Artigo do leitor: Uma homenagem a Freddie Mercury

0
Fotos: reprodução

Certamente o leitor do Blog, Mário Pires, é um desses milhões de fãs do músico Freddie Mercury, que se encantaram com sua performance à frente da banda britânica Queen. Hoje (24) o mundo do rock lembra os 27 anos da morte de Freddie, e nosso leitor fez questão de deixar sua homenagem.

Confiram:

“Amor da minha vida”

Essa é a tradução de uma das canções mais lindas e históricas no mundo: “Love of my life” – do Queen, escrita por Freddie Mercury e que retrata o sentimento mais puro e verdadeiro que pode existir entre duas pessoas. Revela também, em todo o contexto, a dor que Mercury sentiu ao ver sua amada, Mary Austin, deixá-lo quando ele assumiu a bissexualidade.

A história dessa canção é relatada, com muita emoção, no filme documentário “Bohemian Rhapsody”, que conta parte da vida de Freddie Mercury. Focando no nascimento e trajetória da Queen, a história de amor com Mary, a vida regada a sexo, bebidas, drogas e o fim lamentável após contrair o vírus da AIDS.

O longa, em cartaz nos cinemas, descreve as muitas escolhas feitas por Freddie Mercury, que morreu aos 45 anos de idade, nos deixando órfãos de tantas outras belas canções que poderiam ser escritas por ele. Mas não quero me ater a isso. Quero falar de amor.

Mesmo com a separação do casal, o amor de Freddie e Mary não acabou. Eles se tornaram muito amigos, estiveram juntos em muitos momentos de glória do Queen, pois, pesquisando além do filme, descobri que Freddie concedeu a Austin um cargo administrativo na banda, e muito bem remunerado, para que ela permanecesse perto dele. Tanto que, apesar de sua vida mais homossexual, Mercury nunca deixou de externar o amor por Mary.

“Love of my life” é cantada até hoje e muitos não sabem a história e o valor sentimental desta canção. No trecho “Love of my life, can’t you see? Bring it back, bring it back. Don’t take it away from me. Because you don’t know What it means to me”, que traduzindo diz: “Amor da minha vida, você não vê? Traga de volta, traga de volta. Não tire isso de mim, porque você não sabe o que isso significa para mim”, Freddie se despe de todo orgulho ao implorar por seu grande amor. Mas Austin nunca deixa de amá-lo e permanece por perto até o fim da vida de Mercury.

Mary foi a primeira pessoa a saber que Freddie estava infectado com AIDS. E, antes de morrer, em 24 de novembro de 1991, em reconhecimento ao grande amor de sua vida, Freddie deixou para Mary metade dos seus bens, os direitos autorais de suas canções e uma mansão com 28 quartos que ele morava em Londres, e que Mary, hoje com 67 anos, ainda mora. Amor é gratidão. 

Freddie teve muitas aventuras e outros relacionamentos duradouros. Por alguns anos e até o fim de sua vida, foi casado com Jim Hutton. Mary também casou-se, teve dois filhos, separou e casou novamente. Mas nunca deixou de ser o grande amor da vida de Mercury. Seu respeito e devoção por Mary Austin foi além dos seus bens materiais. Segundo relatos, atendendo ao pedido de Freddie, Mary talvez seja a única pessoa, no mundo, a saber onde estão as cinzas do seu corpo. Entretanto, há uma placa, escrita em francês, num cemitério em Londres, que faz menção a Farrokh Bulsara, nome de batismo de Freddie Mercury, diz: “Para estar sempre perto de você. Com todo meu amor. M.” – Acredita-se ser “Mary”, que também o amou além da vida.

O artista performático que chamava a atenção em suas letras, roupas e na forma de se expressar desejou também, após seu último suspiro, estar sob os cuidados de quem ele mais amou. Na tradução da parte “When I grow older, I will be there at your side. To remind you how, I still love you.” Freddie diz: “Quando eu envelhecer eu estarei ao seu lado para lembrá-la como eu ainda te amo”. Imaginou estar ao lado de Mary, quando seus cabelos brancos surgissem. Se hoje estivesse vivo, Freddie Mercury teria 72 anos.

Por fim, ao completar 27 anos de sua partida, quero contemplar mais vezes esta bela canção e compartilhar o amor e a poesia que Freddie Mercury nos presenteou. E, se pudesse mandar um recado para ele, faria uso dessa mesma letra, dizendo: “Back, hurry back! Please, bring it back..” – Volte, volte logo! Por favor traga de volta..”, pois, estamos carentes de amor e poesia.

Mário Pires/Leitor

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome