e motos, destruindo e causando prejuízo.

Se realmente essa denúncia partiu de algum morador do bairro, prometo solucionar o problema. Porém, peço primeiramente aos leitores que me compreendam e não me condenem por isso, pois sei que alguns dos senhores leitores e até mesmo o nosso ilustre Carlos Britto já devem ter passado por esse constrangimento, de querer sair da sua própria residência e não poder sair, por conta de pessoas sem consciência, que desconhecem onde começa e onde termina o seu direito.

Irei retirar as correntes, reconheço o meu erro e gostaria que as pessoas tentassem compreender o meu lado, que respeitassem o meu direito de ir e vir. Fica aqui o meu forte abraço aos leitores e ao nobre amigo Carlos Britto. Fica também o convite ao suposto morador para debatermos, de forma civilizada. Como pode observar sou uma pessoa aberta a diálogos, uma solução para o meu problema, já que o do mesmo será resolvido.

Nelson Lyra/Morador

(foto/divulgação)

25 COMENTÁRIOS

  1. Eu não vejo problema do morador ter colocado as correntes na calçada, até porque não esta atrapalhando o fluxo dos pedestres. Como ele disse, quem fez a denúncia nem deve ser morador dessa área para saber das dificuldades do local.

  2. Infelizmente muitas pessoas não respeitam a garagem dos outros e se fazem de desentendido. Moro em um prédio com 4 carros na garagem e a grade da mesma mostra claramente os veículos, mesmo assim tem pessoas que não respeitam o direito dos outros e estacionam, quando vamos reclamar, acham ruim e ainda soltam indiretas.

  3. O senhor Nelson está certo, eu moro na vila mocó e já passei por isso muitas vezes, já tive q pedir o carro do meu cunhado emprestado pra sair com meus filhos por conta de um irresponsável que estacionou em frente a minha garagem e eu não consegui sair com meu carro.

  4. Seu Nelson, é incorreto sim o que o senhor está fazendo, mais pela falta de educação desses condutores o poder público deveria dar carta branca para que as correntes sejam mantidas na calçada. Está explicadíssimo de como o senhor deva sofrer com pessoas mal educadas, sem princípios e que se acham que estão acima do bem e o do mal. Seu Nelson está difícil e complicado o cidadão de bem viver neste país, país este em que o cidadão de bem só está servindo para pagar impostos e não tem nenhum retorno.

  5. A calçada é pública e esse fato não dar direito de colocar as correntes. Ele é muito cheio moral pelo simples fato de ser policial de trânsito da ampla acha que tem direito de fazer isso. As correntes não impede ninguém de colocar o carro na garagem conversa fiada. Tire e exige que a lei prevaleça. Assim vc terá o direito respeitado.

  6. Sempre tenho este problema de frente a minha garagem, sempre coloco bilhetes nos veículos infratores com o artigo do código de trânsito que cita a proibição de estacionar em frente a garagem a AMMPLA deveria fazer campanha explicando o que já é obrigação de todos motorista.

    • Obrigado amigo pela força! Peço desculpas sim, como cidadão tenho que dá exemplo de educação a ser seguido, aos poucos iremos disseminando na cabeça, das pessoas que não respeitam o direito dos outros, um pouco de educação. O senhor concorda comigo???
      Obrigado e um forte abraço!!

  7. Bom dia a todos!

    Realmente senhora Maria Clara, a calçada é ppública, errei em colocar as correntes, más foi a única forma que encontrei de impedir pessoas desinformadas da legislação de trânsito e código civil, de entrarem minha garagem. Trabalho na ammpla sim, más não passo por cima do direito dos outros não. Obrigado pela moral que me atribuiu, é sinal que estou desempenhando bem as minhas funções como servidor público. Se a senhora nunca passou por um transtorno desses, de ter a sua saída obstruída, então, tenho certeza que, a senhora não tem garagem. Antes de mais nada, sou um cidadão comum, com direitos e deveres, e um dos meus direitos, é de ter acesso a minha garagem, um dos meus deveres é o de saber onde começa e onde termina o meu direito. E como servidor público o meu dever é assegurar que o direito da senhora seja garantido. Destarte, quando a senhora precisar de mim, estarei a sua disposição para garantir o direito da senhora de entrar e de sair com o seu veículo de sua residência.
    Obrigado pela compreensão e um forte abraço!!!!

  8. Sinceramente, não vejo problema algum em um morador colocar a corrente para minimizar o problema que vem sofrendo. Entendo as razões por ele expostas, já passei por esses “perrengues” algumas (poucas) vezes, apesar de morar em área residencial. São visitas de vizinhos, amigos festeiros etc., que param o veículo em posição que dificulta/inviabiliza a saída de meu carro da garagem. Entendo, terrível. Algumas vezes não se tem, realmente, a quem apelar.

  9. Que lixo é o ser humano! Cada vez mais decepcionado com o mesmo! Cara vão procurar oq fazer deixe o Rpz em paz! Se ele tem o emprego dele é pq conquistou com seu esforço, vão estudar da mesma forma bando de invejosos! Se ele colocou essas correntes lá é pq foi nescessario, pq iria enfeitar a casa é que não era! Que povinho LIXO viu! Vão pegar no pé dos sfds dos políticos corruptos que de 4em 4 anos vcs elegem pra ver se a vida melhora bando de infelizes! NELSON LIRA não tire as correntes não, e outra pegue o talão e picali a caneta nesses delinquentes que acham que é acima da lei, arrocha meu querido!!! Sucesso na sua vida e coloque umas espadas de São Jorge na frente da sua casa! Um abraço cara.

  10. Isso é coisa de desocupado, essas correntes não atrapalham em nada, isso deve ter incomodado alguém que queria estacionar na calçada dele. Deixe essas correntes aí tem coisa mais importante na cidade para as autoridades resolverem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome