Aulas na Faculdade de Odontologia de Pernambuco são suspensas por conta de infraestrutura precária e risco de desabamento de prédio

2
Crédito: Marlon Costa/Pernambuco Press

As aulas na Faculdade de Odontologia de Pernambuco (FOP), em Camaragibe, no Grande Recife, foram suspensas devido a problemas de infraestrutura e risco de queda do prédio. De acordo com a Universidade de Pernambuco (UPE), um novo cronograma de atividades será montado para a conclusão do segundo semestre letivo de 2019. A instituição também prometeu informar para qual local serão levados os estudantes.

A universidade informou que a decisão foi tomada pelo Conselho Superior, nesta segunda-feira (2). Por meio de nota, a UPE disse, ainda, que “não haverá prejuízo para os estudantes“.

O campus, que tem 44 anos, é alvo de reclamações de estudantes, que dividem espaço com uma comunidade, no mesmo prédio, e uma escola estadual. No local, foram feitas denúncias de assaltos, perseguições policiais e violência.

A decisão do Conselho Superior da universidade ocorreu após uma série de conversas com os estudantes, que se mostraram preocupados com a infraestrutura. Segundo a aluna do 7º período de odontologia e vice-presidente do Diretório Acadêmico, Maria Eduarda Lucena, a situação é “insustentável“.

O que nos preocupou foi um laudo da Defesa Civil, que disse que parte da FOP está com risco imediato de desabamento. O local tem muitos pontos de infiltrações e a fiação é antiga, tem risco de incêndio. É um prédio com estrutura frágil e que não tem uma manutenção constante. Falamos com a direção e dissemos que era insustentável continuar lá“, afirmou a estudante.

No prédio da FOP, também funciona uma clínica-escola, que oferece atendimento odontológico gratuito a pessoas da comunidade externa. À tarde, os estudantes se reuniram com deputados, na Assembleia Legislativa de Pernambuco, no Centro do Recife, para falar sobre a situação do prédio.

Preocupação

Em fotos enviadas ao G1 por uma comissão formada por estudantes é possível ver a fiação e vigas expostas e parte do reboco que cobre a estrutura caído. Ainda segundo Eduarda, a preocupação dos estudantes é com as aulas práticas, mesmo que a UPE leve para outros prédios as aulas teóricas do curso de odontologia. “Temos laboratórios e clínica, porque odonto é um curso muito prático. Agora, temos só provas e trabalhos de conclusão, mas nosso medo é de que, em março, tenhamos que iniciar o semestre num local onde não teremos as aulas de que precisamos. Mas para o prédio da FOP, do jeito que está, não dá para voltar“, afirmou a jovem. (Fonte: G1-PE)

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome