Artigo do leitor: “Itacuruba não precisa de usina nuclear”

10
Foto: reprodução internet

O jornalista e comentarista assíduo deste Blog, Machado Freire, não perdeu a oportunidade de expor sua opinião acerca de um projeto para construção de uma usina nuclear em Itacuruba (PE), no Sertão de Itaparica. E deixa bem claro, com todas as letras, ser contra.

Confiram:

A minha querida e nostálgica Itacuruba não precisa de usina nuclear, precisa de projetos sustentáveis, que propiciem emprego e renda e a tranquilidade a todos que devem ser tratados com dignidade.

Se querem produzir energia alternativa, se querem inovação, Itacuruba e a maioria dos municípios do Sertão e do Nordeste têm as melhores condições para produzir (e exportar) energia eólica e solar. Isto está mais do que provado e comprovado.

Se alguém que pretende ver muito dinheiro jorrar, algum grupo crescer financeira e economicamente, que faça prospecção de ouro ou de petróleo alhures. Mundo afora, onde entenderem!

O que falta é apoio institucional, empresarial e político para tornar a vida do filhos de Itacuruba muito mais digna, muito mais segura e tranquila. Por que não estimular a pesca, a produção de frutas, de grãos, criação de galinha?

Usina nuclear, NÃO!

Machado Freire/Jornalista

10 COMENTÁRIOS

  1. Concordamos com o Machado Freire da não necessidade de Usina Nuclear em Itacuruba. Acrescentamos, e em nenhum lugar do Nordeste. A energia mais barata é a hidroelétrica, e no Rio São Franciscos e afluentes ainda comportam pelo menos mais 5(cinco) hidrelétricas, com um adendo, devem deixar as escadas para peixes. Itacuruba e região do Moxotó, precisam é de muitas Barragens Mixtas do tipo Galgáveis e Subterrâneas, e, em seus bojos se construirem Poços Amazonas, e, a partir desses Poços se fazer pequenos bombeamentos para pequenas irrigações, e, consumo humano e animal. A região do Moxotó é rica em córregos e riachos, onde se pode represar água das chuvas. Essa é a solução para todo o Semiárido, o problema é que o Povo e os Governos só pensam em grandes barragens, que sem dúvidas represam muita água, só que essa água não é aproveitada e a maior parte é evaporada, sem uso nenhum. Mesmo as grandes barragens não conseguem reter as grandes quantidades de água das chuvas, para se ter numa ideia, quando chove pouco no Semiárido, cai cerca de 200 bilhões de metros cúbicos no ano. Tamos juntos, temos a solução para água no Nordeste. Transposição não é e nunca foi solução, pois essa será abandonada, tão logo o Governo Federal deixe de pagar a conta de energia.

  2. Vejo que o jornalista desconhece a realidade pedológica da região. As terras produtivas foram cobertas pelo lago de Itaparica. Os ventos são fracos. E a desertificação está em estágio avançado. Usina nuclear é segura. Enxergo como única alternativa de desenvolvimento regional. Melhor se informar com cartas da SUDENE, artigos da Fundação Joaquim Nabuco e FGV. Estudar não custa nada. Pra evitar falácias.

  3. Esse jornalista deveria pesquisar um pouco antes de falar bobagem. Uma usina nuclear emprega centenas de pessoas, salários elevados por serem funções altamente especializadas, e que irão residir na cidade, gastar seu dinheiro por lá, nas padarias, casas que deverão ser alugadas, supermercados, e até bares e restaurantes.

    Outro ponto que o jornalista deveria ter procurado saber mais, é que as fontes que citou são fontes intermitentes, e que possuem baixa produtividade, o que reflete em preços mais altos. A Alemanha resolveu fechar usinas nucleares e investir nas ditas energias verdes, o preço por lá quase triplicou, a indústria alemã está às turras com o preço da energia, além de que estão tendo que reativar usinas a gás e a carvão par compensar a perda de produtividade, resultando em mais poluição do ar. Nosso povo não pode pagar tão caro pela energia. A usina nuclear é conhecida por sua fonte ser altamente produtiva, o que compensa os custos, e a torna bastante sustentável pelos próximos séculos.

    Se o problema é segurança, o jornalista pode dormir tranquilo, em toda a história da energia nuclear perto de 1.000 reatores operaram no mundo, e apenas 3 tiveram acidentes, ou seja bem menos que 1%! A usina nuclear, segundo estudos, é a que menos possui mortes por GW produzido, tornando a extremamente segura.

    Se o problema é inovação, o jornalista também pode ficar despreocupado, pois uma central nuclear pode abrigar um centro de pesquisas em energia nuclear, até mesmo para trabalhos com a fusão nuclear, que é o futuro da energia nuclear, e que o Brasil tem feito pesquisas na área.

    Resumindo: sejam bem vindos reatores nucleares, se não quiserem mandem aqui para Petrolina que a gente aceita! Já temos um curso de engenharia elétrica na cidade vizinha, um centro de pesquisas em energia nuclear seria melhor ainda.

  4. É muito triste ver as pessoas expor a sua ignorância assim, tendo influência.
    Usina nuclear é algo seguro devido as inúmeras medidas de segurança aplicadas desde os desastres de Chernobyl e Fukushima. Desastres esses que devem ser o motivo pra esse tal jornalista ser contra.
    O nordeste perde muito mais do que ganha com esses jornalistas ignorantes.

  5. Deixa de ser burro, cara. Usina nuclear vai trazer dinheiro pra sua cidadezinha pacata. É limpa e segura. Vamos nos voltar ao desenvolvimento do Nordeste. Pessoas como vc é que atrasam nossa vida nessa região. Não é a toa que somos subdesenvolvidos.

  6. Fato é, um município com menos de 5.00 habitantes (4.300) que está prestes a desaparecer devido a PEC do Bozo deveria ficar feliz com esse novo investimento que iria reder milhões em royalties e não mais ficar dependendo do FPM pra sobreviver. Melhor a usina do que não existir mais! #Ficaadica

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome